Co­e­rên­cia e cau­te­la na ho­ra de de­fi­nir me­tas

Nes­ta épo­ca, é co­mum as pes­so­as con­ta­bi­li­za­rem as con­quis­tas e es­ti­pu­la­rem os ob­je­ti­vos pa­ra os pró­xi­mos 365 di­as. Psi­có­lo­gas re­co­men­dam ter os pés no chão

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Fim de ano. Ho­ra de fa­zer o ba­lan­ço. Ve­ri­fi­car quais me­tas fo­ram atin­gi­das e es­ti­pu­lar as no­vas a se­rem con­quis­ta­das. O qua­dro de­ve ser am­plo e abran­ger os as­pec­tos pes­so­ais, fa­mi­li­a­res, sen­ti­men­tais e pro­fis­si­o­nais.

Pa­ra um gru­po de pes­so­as, o fo­co é a saú­de. Ema­gre­cer, pa­rar de fu­mar, exer­ci­tar-se. Pa­ra ou­tro, é o la­zer e o en­tre­te­ni­men­tos. Vi­a­jar, co­nhe­cer no­vos lu­ga­res, po­vos e cul­tu­ras.

De acor­do com a psi­có­lo­ga Eliane Maio, exis­te um mo­vi­men­to emo­ci­o­nal co­le­ti­vo, que faz com que, tra­di­ci­o­nal­men­te, mui­tos en­xer­guem a vi­ra­da do ano co­mo um mo­men­to de re­no­va­ção. Ela res­sal­ta que a re­fle­xão é sa­lu­tar, mas, é im­por­tan­te que se man­te­nha os pés no chão.

Na opi­nião de­la, fa­zer pla­nos é po­si­ti­vo, pois mos­tra que a pes­soa tem pro­pó­si­tos, de­se­jo de me­lho­rar. “Va­le lem­brar, no en­tan­to, que a tran­si­ção do dia 31 pa­ra o pri­mei­ro do ano é um fenô­me­no na­tu­ral, co­mum. O fim de ano po­de ser­vir co­mo uma ala­van­ca. Mas pa­ra que as coi­sas re­al­men­te mu­dem é pre­ci­so dis­ci­pli­na, com­pro­mis­so e le­var o pro­pó­si­to até o fim”, re­co­men­da.

Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca apon­ta­da pe­la psi­có­lo­ga é a per­sis­tên­cia. “Não se po­de de­sis­tir na pri­mei­ra ten­ta­ti­va e te­mos que apren­der a li­dar com as frus­tra­ções. Se al­go deu er­ra­do, de­ve­mos re­ver nos­sos atos e re­co­me­çar, sem se pren­der a da­tas es­pe­cí­fi­cas”, ci­ta.

So­bre as su­pers­ti­ções, tam­bém co­muns nes­ta épo­ca do ano, Eliane afir­ma que elas po­dem ser sa­lu­ta­res, se ser­vi­rem co­mo um tram­po­lim pa­ra a mu­dan­ça de há­bi­tos. “A pes­soa não po­de jo­gar pe­dri­nhas no mar achan­do que ape­nas aqui­lo vai mu­dar al­go. É pre­ci­so fa­zer a nos­sa par­te”, diz.

A psi­có­lo­ga Ghys­le­ne Rodrigues re­la­ta que um pro­ble­ma é fa­zer pro­mes­sas di­fí­ceis de se­rem cum­pri­das. “Uma pes­soa que nun­ca fez ati­vi­da­de fí­si­ca, por exem­plo, pro­põe-se a ca­mi­nhar to­dos os di­as lo­go de ca­ra. Não adi­an­ta. É pre­ci­so tra­çar me­tas viá­veis e pla­ne­jar co­mo con­quis­tá­las. Ca­da pas­so de­ve ser da­do de acor­do com a nos­sa ca­pa­ci­da­de de avan­çar”, fri­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.