DA UEM

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

A cons­tru­ção de um tú­nel cru­zan­do a Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) com mão úni­ca ru­mo à zo­na nor­te é ti­da co­mo uma das mais im­por­tan­tes obras pa­ra de­sa­fo­gar o trân­si­to nas ave­ni­das Mo­ran­guei­ra e Man­da­ca­ru. O fu­tu­ro des­se pla­no é in­cer­to.

O pro­je­to ain­da de­pen­de de dois fa­to­res: di­nhei­ro e aval da uni­ver­si­da­de. O mu­ni­cí­pio bus­ca no Mi­nis­té­rio das Ci­da­des re­cur­sos pa­ra a obra, por meio do PAC Mo­bi­li­da­de Mé­di­as Ci­da­des, em um pa­co­te que pre­vê tam­bém a cons­tru­ção do Ter­mi­nal In­ter­mo­dal. O go­ver­no fe­de­ral ha­via es­ta­be­le­ci­do o pra­zo de 14 de de­zem­bro pa­ra res­pon­der se apro­va­ria ou não o pro­je­to ma­rin­ga­en­se, mas a de­ci­são foi adi­a­da por tem­po in­de­ter­mi­na­do.

Ain­da que o di­nhei­ro pa­ra a obra se­ja li­be­ra­do, a pre­fei­tu­ra te­ria que con­ven­cer a UEM da ne­ces­si­da­de do pro­je­to, que en­con­tra for­te re­sis­tên­cia na ins­ti­tui­ção. A prin­ci­pal ale­ga­ção de li­de­ran­ças da uni­ver­si­da­de é que no ca­mi­nho do tú­nel exis­tem pré­di­os com equi­pa­men­tos ca­ros e que po­de­ri­am es­tra­gar com tre­pi­da­ções.

Em ju­lho des­te ano, o que pa­re­cia im­pen­sá­vel há al­guns anos acon­te­ceu: o nú­me­ro de pas­sa­gei­ros do ae­ro­por­to de Ma­rin­gá ul­tra­pas­sou pe­la pri­mei­ra vez o mo­vi­men­to da ro­do­viá­ria da ci­da­de. Não foi um fenô­me­no sa­zo­nal, mas o re­sul­ta­do de um pú­bli­co cres­cen­te e uma su­ces­são de re­cor­des men­sais de pas­sa­gei­ros no Ter­mi­nal Re­gi­o­nal Sil­vio Na­me Jú­ni­or.

A es­ca­la­da no to­tal de em­bar­ques e de­sem­bar­ques – fo­ram 666,9 mil em 2011, e até ou­tu­bro des­te ano o to­tal já che­ga­va a 642,6 mil –, es­ti­mu­la­da por pro­mo­ções nas pas­sa­gens aé­re­as e au­men­to do poder aqui­si­ti­vo, dei­xou o ae­ró­dro­mo aper­ta­do. Atu­al­men­te, o pré­dio tem me­nos da me­ta­de do ta­ma­nho do pro­je­to com­ple­to da obra. To­da a es­tru­tu­ra é ad­mi­nis­tra­da pe­la pre­fei­tu­ra – por meio da au­tar­quia SBMG – e foi con­ce­bi­da pa­ra re­ce­ber am­pli­a­ções, mas não há pre­vi­são or­ça­men­tá­ria pa­ra no­vas ins­ta­la­ções. A mai­or par­te dos re­cur­sos bus­ca­dos pe­la ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca foi vol­ta­da a obras de am­pli­a­ção e me­lho­ri­as na pis­ta.

O que diz o go­ver­no

A ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal vê que a es­tra­té­gia uti­li­za­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral po­de ser­vir co­mo um exem­plo. “O go­ver­no fe­de­ral es­tá pri­va­ti­zan­do os ae­ro­por­tos. Os in­ves­ti­men­tos no ter­mi­nal são da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, mas os in­ves­ti­men­tos em me­lho­ri­as nas pis­tas con­ti­nu­am sen­do do go­ver­no”, diz o pre­fei­to Sil­vio Bar­ros. “Se a mai­or em­pre­sa ae­ro­por­tuá­ria do País (In­fra­e­ro) es­tá fa­zen­do is­so, nós que so­mos pe­que­nos te­mos que ver o que es­tá sen­do re­a­li­za­do. Te­mos que ava­li­ar, ver se con­se­gui­mos in­ves­ti­men­to pri­va­do no ter­mi­nal”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.