Fór­mu­la de bei­jos e abra­ços ga­nha um cer­to amar­gor

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Cás­sio Star­ling Car­los

e aque­la es­pon­ta­nei­da­de di­fí­cil de se en­con­trar. As brus­cas mu­dan­ças de hu­mor da sua per­so­na­gem Tif­fany não pa­re­cem ar­ti­fi­ci­ais e nem lhe ti­ram o en­can­to. Tem per­so­na­li­da­de e é sen­su­al. Di­zem que é fa­vo­ri­ta ao Os­car de me­lhor atriz. Po­de le­var, o que se­ria a apos­ta da Aca­de­mia no san­gue jo­vem. Ve­re­mos dia 24 de fe­ve­rei­ro.

En­fim, é bom que se di­ga tam­bém que há mui­to bes­tei­rol ao lon­go do fil­me, que tudo é mui­to lim­pi­nho e não veio pa­ra mu­dar a his­tó­ria do ci­ne­ma. Pe­lo con­trá­rio. Mui­ta gen­te se per­gun­ta o que es­ta­ria fa­zen­do no Os­car e, ain­da mais, com oi­to in­di­ca­ções, in­clu­si­ve a me­lhor fil­me. Mas es­sa quei­xa se­ria su­pe­res­ti­mar o Os­car e tam­bém le­var a fer­ro e fo­go uma vi­são­xi­i­ta­do­ci­ne­ma.

Fil­mes co­mo “O La­do Bom da Vi­da” têm to­do di­rei­to à exis­tên­cia. Não fa­zem mal a nin­guém. E, quer sa­ber de uma coi­sa?, pe­ri­gam até de fa­zer bem. Pa­ra um fil­me de amor dar cer­to, an­tes bas­ta­va jun­tar um ca­ra ca­ren­te e uma ga­ro­ta bo­ni­ta, às ve­zes so­li­tá­ria, ou vi­ce­ver­sa, tem­pe­rar com um pou­co de di­fi­cul­da­des e, pron­to, fun­ci­o­na­va a re­cei­ta de abra­ços e bei­jos na me­di­da pa­ra su­prir nos­sa fo­me de afe­to.

“O La­do Bom da Vi­da” mos­tra que aque­la fór­mu­la não foi su­pe­ra­da, mas exi­ge um pou­co mais de amar­gor.

Ago­ra o prín­ci­pe é ma­nía­co­de­pres­si­vo e a prin­ce­sa, nin­fo­ma­nía­ca, depois de vi­ve­rem per­das que jus­ti­fi­cam a des­com­pen­sa­ção. Na­da mui­to gra­ve, ape­nas o bas­tan­te pa­ra fa­zê-los pa­re­ci­dos com gen­te co­mo a gen­te.

A as­tú­cia da adap­ta­ção pa­ra o ci­ne­ma do best-sel­ler de Matthew Quick con­sis­te em ba­na­li­zar a per­tur­ba­ção, tra­zer o dis­túr­bio pa­ra o co­ti­di­a­no, afas­tan­do-o da ex­pe­ri­ên­cia de ex­ce­ção.

Afi­nal, ho­je, quan­do qual­quer me­lan­co­li­a­zi­nha já vi­ra de­pres­são, não con­se­gui­mos de­fi­nir os li­mi­tes on­de co­me­ça e aca­ba a tal nor­ma­li­da­de.

Ou se­ja, o que Pat (Bra­dley Co­o­per) e Tif­fany (Jen­ni­fer La­wren­ce) en­tre­gam de ca­ra ao pú­bli­co é um es­pe­lho, uma afei­ção ime­di­a­ta ga­ran­ti­da pe­lo sen­ti­men­to de qu­em re­co­nhe­ce: “Pô, eu já vi­vi is­so!”.

O di­re­tor Da­vid O. Rus­sell, que se des­ta­cou no ter­re­no do ci­ne­ma in­die nos anos 1990, apro­vei­ta es­se ti­po de pro­je­ção com ân­gu­los sem­pre mui­to pró­xi­mos, ín­ti­mos mes­mo, dos cor­pos.

A ima­gem, em for­ma­to sco­pe, ab­sor­ve ain­da mais o olhar, que fi­ca imer­so em cons­tan­tes clo­ses, sem ter pa­ra on­de es­ca­par, re­fém da de­so­ri­en­ta­ção de Pat e Tif­fany.

A ins­ta­bi­li­da­de da câ­me­ra na mão, mais que re­pe­tir o es­te­re­o­ti­pa­do efei­to de re­a­lis­mo, ser­ve pa­ra en­fa­ti­zar o dis­túr­bio, cap­tar a tur­bu­lên­cia de afe­tos.

Tais su­pos­tas li­ber­da­des de es­ti­lo, no en­tan­to, não tra­zem na­da de no­vo ou ori­gi­nal nem ofe­re­cem res­pi­ro pa­ra o con­ven­ci­o­na­lis­mo, que se im­põe a par­tir do mo­men­to em que o fil­me se en­tre­ga a um ba­nal ro­man­tis­mo.

A van­ta­gem é que “O La­do Bom da Vi­da” de fa­to vi­bra gra­ças aos ato­res, ex­plo­ra ao má­xi­mo a ca­pa­ci­da­de de­les de al­can­çar ve­ra­ci­da­de ou exi­bir his­tri­o­nis­mo.

En­fim, um fil­me que to­do mun­do quer ver na tem­po­ra­da de prê­mi­os e tor­cer pe­lo triun­fo de seus in­tér­pre­tes na noi­te do Os­car.

Divulgação

Jen­ni­fer La­wren­ce e Bra­dley Co­o­per em “O La­do Bom da Vi­da”: du­pla en­tre­ga ao pú­bli­co afei­ção ime­di­a­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.