So­bre ar­te e até Deus

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Po­de ser que “As Aven­tu­ras de Pi” não se­ja um gran­de fil­me, mas é be­lo e mis­te­ri­o­so. E mui­to bem di­ri­gi­do. Ang Lee que­brou re­gras – reu­niu água, cri­an­ça (um ado­les­cen­te, pe­lo me­nos) e ani­mal (um ti­gre de Ben­ga­la). Ca­da um des­ses ele­men­tos é con­si­de­ra­do, iso­la­da­men­te, de­ses­ta­bi­li­za­dor em qual­quer fil­ma­gem. Ima­gi­ne a po­tên­cia con­ju­ga­da dos três pa­ra cri­ar o caos. É ver­da­de que as no­vas tec­no­lo­gi­as aju­da­ram, e mui­to. O fil­me foi fei­to na mai­or par­te do tem­po num tan­que, em Taiwan, e a di­gi­ta­li­za­ção cri­ou o efei­to de mar aber­to. O pró­prio ti­gre, tal co­mo apa­re­ce na te­la, é um efei­to di­gi­tal ela­bo­ra­do a par­tir de qua­tro ani­mais – o ti­gre cha­ma­do de King, Rei, foi a ma­triz (im­po­nen­te) pa­ra Ri­chard Par­ker, du­as fê­me­as mo­de­la­ram os mo­men­tos mais agres­si­vos do bi­cho e um ti­gre ca­na­den­se, de cir­co, os ra­ros mo­men­tos dó­ceis.

O ori­gi­nal cha­ma-se “Li­fe of Pi”, co­mo o li­vro de Yann Mar­tel em que se ba­seia, lan­ça­do no Bra­sil co­mo “A Vi­da de Pi”. Em- bora te­nha no cur­rí­cu­lo sucessos co­mo “O Ti­gre e o Dra­gão” e obras de pres­tí­gio co­mo “O Se­gre­do de Bro­ke­back Moun­tain”, que lhe va­leu o Os­car de di­re­ção, Ang Lee con­ta que nun­ca foi tão di­fí­cil mon­tar um pro­je­to, tal­vez por­que os pro­du­to­res te­mes­sem pe­la con­jun­ção de ele­men­tos des­fa­vo­rá­veis, mas tam­bém por­que mais de du­as ho­ras com so­men­te um ti­gre e um ga­ro­to num bo­te não pa­re­cem, a pri­o­ri, mui­to in­te­res­san­tes pa­ra o pú­bli­co. É um mé­ri­to de Ang Lee que te­nha con­se­gui­do pren­der o olho do es­pec­ta­dor. Mais que is­so. Fil­mou o olhar – e abriu uma ja­ne­la pa­ra a alma.

O ga­ro­to cri­a­do num zo­o­ló­gi­co so­bre­vi­ve ao nau­frá­gio no qual per­de os pais e os irmãos. Des­co­bre-se na in­só­li­ta si­tu­a­ção de es­tar, em ple­no oce­a­no, num bo­te, com o ti­gre. Con­tar es­sa his­tó­ria en­cer­ra os de­sa­fi­os que já fo­ram re­fe­ri­dos. Mas is­so não res­pon­de à ques­tão es­sen­ci­al – por que Ang Lee quis tan­to fa­zer “As Aven­tu­ras de Pi”? “De Pushing Hands” (“A Ar­te de Vi­ver”), há 20 anos, até “Acon­te­ceu em Wo­ods­tock”, o ci­ne­ma de Ang Lee tra­ta com frequên­cia, se­não sem­pre, de la­ços de fa­mí­lia.

Pi, o pro­ta­go­nis­ta de seu no­vo fil­me, per­de a fa­mí­lia de­le, mas for­ma ou­tra. O fil­me nar­ra uma his­tó­ria de so­bre­vi­vên­cia e trans­for­ma­ção (in­te­ri­or). Re­me­te ao te­ma do­mi­nan­te da obra do au­tor. Em 1995, Ang Lee fez na In­gla­ter­ra – e Em­ma Thompson ga­nhou o Os­car de ro­tei­ro – uma su­til adap­ta­ção de Jane Aus­ten. O fil­me cha­ma(va)-se “Ra­zão e Sen­si­bi­li­da­de” e, des­de en­tão, Ang Lee gos­ta de di­zer que es­se é o em­ba­te que mo­ve seus per­so­na­gens. Pi não é uma ex­ce­ção, mas, ago­ra, há al­go mais, que en­vol­ve a pró­pria nar­ra­ti­va de su­as aven­tu­ras.

A his­tó­ria é con­ta­da du­as ve­zes. Por meio de uma re­quin­ta­da si­me­tria audiovisual, que en­vol­ve ima­gem, som, efei­tos, 3D, o di­re­tor le­va o es­pec­ta­dor a com­par­ti­lhar a ex­pe­ri­ên­cia de Pi em al­to-mar, tal co­mo ele a con­ta pa­ra o aprendiz de es­cri­tor, na re­a­li­da­de, um aprendiz de vi­da. Ang Lee bus­ca, com is­so, despertar nos­sa sen­si­bi­li­da­de. Mas aí ocor­re uma coi­sa – ve­ja, pa­ra sa­ber o quê – e a his­tó­ria é re­con­ta­da oral­men­te, de for­ma su­cin­ta, pa­ra que o es­cri­tor, no fil­me, re­ti­re de­la o seu sig­ni­fi­ca­do. É a “ra­zão”.

Tudo vi­ra sím­bo­lo em “As Aven­tu­ras de Pi” – o oce­a­no, o bo­te, o ti­gre, o céu es­tre­la­do, a ilha na qual a du­pla en­con­tra abri­go e que, em si mes­ma, é um dos ce­ná­ri­os mais es­tra­nhos do ci­ne­ma. A ilha libera ener­gi­as ou en­zi­mas que des­tro­em à noi­te o que ofe­re­ce de dia. Al­guém po­de­rá pen­sar que se tra­ta de “for­ça­ção” de bar­ra, mas foi o que mo­veu o di­re­tor. A bus­ca de um sen­ti­do me­ta­fí­si­co (mís­ti­co?) na vi­da de Pi e, por ex­ten­são, no pró­prio ato de fil­mar. Nes­se sen­ti­do, a epo­peia so­li­tá­ria de Pi, mais do que com Er­nest He­mingway – “O Ve­lho e o Mar” –, tem a ver com a do gru­po de John Way­ne em “Ha­ta­ri!”, com a di­fe­ren­ça de que Howard Hawks era mais sim­ples e direto e Ang Lee se sen­te obri­ga­do a re­for­çar com a ra­zão o que te­me que a sen­si­bi­li­da­de não con­si­ga as­si­mi­lar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.