Por que os pais evi­tam reu­niões na es­co­la?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses (LDB), nú­me­ro 9.39496, diz que “a edu­ca­ção abran­ge os pro­ces­sos for­ma­ti­vos que se de­sen­vol­vem na vi­da fa­mi­li­ar, na con­vi­vên­cia hu­ma­na...” Com is­so, as es­co­las bra­si­lei­ras pos­su­em ca­rac­te­rís­ti­cas si­mi­la­res quan­do o as­sun­to é reu­nião de pais! To­das as es­co­las re­a­li­zam es­se pro­ce­di­men­to que, ge­ral­men­te, acon­te­ce em de­ter­mi­na­dos pe­río­dos do ano, es­pe­ci­al­men­te no fe­cha­men­to dos bi­mes­tres, mo­men­tos que mar­cam a en­tre­ga de no­tas.

In­fe­liz­men­te, é re­la­ti­va­men­te bai­xa a par­ti­ci­pa­ção dos pais nas reu­niões es­co­la­res. Is­so se de­ve a vá­ri­os mo­ti­vos e, en­tre eles, os ho­rá­ri­os das reu­niões que, mui­tas ve­zes, acon­te­cem no pe­río­do de au­la, ou se­ja, no ho­rá­rio de tra­ba­lho da mai­o­ria das fa­mí­li­as.

Ou­tro mo­ti­vo é a dis­cri­mi­na­ção com­por­ta­men­tal. Os pais dos alu­nos que ob­ti­ve­ram no­tas ele­va­das e que apre­sen­tam bom com­por­ta­men­to são pa­ra­be­ni­za­dos, en­quan­to os pais da­que­les que não atin­gi­ram as mé­di­as es­ta­be­le­ci­das pe­la es­co­la e não apre­sen­ta­ram com­por­ta­men­to apre­ci­a­do são aler­ta­dos, em pú­bli­co, quan­to à fal­ta de in­te­res­se e in­dis­ci­pli­na dos fi­lhos.

Há mui­tas re­cla­ma­ções em re­la­ção aos alu­nos in­dis­ci­pli­na­dos e com bai­xas no­tas. A for­ma co­mo es­ses pais são abor­da­dos é dis­cri­mi­na­tó­ria e ve­xa­tó­ria, pois há ca­sos em que os pro­fes­so­res colocam o no­me des­ses alu­nos na lou­sa an­tes mes­mo de a reu­nião co­me­çar. Es­sa prá­ti­ca au­men­ta ain­da mais o cons­tran­gi­men­to das fa­mí­li­as com fi­lhos em si­tu­a­ção de des­van­ta­gem, da­do que as ma­ze­las são ex­pos­tas di­an­te de to­dos os pre­sen­tes. Há tam­bém es­co­las que re­a­li­zam a reu­nião com os pais, um pro­fes­sor de re­fe­rên­cia da sa­la e pro­fes­so­res es­pe­ci­a­lis­tas.

Du­ran­te es­sa reu­nião, alu­no por alu­no é pon­tu­a­do, di­an­te de to­dos os pre­sen­tes: co­mo se com­por­ta, su­as no­tas e ou­tras in­for­ma­ções. Ora, exis­tem vá­ri­as for­mas de es­sas pon­tu­a­ções se­rem fei­tas! Os pais têm, sim, que es­tar pre­sen­tes na es­co­la e acom­pa­nhar a vi­da es­co­lar de seus fi­lhos, mas tam­bém é pa­pel da es­co­la es­tar “aber­ta” a re­ce­bê-los e a aten­dê-los de um mo­do ade­qua­do.

É im­por­tan­te pon­tu­ar que pro­ble­mas com in­dis­ci­pli­na, di­fi­cul­da­des de apren­di­za­gem e van­da­lis­mo po­dem ser ame­ni­za­dos se es­co­la e fa­mí­lia tra­ba­lha­rem jun­tas. Mas, in­fe­liz­men­te, ain­da exis­tem mui­tas fa­mí­li­as e es­co­las vi­ven­do num gran­de di­le­ma ao “trans­fe­rir” res­pon­sa­bi­li­da­des umas pa­ra as ou­tras.

Os pro­fes­so­res atri­bu­em a cul­pa dos pro­ble­mas aos pais que não cum­prem su­as obri­ga­ções de edu­car, cul­ti­van­do a con­vic­ção de que as fa­mí­li­as es­pe­ram que a es­co­la o fa­ça, pois man­dam seus fi­lhos pa­ra lá, mas não aju­dam nem par­ti­ci­pam da vi­da es­co­lar de­les. Por sua vez, as fa­mí­li­as cul­pam os pro­fes­so­res, apon­tan­do um pos­sí­vel des­pre­pa­ro, bem co­mo a ges­tão es­co­lar, acu­san­do-a de não fa­zer o que é pre­ci­so pa­ra me­lho­rar. Nes­se “jo­go de em­pur­ra-em­pur­ra”, qu­em per­de é o alu­no e, co­mo con­sequên­cia, a so­ci­e­da­de co­mo um to­do.

Há uma gran­de con­fu­são de papéis en­tre pais e es­co­las, pois ca­da par­te não sa­be re­co­nhe­cer sua res­pon­sa­bi­li­da­de com­par­ti­lha­da. É ne­ces­sá­rio que ca­mi­nhem jun­tas, bus­can­do se adap­tar às mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as, de mo­do a che­ga­rem a um con­sen­so, pro­por­ci­o­nan­do, as­sim, efi­cá­cia na edu­ca­ção e no apren­di­za­do das cri­an­ças.

As fa­mí­li­as de­vem bus­car a in­te­ra­ção com a es­co­la, par­ti­ci­pan­do ati­va­men­te, dan­do su­ges­tões e opi­niões, além de es­ta­rem a par das ati­vi­da­des es­co­la­res ofe­re­ci­das aos seus fi­lhos. É ne­ces­sá­ria in­te­ra­ção en­tre am­bos, pois so­men­te quan­do pais e pro­fes­so­res es­ti­ve­rem “fa­lan­do a mes­ma lín­gua” se­rá pos­sí­vel uma par­ce­ria pro­du­ti­va na es­co­la. Ou­tro mo­ti­vo que aca­ba di­fi­cul­tan­do a pre­sen­ça do res­pon­sá­vel jun­to à es­co­la é que mui­tas fa­mí­li­as apre­sen­tam con­fi­gu­ra­ção mo­no­pa­ren­tal, ou se­ja, ape­nas uma pes­soa é res­pon­sá­vel por cui­dar da edu­ca­ção dos fi­lhos, acom­pa­nhar sua vi­da es­co­lar, além de pro­por­ci­o­nar o sus­ten­to da fa­mí­lia. Mas is­so não quer di­zer que o res­pon­sá­vel es­tá “isen­to” de sua pre­sen­ça na es­co­la. Tor­na-se mais di­fí­cil, mas não im­pos­sí­vel! A fa­mí­lia é res­pon­sá­vel por pro­mo­ver o con­ví­vio so­ci­al, que de­ve ter iní­cio no am­bi­en­te fa­mi­li­ar. Quan­do uni­das e dis­pos­tas a ofe­re­cer o me­lhor aos alu­nos, fa­mí­lia e es­co­la po­dem pro­mo­ver mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas pa­ra o be­mes­tar de ca­da uma de nos­sas cri­an­ças, ado­les­cen­tes e jo­vens.

* Ori­en­ta­do­ra edu­ca­ci­o­nal na em­pre­sa Pla­ne­ta Edu­ca­ção. Gra­du­a­da em Ser­vi­ço So­ci­al pe­la Uni­vap.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.