Com uma flor nas mãos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Quan­tas ve­zes saí­mos de ca­sa com pres­sa e es­que­ce­mos, por ve­zes, de ob­ser­var nos­so pró­prio ha­bi­tat? Não nos aten­ta­mos ao sol quei­man­do a pe­le aos pou­cos, an­si­an­do por uma olha­de­la e um pen­sa­men­to de que o dia es­tá lin­do. O ven­to aca­ri­cia o ros­to, ema­ra­nha os ca­be­los, e re­cla­ma­mos. A chu­va cai ame­ni­zan­do o ca­lor e re­fres­can­do a ro­ti­na. E, ain­da as­sim, ou­sa­mos re­cla­mar. Fre­quen­tar aque­le am­bi­en­te es­cu­ro e aba­fa­do não era es­tra­nho, uma vez que ti­nha es­ta­do ali in­con­tá­veis ve­zes no ano an­te­ri­or pa­ra uma ou­tra re­por­ta­gem, à épo­ca da fa­cul­da­de. Por que vol­ta­ria? O chão aver­me­lha­do ca­re­cia de um bom en­ce­ra­men­to, e o pó de­ve­ria ser ar­re­mes­sa­do por­ta afo­ra. Qu­em eram aque­las pes­so­as? Uns ten­ta­vam co­chi­lar nos dois so­fás dis­pos­tos na sa­la, ou­tros se reu­ni­am na me­sa de cen­tro pa­ra mo­de­lar com ar­gi­la, co­mo se brin­cas­sem de cri­ar a pró­pria vi­da. Co­mo um so­pro no bar­ro. Um ven­ti­la­dor e du­as ja­ne­las aber­tas da­vam con­ta da tem­pe­ra­tu­ra quen­te. As pes­so­as me fi­ta­vam ti­mi­da­men­te, al­guns até en­gros­sa­vam a voz. Não ofe­re­cer ame­a­ça àque­las pes­so­as cons­tan­te­men­te ame­a­ça­das pe­lo des­ti­no era qua­se um de­sa­fio. E eu es­ta­va mu­ni­da ape­nas com uma caneta azul e um blo­co de pa­pel de pão. Ain­da as­sim, so­a­va ame­a­ça­dor re­ve­lar tal re­a­li­da­de. Afir­mar uma con­di­ção e com­par­ti­lhar aque­las his­tó­ri­as. Em cer­tas si­tu­a­ções, os pro­ble­mas se tor­nam di­mi­nu­tos. Al­guém aí já pas­sou por is­so? Eu só con­se­guia pen­sar que vol­ta­ria pa­ra ca­sa na­que­le dia. E eles? Acho que o de­sa­fio mai­or da mai­o­ria das pes­so­as é olhá-los nos olhos co­mo se fos­sem iguais. E ali en­xer­gar um ser hu­ma­no. Foi fá­cil per­gun­tar das fa­mí­li­as, da ro­ti­na, do que es­ta­vam fa­zen­do na ar­gi­la. O te­mor era se eu ou­sas­se per­gun­tar o que fa­zi­am com a pró­pria vi­da. Eu não ti­nha es­se di­rei­to de ti­rar-lhes o que já nem ti­nham mais. Dig­ni­da­de. O ho­rá­rio da ofi­ci­na che­ga­ra ao fim, era fi­nal­zi­nho de tar­de de um dia na se­ma­na. Um dia qual­quer. Ca­da um ti­nha de vol­tar pa­ra ca­sa, o lar que nem ti­nham. Sob o te­to da rua, à es­prei­ta das cal­ça­das e a tal da li­ber­da­de que o mun­do lá fo­ra diz ofe­re­cer. Ele sus­sur­ra aos ou­vi­dos pro­me­ten­do im­pos­si­bi­li­da­des, se­duz, mas aban­do­na. Ob­ser­va­va aten­ta às pes­so­as sain­do, pou­co tí­mi­das ago­ra. Al­guns ar­ris­ca­vam um adeus com as pal­mas das mãos ain­da opa­cas pe­lo ma­nu­seio da ar­gi­la. Eu re­tri­buía com um ace­no de ca­be­ça. Um de­les fi­cou por úl­ti­mo. Não dis­se uma pa­la­vra du­ran­te o tem­po em que per­ma­ne­ce­mos ali, mas an­tes de par­tir dei­xou um em­bru­lho so­bre a me­sa. “É pa­ra vo­cê”, ain­da ar­ris­cou, an­tes de de­ban­dar pa­ra fo­ra da sa­la. Mal ti­ve tem­po de agra­de­cer, es­pe­ro que te­nha ou­vi­do. O em­bru­lho era fei­to de guar­da­na­pos de pa­pel bran­co e es­con­dia, qu­an­ta sur­pre­sa, uma flor! Uma ro­sa con­tor­na­da pe­la mão de al­guém que não co­nhe­cia, com as mar­cas di­gi­tais do so­fri­men­to im­pres­sas ali na ar­gi­la ain­da úmi­da. Uma ro­sa que não pre­ci­sa­ria de água pa­ra vi­ver, mas ain­da as­sim exi­bia a be­le­za rús­ti­ca de uma flor mo­de­la­da. Era o que to­dos ali pre­ci­sa­vam, não? Re­mo­de­lar a pró­pria exis­tên­cia. Na­que­le dia vol­tei pa­ra a ca­sa, ti­ve mi­nhas re­fei­ções, ti­nha on­de dor­mir. E ti­nha tam­bém uma ro­sa que ga­nhei de um mo­ra­dor de rua en­fei­tan­do a es­tan­te da sa­la. Um ges­to sin­ge­lo ca­paz de que­brar qual­quer pre­con­cei­to. Mas não con­se­guia os­ten­tar um sor­ri­so nos lá­bi­os. Nós sa­be­mos o porquê.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.