Am­bi­en­te, ae­ro­por­to e an­ti­ga ro­do­viá­ria no fo­co

GES­TÃO PÚ­BLI­CA Pa­ra a exe­cu­ção de gran­des pro­je­tos, o pró­xi­mo pre­fei­to con­ta com apoio de re­cur­sos fe­de­rais; ve­ja co­mo a ad­mi­nis­tra­ção en­ca­ra os de­sa­fi­os pa­ra Ma­rin­gá

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

Des­de 2010, to­do o li­xo do­més­ti­co não re­ci­clá­vel da ci­da­de é de­po­si­ta­do na Pe­drei­ra In­gá, por meio de um con­tra­to emer­gen­ci­al en­tre a pre­fei­tu­ra e a Cons­tro­es­te. O mu­ni­cí­pio pa­ga à em­pre­sa R$ 72,55 por to­ne­la­da - cer­ca de R$ 8 mi­lhões por ano.

O con­tra­to com a Cons­tro­es­te ven­ceu na quin­ta-fei­ra, dia 27, mas os ser­vi­ços se­guem nor­mal­men­te. Se­gun­do a pre­fei­tu­ra, se­rá pu­bli­ca­do um no­vo adi­ti­vo, pror­ro­gan­do o acor­do por mais 1 ano.

A so­lu­ção é pro­vi­só­ria e re­sul­ta de dis­pu­ta en­tre o mu­ni­cí­pio e a Pro­mo­to­ria do Meio Am­bi­en­te, ini­ci­a­da no fi­nal da dé­ca­da de 90.

A ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal já foi con­de­na­da e re­cor­re em uma ação que de­ter­mi­na a aber­tu­ra de um no­vo ater­ro sa­ni­tá­rio e re­cu­pe­ra­ção da área que abri­ga­va o an­ti­go li­xão. A sen­ten­ça tam­bém proí­be que se­jam de­po­si­ta­dos re­sí­du­os de qual­quer es­pé­cie no an­ti­go ater­ro.

Ain­da não há pro­je­tos apre­sen­ta­dos à Jus­ti­ça, com so­lu­ções pa­ra o li­xo da ci­da­de.

O que diz o go­ver­no

Pa­ra a pre­fei­tu­ra, ain­da não é vis­lum­bra­da uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va no cur­to pra­zo, mas a si­tu­a­ção atu­al é ti­da co­mo sa­tis­fa­tó­ria. “Com­pa­ra­do com os ou­tros mu­ni­cí­pi­os, aqui es­tá bem re­sol­vi­do, es­tá no­ta 10”, diz o pre­fei­to Sil­vio Bar­ros. O pro­je­to pa­ra o go­ver­no de Car­los Ro­ber­to Pu­pin é am­pli­ar a re­ci­cla­gem, mas em um ou­tro con­cei­to – as pes­so­as le­va­ri­am o li­xo re­ci­clá­vel até de­ter­mi­na­do pon­to de co­le­ta. Já a pro­cu­ra por um no­vo lo­cal pa­ra o des­pe­jo do li­xo não é vis­ta co­mo uma emer­gên­cia. A pe­drei­ra on­de o li­xo vem sen­do de­po­si­ta­do vem abrin­do no­vas áre­as, au­men­tan­do o tem­po de vi­da útil do lo­cal.

Du­as obras de­pen­den­tes de re­cur­sos fe­de­rais - o Ter­mi­nal In­ter­mo­dal de Pas­sa­gei­ros e o Trem-Pé Ver­me­lho - aguar­dam um po­si­ci­o­na­men­to do go­ver­no Dil­ma. Os dois pro­je­tos fo­ram apre­sen­ta­dos pa­ra o Mi­nis­té­rio das Ci­da­des e es­tão na dis­pu­ta, jun­ta­men­te com ou­tras 70 pro­pos­tas de ou­tros Es­ta­dos, por re­cur­sos do PAC Mo­bi­li­da­de Mé­di­as Ci­da­des.

O Trem Pé-Ver­me­lho li­ga­rá Ma­rin­gá a Lon­dri­na, be­ne­fi­ci­an­do 13 mu­ni­cí­pi­os. A li­nha vai aten­der até 1,75 mi­lhão de pes­so­as por ano, com de­man­da diá­ria es­ti­ma­da em 30,6 mil pas­sa­gei­ros. Es­tu­do fei­to pe­lo La­bo­ra­tó­rio de Trans­por­te da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Ca­ta­ri­na (Lab­trans) no ano pas­sa­do de­mons­trou que 60% dos pas­sa­gei­ros de ôni­bus e 43% das pes­so­as que cir­cu­lam de au­to­mó­vel na re­gião usa­ri­am o trem. A obra de 150 km es­tá or­ça­da em cer­ca de R$ 680 mi­lhões.

