Al­ceu Va­len­ça, ci­ne­as­ta

“A Lu­ne­ta do Tem­po”, pri­mei­ro fil­me de Al­ceu Va­len­ça, que as­si­na ro­tei­ro e di­re­ção, po­de­rá ser lan­ça­do em 2013; com ins­pi­ra­ção em ri­mas de cor­del e lin­gua­gem de re­pen­tis­tas, fil­me abor­da­rá amor que se pas­sa no can­ga­ço

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­lio Maria

Aben­ço­a­do o re­pór­ter que con­se­gue fa­zer três per­gun­tas a Al­ceu Va­len­ça. Co­mo se o mun­do fos­se aca­bar ali mes­mo, ele to­ma pa­ra si as fun­ções de en­tre­vis­ta­do e en­tre­vis­ta­dor as­sim que apa­nha o te­le­fo­ne e sai atro­pe­lan­do a pró­pria or­dem nar­ra­ti­va que ten­ta cons­truir. Cin­co ou seis mi­nu­tos se pas­sam com Al­ceu res­pon­den­do as pró­pri­as ques­tões até que ele res­pi­ra, diz um “tá me ou­vin­do, meu ve­lho?”, ga­nha con­fi­an­ça ao sa­ber que sim e re­co­lo­ca o in­di­ca­dor no ga­ti­lho. Al­ceu, 66 anos, vi­ve pre­sen­te, pas­sa­do e fu­tu­ro ao mes­mo tem­po. Com cin­co sa­fe­nas ca­pri­cho­sas que dei­xa­ram o seu co­ra­ção igual­zi­nho Re­ci­fe, “cheio de pon­tes”, pa­re­ce ser le­va­do por ca­da uma de­las a um des­ti­no di­fe­ren­te.

É um gi­ro e tan­to o que lhe aguar­da nos pró­xi­mos di­as: ho­je che­ga a Rio Ne­gri­nho, San­ta Ca­ta­ri­na, pa­ra par­ti­ci­par de um fes­ti­val de rock que o tem co­mo atra­ção prin­ci­pal. “Mas vo­cê faz um rock que não é rock!”, dis­se a ele um con­fu­so jornalista nor­te­a­me­ri­ca­no depois de vê-lo em um show no Car­ne­gie Hall, em No­va York, nos anos 80. Depois, so­be pa­ra So­bral, no Ce­a­rá, pron­to pa­ra ou­tro for­ma­to de show, mais cen­tra­do em fre­vos e em Luiz Gon­za­ga. “Mas sua ban­da, Al­ceu, é uma ban­da de pi­fe elé­tri­co!”, dis­se a ele Gon­za­gão, aper­re­a­do com o que ou­vi­ra, an­tes de fa­ze­rem jun­tos a can­ção “Pla­no Pi­lo­to”. O mú­si­co se­gue en­tão pa­ra o Sesc Pom­peia, São Pau­lo, pa­ra to­car di­as 4, 5 e 6 de ja­nei­ro seu mo­de­lo acús­ti­co, com a acor­de­o­nis­ta Lucy Al­ves e o gui­tar­ris­ta e par­cei­ro de anos Pau­lo Ra­fa­el, que nes­te pro­je­to sus­ten­ta as har­mo­ni­as dos clás­si­cos de Al­ceu com vi­o­la e vi­o­lão. Qua­tro di­as depois e o no­vo des­ti­no se­rá os pal­cos de Lis­boa e Pa­ris pa­ra uma tem­po­ra­da que de­sen­ga­ve­ta mais me­mó­ri­as.

Es­ta­va Al­ceu em 1979 pres­tes a se apre­sen­tar no New Folk Fes­ti­val, na Suí­ça, quan­do um re­pór­ter o abor­dou no ca­ma­rim. “O que vo­cê acha de can­tar an­tes da Jo­an Ba­ez?” Al­ceu olhou o ra­paz de al­to a bai­xo e de­vol­veu: “Mas ra­paz, por que vo­cê não per­gun­ta a ela o que acha de se apre­sen­tar depois do Al­ceu Va­len­ça, do Bra­sil?”

O gás de Al­ceu não ar­re­fe­ce com sua vol­ta. É pa­ra es­te ano de 2013 que ele pro­me­te a es­treia de “A Lu­ne­ta do Tem­po”, seu pri­mei­ro fil­me, do qual as­si­na ro­tei­ro e di­re­ção. Su­as idei­as co­me­ça­ram há dez anos, quan­do lhe vi­e­ram os es­bo­ços da tra­ma de amor que se pas­sa no can­ga­ço de vi­o­lei­ros e ar­tis­tas cir­cen­ses, ins­pi­ra­da em ri­mas de cor­del e lin­gua­gem de re­pen­tis­tas. Con­ta a his­tó­ria de Ro­dri­go, um di­re­tor de ci­ne­ma, que vol­ta a São Ben­to do Una (ter­ra do pró­prio mú­si­co) pa­ra fil­mar a sa­ga de Lam­pião, Maria Bo­ni­ta, Se­ve­ro Bri­lhan­te e seu ban­do con­tra An­te­ro Te­nen­te e seus sol­da­dos. Irandhir Santos apa­re­ce co­mo Lam­pião, Her­mi­la Gu­e­des é Maria Bo­ni­ta e Ce­ceu Va­len­ça, fi­lho de Al­ceu, vi­ve o mu­lhe­ren­go e ca­nas­trão Na­gib Ma­zo­la.

