MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

De­sa­fio da som­bra

Apro­va­do

Car­los Ro­ber­to Pu­pin (PP) to­ma pos­se na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra com uma mis­são di­fí­cil: fa­zer em qua­tro anos uma ad­mi­nis­tra­ção que não de­cep­ci­o­ne o an­te­ces­sor. Síl­vio Bar­ros (PP) ter­mi­na os oi­to anos de man­da­to de­le (dois, na ver­da­de), co­mo o pre­fei­to de me­lhor de­sem­pe­nho na his­tó­ria da ci­da­de. Uma vi­tó­ria de ex­pres­são, por­que des­pon­ta so­bre dois no­mes que mar­ca­ram a fun­do nos­sa his­tó­ria: Said Fe­lí­cio Fer­rei­ra e João Pau­li­no Vi­ei­ra Fi­lho. Coin­ci­dên­cia ou não, am­bos ti­ve­ram dois man­da­tos, igual a Síl­vio. A con­jun­ção de fa­to­res, co­mo o mo­men­to econô­mi­co mun­di­al, que per­mi­tiu ao Bra­sil um pe­río­do con­sis­ten­te de cres­ci­men­to, ali­a­do a uma in­ve­já­vel ca­pa­ci­da­de de com­pre­en­são das es­tru­tu­ras com as quais li­da e uma ine­gá­vel vir­tu­de de se co­mu­ni­car co­mo pou­cos fez da ad­mi­nis­tra­ção de Síl­vio Bar­ros um mar­co na his­tó­ria lo­cal. Ne­nhum pre­fei­to re­a­li­zou tan­to nem trans­for­mou tan­to com ele. Os ín­di­ces são im­pres­si­o­nan­tes. Mes­mo fa­zen­do uma ges­tão de cau­sar in­ve­ja nas de­mais ci­da­des, quan­do qua­dru­pli­cou em oi­to anos o or­ça­men­to mu­ni­ci­pal, Síl­vio não sai do go­ver­no sem ci­ca­tri­zes e mar­cas de quei­ma­du­ra. Foi per­se­gui­do por uma opo­si­ção pe­que­na, mas ran­co­ro­sa, que não sou­be res­pei­tar o li­mi­te en­tre a vi­da pú­bli­ca e a pri­va­da. Mes­mo re­ser­va­do, Síl­vio so­freu na in­ti­mi­da­de ata­ques ir­ra­ci­o­nais que le­va con­si­go. E, na par­te pú­bli­ca, tam­bém. Os pro­ces­sos que res­pon­de não são nem de lon­ge a he­ran­ça que gos­ta­ria de le­var do pe­río­do que go­ver­nou a ci­da­de. Mas, são par­te da ba­ta­lha. Síl­vio le­va, aci­ma de tudo, o re­co­nhe­ci­men­to de uma po­pu­la­ção que apro­vou, du­ran­te to­do o pe­río­do dos dois man­da­tos, a ma­nei­ra de ele go­ver­nar. Uma apro­va­ção aci­ma da ca­sa do 75%.

Aju­da

Es­ta apro­va­ção foi tes­ta­da nas ur­nas. E Síl­vio con­se­guiu mos­trar pa­ra a so­ci­e­da­de a vin­cu­la­ção que tem com o atu­al vi­ce e, a par­tir de ter­ça-fei­ra, o su­ces­sor de­le. Não é coi­sa pe­que­na. Na his­tó­ria ma­rin­ga­en­se, pre­fei­to al­gum que o pre­ce­deu con­se­guiu a re­e­lei­ção. E so­men­te João Pau­li­no con­se­guiu fa­zer o su­ces­sor. Síl­vo se re­e­le­geu e vê ago­ra o vi­ce nas du­as ges­tões her­dar o pos­to por aval de­le ao lon­go da cam­pa­nha. Uma fa­ça­nha po­lí­ti­ca e tan­to. Te­ve aju­da, cla­ro. O es­for­ço do ir­mão, quan­do de­pu­ta­do e depois, na con­di­ção de se­cre­tá­rio, não po­de ser dis­so­ci­a­do do re­sul­ta­do da ges­tão de Síl­vio. Tam­bém o apoio que te­ve da Câ­ma­ra, on­de as ações do Exe­cu­ti­vo sem­pre en­con­tra­ram res­pal­do le­gal. Mas, foi da ca­pa­ci­da­de con­ci­li­a­do­ra de Síl­vio que se de­ve o mo­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo atu­al da ci­da­de.

Di­vi­din­do o mé­ri­to

Síl­vio con­se­guiu cri­ar um am­bi­en­te po­si­ti­vo em tor­no das de­man­das da so­ci­e­da­de. Nes­se pon­to, mes­mo ha­ven­do opo­si­ção cons­ti­tuí­da, ja­mais hou­ve obs­tru­ção das con­quis­tas pa­ra a ci­da­de. Os de­pu­ta­dos es­ta­du­ais e fe­de­rais, mes­mo sen­do de par­ti­dos diferentes e, mui­tas ve­zes, con­cor­ren­tes, não ca­ni­ba­li­za­ram as pro­pos­tas que vi­sa­vam à me­lho­ria das con­di­ções de vi­da do nos­so po­vo. Par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de por es­te en­ten­di­men­to é de­vi­da ao pre­fei­to que, ago­ra, en­cer­ra o pe­río­do de go­ver­no. Síl­vio sou­be dar mé­ri­to ao tra­ba­lho de to­dos os par­la­men­ta­res, mes­mo os da opo­si­ção, na atra­ção de in­ves­ti­men­tos pa­ra Ma­rin­gá.

Ali­nha­men­to

De for­ma se­me­lhan­te, ele con­se­guiu di­re­ci­o­nar as for­ças da so­ci­e­da­de pa­ra o mes­mo la­do. As en­ti­da­des lo­cais sem­pre es­ti­ve­ram om­bre­a­das na bus­ca de con­quis­tas pa­ra Ma­rin­gá. Uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma na nos­sa his­tó­ria que já se acos­tu­ma­ra com o fra­tri­cí­dio de gru­pos ri­vais pe­la ma­nu­ten­ção ou to­ma­da do poder. Síl­vio in­tro­du­ziu a no­vi­da­de do ali­nha­men­to de for­ças em prol do que é co­mum a to­dos. Sai da pre­fei­tu­ra pa­ra en­trar pa­ra a his­tó­ria. E Ro­ber­to Pu­pin tem o de­sa­fio de man­ter, em qua­tro anos, o rit­mo de de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co chi­nês e so­ci­al es­can­di­na­vo que Síl­vio inau­gu­rou. Uma som­bra que o acom­pa­nha­rá a ca­da dia na pre­fei­tu­ra que her­da. Não se­rá fá­cil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.