O Ter­mi­nal In­ter­mo­dal do Trans­por­te Co­le­ti­vo é uma obra que es­tá den­tro dos R$ 88 mi­lhões so­li­ci­ta­dos ao Mi­nis­té­rio das Ci­da­des pe­la Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, den­tro da mes­ma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to do Trem-Pé Ver­me­lho. O ter­mi­nal é pro­je­ta­do pa­ra o trans­por­te de pas­sa­gei­ros so­bre tri­lhos, in­ter­li­ga­do com li­nhas de ôni­bus. Cons­truí­do ao la­do da Ave­ni­da Ho­rá­rio Rac­ca­nel­lo, no No­vo Cen­tro, o ter­mi­nal se­rá sub­ter­râ­neo, aten­den­do ao trans­por­te ur­ba­no e me­tro­po­li­ta­no.

O que diz o go­ver­no

A fun­ção de Pu­pin se­rá cri­ar me­ca­nis­mos que ga­ran­tam o bom an­da­men­to da obra, com o mu­ni­cí­pio par­ti­ci­pan­do co­mo par­cei­ro e fis­ca­li­za­dor.

Um dos prin­ci­pais fo­cos de crí­ti­cas da opo­si­ção du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral, a área da saú­de é ti­da co­mo um dos mai­o­res pro­ble­mas da pró­xi­ma ad­mi­nis­tra­ção. Pa­ra a área de pron­to-aten­di­men­to fo­ram fei­tos in­ves­ti­men­tos na am­pli­a­ção do Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal e cri­a­ção de du­as Uni­da­des de Pron­to Aten­di­men­to (UPA). Ain­da há gar­ga­los nas áre­as de al­ta com­ple­xi­da­de.

Os mai­o­res des­gas­tes são nas fi­las por ci­rur­gi­as eletivas e fal­ta de in­te­res­se de mé­di­cos nos con­cur­sos. Uma al­ter­na­ti­va pa­ra re­du­zir as fi­las de con­sul­tas e ope­ra­ções foi fir­mar par­ce­ria com a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. Em 2010, os ve­re­a­do­res apro­va­ram o re­pas­se das so­bras de R$ 3,5 mi­lhões – re­fe­ren­tes ao que não foi gas­to pe­la Ca­sa em 2009 – pa­ra a Se­cre­ta­ria de Saú­de, com a fi­na­li­da­de de fa­zer an­dar a fi­la de ci­rur­gi­as e con­sul­tas es­pe­ci­a­li­za­das. A es­pe­ra foi qua­se ze­ra­da. Já nes­te ano, após pe­di­do da pas­ta, os ve­re­a­do­res vol­ta­ram a apro­var mais R$ 2,5 mi­lhões de re­pas­ses das so­bras do Le­gis­la­ti­vo, tam­bém pa­ra re­du­zir as fi­las de pa­ci­en­tes.

O que diz o go­ver­no

O pre­fei­to Sil­vio Bar­ros diz que a mis­são de Pu­pin na saú­de se­rá co­mo “abrir um bu­ra­co na areia da praia”. “Vem a on­da e en­che o bu­ra­co de água, não tem jei­to. Quan­do a nos­sa fi­la co­me­ça a an­dar, qu­em es­tá no pla­no de saú­de vem pa­ra cá, por­que es­tá mais rá­pi­do”, diz Sil­vio. Ele pro­je­ta que os in­ves­ti­men­tos em no­vas uni­da­des e con­tra­ta­ção de pes­so­al se­rão man­ti­dos, mas não es­pe­ra ve­lo­ci­da­de mai­or que da ini­ci­a­ti­va pri­va­da. “Se vo­cê for mar­car uma con­sul­ta ho­je com um neu­ro­lo­gis­ta, en­do­cri­no­lo­gis­ta ou der­ma­to­lo­gis­ta pe­lo pla­no de saú­de, vai con­se­guir pa­ra ho­je? Não, só da­qui 1 ou 2 me­ses. Se na saú­de pú­bli­ca for mais rá­pi­do, o que o ci­da­dão faz? Vem pa­ra cá. Quan­to me­lhor é o sis­te­ma, mais gen­te vi­rá pa­ra a fi­la, não tem jei­to”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.