A mão de Al­ceu es­tá na tri­lha so­no­ra e em um tex­to que po­de­ria sem­pre ser mú­si­ca. Sem sa­ber que es­tá no pur­ga­tó­rio com Maria Bo­ni­ta, Lam­pião se en­fe­za com a mu­lher que ten­ta con­ven­cê-lo de que am­bos es­tão mor­tos. Ma­go­a­da, ela se re­fu­gia em uma pe­dra al­ta e fi­ca por lá, con­tem­plan­do um fim de tar­de ine­bri­an­te com to­da a sua tris­te­za. Lam­pião che­ga por trás e co­me­ça a cor­te­já-la: “Se o tem­po ti­ves­se a me­di­da pe­que­na de um dia de fei­ra e tu não fos­se a mi­nha vi­da, eu co­me­tia uma bes­tei­ra. Vo­a­va da­qui do la- je­do nas asas le­ves do ven­to, ma­ta­va ca­bo e sar­gen­to e vi­ra­va o mun­do to­do do aves­so. Mas con­fes­so o meu se­gre­do, do fun­do do meu sen­ti­men­to: sem vo­cê, mor­ro de me­do. Não te es­que­ço um só mo­men­to.” Maria Bo­ni­ta fi­ca des­con­cer­ta­da. “Tu és o rei da po­e­sia, Lam­pião.” E ele de­vol­ve: “Ah Maria, dei­xe de bes­tei­ra.”

Tons bi­o­grá cos

“Que­ro co­lo­car o fil­me pri­mei­ro nos cir­cui­tos in­ter­na­ci­o­nais pa­ra depois tra­zê-lo ao Bra­sil, ain­da em 2013”, diz o mú­si­co. O lon­ga, uma fic­ção, ga­nha tons bi­o­grá­fi­cos quan­do re­con­duz o ar­tis­ta às ori­gens de São Ben­to do Una. Pois foi lá que seu pai sen­tiu com agu­lha­das no pei­to que o mo­le­que ti­nha mes­mo um pé no pal­co. “Mú­si­ca era uma coi­sa proi­bi­da lá em ca­sa. Meu pai não quis me dar nem um vi­o­lão, que­ria que eu es­tu­das­se ou­tra coi­sa.”

Ape­sar de ter Jack­son do Pan­dei­ro e Luiz Gon­za­ga su­bin­do su­as vei­as la­do a la­do com os ge­nes do rock and roll se­ten­tis­ta e de fre­vos, ma­ra­ca­tus, cho­ros e da mú­si­ca ára­be que his­to­ri­ca­men­te usa o baião co­mo seu me­lhor hos­pe­dei­ro no Bra­sil, Al­ceu diz ser um ho­mem sem ído­los, ins­pi­ra­do por uma con­ver­sa de cor­re­dor que te­ve com Her­me­to Pas­co­al. “Mas Her­me­to, qu­em vo­cê ou­ve pa­ra se ins­pi­rar?” “Eu não ou­ço na­da.” “Por que não?” “Pa­ra não me in­flu­en­ci­ar.”

In­dig­na­ção

Quan­do fi­ca in­dig­na­do, os dis­pa­ros de Al­ceu Va­len­ça atin­gem o pro­gra­ma “The Voi­ce”, da Glo­bo. “O Bra­sil pre­ci­sa to­mar ver­go­nha na ca­ra. En­quan­to nos­sa ta­xa de de­sem­pre­go é in­fe­ri­or à dos Es­ta­dos Uni­dos e nos­sa eco­no­mia se for­ta­le­ce, as pes­so­as con­ti­nu­am in­do pa­ra a te­le­vi­são can­tar soul mu­sic, fa­zer có­pia de nor­te-ame­ri­ca­no. E eu te per­gun­to: Vo­cê acha que um dia va­mos fa­zer soul mu­sic me­lhor do que os ame­ri­ca­nos?”.

O cir­cui­to que o Nor­des­te cri­ou pa­ra ali­men­tar seu show biz lhe dá ver­go­nha. “Os do­nos das rá­di­os são os mes­mos do­nos das ban­das de for­ró. Cri­am uma re­de fe­cha­da pa­ra se apre­sen­tar e di­zem fa­zer o que o po­vo gos­ta. E co­mo é que o po­vo vai gos­tar de ou­tra coi­sa?” Uma ho­ra e trin­ta e cin­co mi­nu­tos depois, o re­pór­ter con­se­gue fa­zer a qu­ar­ta per­gun­ta: “Vo­cê po­de me man­dar o ro­tei­ro do seu fil­me?” E Al­ceu, o ho­mem que quer vi­ver três anos em um, res­pon­de: “Não ra­paz, es­cre­ve aí que eu di­to. As­sim a gen­te con­ti­nua con­ver­san­do.”

Divulgação

Mes­mo com agen­da lo­ta­da de shows es­pa­lha­dos por to­do o Bra­sil, Al­ceu Va­len­ça, 66 anos, pre­ten­de es­tre­ar co­mo di­re­tor e ro­tei­ris­ta em 2013

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.