No­mo­fo­bia, a sín­dro­me de qu­em não fi­ca sem ce­lu­lar

Mo­bi­li­da­de pro­mo­ve in­clu­são di­gi­tal, mas tam­bém po­de pro­vo­car da­nos gra­ves à so­ci­a­bi­li­da­de; adul­tos em mo­men­tos de iso­la­men­to e jo­vens são os mais afetados

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com No­mo­fo­bia. Es­te é o ter­mo uti­li­za­do pa­ra de­fi­nir a mais no­va “sín­dro­me” do sé­cu­lo: a de­pen­dên­cia de ce­lu­la­res com internet. Com tan­ta tec­no­lo­gia no mer­ca­do ofe­re­cen­do apa­re­lhos de úl­ti­ma ge­ra­ção, é na­tu­ral que es­tes re­cur­sos se tor­nem po­pu­la­res e con­quis­tem ca­da vez mais pes­so­as. Se­gun­do a Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel), a re­gião de Ma­rin­gá – có­di­go de área 44 – tem 2.421.299 aces­sos (ha­bi­li­ta­ções).

En­tre as tec­no­lo­gi­as avan­ça­das es­tão os smartpho­nes, ce­lu­la­res com sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal que per­mi­te o uso de mi­lha­res de pro­gra­mas adi­ci­o­nais, en­tre ou­tras fun­ções.

Es­te e ou­tros apa­re­lhos de comunicação, além da internet, se­du­zem jo­vens e adul­tos. Se­gun­do psi­có­lo­gos, os jo­vens são os mais vul­ne­rá­veis: pas­sam ho­ras di­an­te do com­pu­ta­dor ou tro­can­do men­sa­gens pe­los ce­lu­la­res, dei­xan­do de la­do a vi­da so­ci­al, o con­ví­vio com os ami- gos e o tra­ba­lho.

Ci­tan­do pes­qui­sas re­cen­tes, a psi­có­lo­ga Ju­li­a­na Gi­a­co­mel­li diz que os jo­vens en­tre 16 e 24 anos cor­res­pon­dem à fai­xa etá­ria mais atin­gi­da por es­se pro­ble­ma. “Em se­gun­do lu­gar es­tão os adul­tos que pas­sam por um mo­men­to de iso­la­men­to ou al­gu­ma ou­tra frus­tra­ção”, des­ta­ca.

Ela ex­pli­ca que os prin­ci­pais si­nais de ex­ces­so do uso de ce­lu­la­res po­dem ser per­ce­bi­dos quan­do a pes­soa apre­sen­ta com­por­ta­men­to de­pres­si­vo, re­a­ções im­pul­si­vas e al­te­ra­ções de hu­mor em ge­ral quan­do não tem aces­so as es­sas tec­no­lo­gi­as. Se­gun­do a psi­có­lo­ga, pro­fis­si­o­nais que tra­ba­lham de for­ma di­re­ta com es­sa sín­dro­me di­zem que o qua­dro de de­pen­dên­cia, en­ten­di­do co­mo pa­to­lo­gia, é di­ag­nos­ti­ca­do a par­tir do mo­men­to em que a pes­soa dei­xa de re­a­li­zar ati­vi­da­des pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais pa­ra se de­di­car ao ce­lu­lar. “A pes­soa que de­pen­de des­sas tec­no­lo­gi­as res­trin­ge seus re­la­ci­o­na­men­tos a in­di­ví­du­os que es­te­jam co­nec­ta­dos aos mes­mos dis­po­si­ti­vos”, com­ple­ta.

O ní­vel de de­pen­dên­cia pa­to­ló­gi­ca, se­gun­do Ju­li­a­na, faz o usuá­rio per­der a ca­pa­ci­da­de pes­so­al de se des­co­nec­tar, pas­san­do ho­ras no com­pu­ta­dor ou usan­do o ce­lu­lar. “Des­sa for­ma, eles aca­bam per­den­do a no­ção do tem­po, acre­di­tam que fi­ca­ram 2 ho­ras co­nec­ta­dos quan­do na ver­da­de fi­ca­ram 8”, exem­pli­fi­ca. Co­mo re­sul­ta­do dis­so, há um iso­la­men­to so­ci­al. “Os la­ços fa­mi­li­a­res, as ami­za­des e os re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos pas­sam a ser pre­ju­di­ca­dos. A pes­soa co­me­ça com um com­por­ta­men­to ne­gli­gen­te e, aos pou­cos, aca­ba per­den­do re­la­ção com o mun­do re­al, pas­san­do a vi­ver em um uni­ver­so pa­ra­le­lo, vir­tu­al”, ob­ser­va.

Os es­tu­dos tam­bém são pre­ju­di­ca­dos pe­lo ex­ces­so do uso. “Nes­te ca­so, te­mos pre­juí­zos de for­mas diferentes. A fa­ci­li­da­de de in­for­ma­ções dis­po­ní­veis na internet fa­vo­re­ce o com­por­ta­men­to de co­pi­ar e co­lar in­for­ma­ções de for­ma fá­cil e qua­se au­to­ma­ti­za­da, o que com­pro­me­te o de­sen­vol­vi­men­to da ca­pa­ci­da­de ques­ti­o­na­do­ra e elu­ci­da­ção in­te­lec­tu­al dos jo­vens”.

Ra­fa­el Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.