Em sua se­gun­da in­di­ca­ção, atriz de 22 anos é fa­vo­ri­ta

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ma­ri­a­ne Mo­ri­sawa

Em “O La­do Bom da Vi­da”, Jen­ni­fer La­wren­ceéTif­fany,que­es­táa­cos­tu­ma­da a usar o se­xo pa­ra apla­car a dor da per­da do ma­ri­do e se apro­xi­ma­deumho­mem­bi­po­lar.

A ame­ri­ca­na de 22 anos pa­re­ce mui­to jo­vem pa­ra re­pre­sen­tar uma viú­va, mas is­so não im­por­ta, tão­con­vin­cen­teéain­ter­pre­ta­ção.

“Quan­do atuo, ten­to me li­vrar de to­das as ‘jen­ni­fe­ri­ces’ e mer­gu­lhar no per­so­na­gem, mes­mo que não­te­nha­na­da­a­ver­co­mi­go,co­mo era­o­ca­so­a­qui.”

Jen­ni­fe­ré­fa­vo­ri­ta­a­le­va­roOs­car de­me­lho­ra­triz,em­su­a­se­gun­dain­di­ca­ção-apri­mei­ra­foi­por“In­ver­no daAl­ma”,de2010.

“Vou es­tar mais tran­qui­la, sa­ben­do o que es­pe­rar. Ou pe­lo me­nos mais bê­ba­da”, brin­ca Jen­ni­fer. Seu jei­to sem fres­cu­ra apa­re­ce na ma­nei­ra co­mo fa­la. “Não te­nho con­tro­le so­bre o que sai da mi­nha bo­ca. Vo­cês jor­na­lis­tas gos­tam dis­so, mas mi­nha as­ses­so­ra de im­pren­sa,não.”

Ela não se im­por­tou com as ma­nei­ras di­re­tas do di­re­tor Da­vid O. Rus­sell. Du­ran­te um mo­nó­lo­go da atriz, o ci­ne­as­ta era ca­paz de bu­far e sol­tar um: “Nos­sa, es­tá mui­to ruim!”.

“Eu amo que ele não te­nha ro­dei­os. Não gos­to de ou­vir que es­tou fa­zen­do cer­to, pre­fi­ro sa­ber o que es­tou fa­zen­do de er­ra­do pa­ra po­der­con­ser­tar”,diz.

Ser con­si­de­ra­da a no­va sen­sa­ção do ci­ne­ma ame­ri­ca­no, se­ja o in­de­pen­den­te, co­mo “O La­do Bom da Vi­da”, ou o hollywo­o­di­a­no, co­mo na sé­rie “Jo­gos Vo­ra­zes”, não che­ga a aba­lá-la. “É co­mo se fos­se um emprego das 9h às 17h. Eu vou, fa­ço meu tra­ba­lho e vol­to pa­ra ca­sa.” Mas, diz ela, o olhar das­pes­so­as­mu­dou.“Elas­me­ve­em de for­ma di­fe­ren­te, o que me faz sen­tir es­tra­nha. Mas tudo bem: é o pre­ço­pa­ra­fa­ze­ro­que­a­mo.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.