Me­nos car­tas e mais en­co­men­das nos Cor­rei­os

SER­VI­ÇOS Par­ti­ci­pa­ção da en­tre­ga de cor­res­pon­dên­ci­as pes­so­ais no vo­lu­me de tra­ba­lho da em­pre­sa cai ano a ano, di­an­te do avan­ço das com­pras pe­la web e da quan­ti­da­de de fa­tu­ras de ce­lu­lar

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Se an­ti­ga­men­te a Em­pre­sa de Cor­rei­os e Te­lé­gra­fos (ECT) ti­nha na en­tre­ga de cor­res­pon­dên­ci­as e te­le­gra­mas o prin­ci­pal fo­co de atu­a­ção, em 2013, quan­do com­ple­ta 350 anos, vê uma mu­dan­ça se con­so­li­dar, ope­ran­do com ca­da vez mais ên­fa­se nas áre­as de lo­gís­ti­ca e trans­por­te de en­co­men­das. A es­tru­tu­ra­ção do tra­ba­lho em to­do o País, o cres­ci­men­to econô­mi­co, o avan­ço da internet e a po­pu­la­ri­za­ção das ven­das pe­la re­de ex­pli­cam a gui­na­da. Atu­al­men­te, os cor­rei­os são res­pon­sá­veis pe­la en­tre­ga de 40% dos pro­du­tos com­pra­dos pe­la internet no Bra­sil, além de le­var aos des­ti­na­tá­ri­os te­le­gra­mas pos­ta­dos pe­la internet e trans­por­tar en­co­men­das com­pra­das tam­bém fo­ra da web.

Se­gun­do o ge­ren­te da Re­gi­o­nal de Ven­das dos Cor­rei­os em Ma­rin­gá, Car­los Ma­ri­a­ni, a em­pre­sa sem­pre foi um gran­de trans­por­ta­dor de en­ve­lo­pes – co­mo são cha­ma­dos to­dos os ti­pos de cor­res­pon­dên­cia. O ser­vi­ço, ex­clu­si­vo, ain­da res­pon­de pe­la mai­or fa­tia do fa­tu­ra­men­to (57,3%). Mas a ati­vi­da­de pos­tal acom­pa­nhou as mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas. Atu­al­men­te, o ser­vi­ço de en­co­men­das/lo­gís­ti­ca é res­pon­sá­vel por 34,5% da re­cei­ta.

“O cor­reio es­tá pre­sen­te em to­dos os mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. A em­pre­sa que ven­de pe­la internet ou em lo­jas fí­si­cas tem di­ver­sas op­ções de trans­por­ta- do­ras. Mas o cor­reio é uma so­lu­ção in­te­gra­da de trans­por­te de en­co­men­das. Po­de­mos en­vi­ar uma en­co­men­da ou cor­res­pon­dên­cia de Ma­rin­gá, por exem­plo, até Cu­ri­ti­ba ou ao in­te­ri­or do Acre com o mes­mo com­pro­mis­so. Além dis­so, exis­te a con­fi­an­ça da po­pu­la­ção e do seg­men­to em­pre­sa­ri­al, pois os pro­du­tos são en­tre­gues no pra­zo es­pe­ra­do e em con­di­ções se­gu­ras”, diz o ge­ren­te.

Ma­ri­a­ni acres­cen­ta que a tec­no­lo­gia aju­dou a re­du­zir pra­zos, au­men­tar a qua­li­da­de e ofe­re­cer ser­vi­ços ade­qua­dos às ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de. “Nos úl­ti­mos dois anos fo­ram con­tra­ta­dos 14,8 mil no­vos tra­ba­lha­do­res e mais 6,6 mil se­rão ad­mi­ti­dos em 2013. Mais de 11 mil veí­cu­los fo­ram ad­qui­ri­dos, hou­ve apli­ca­ção de mais de R$ 30 mi­lhões na com­pra de equi­pa­men­tos e in­ves­ti­men­to de R$ 311 mi­lhões em mais de 1,4 mil obras de cons­tru­ção, re­for­ma e am­pli­a­ção de uni­da­des ope­ra­ci­o­nais, ad­mi­nis­tra­ti­vas e de aten­di­men­to.”

O avan­ço tec­no­ló­gi­co e a ex­pan­são da internet es­ti­mu­la­ram a mo­der­ni­za­ção e am­pli­a­ção do tra­ba­lho dos Cor­rei­os. Mas es­tes mes­mos fa­to­res jus­ti­fi­cam a que­da, su­til, do nú­me­ro de car­tas tro­ca­das en­tre pes­so­as fí­si­cas. Ma­ri­a­ni pon­tua que en­quan­to a internet fi­ca mais aces­sí­vel, o vo­lu­me de car­tas di­mi­nui. “O nú­me­ro des­se ti­po de cor­res­pon­dên­cia sem­pre foi me­nos ex­pres­si­vo, e mais de 95% do ser­vi­ço são re­la­ti­vos ao co­mér­cio, ór­gãos de go­ver­no, com­pa­nhi­as te­lefô­ni­cas e ban­cos. Há al­gum tem­po, a tro­ca de car­tas che­ga­va a 5% de um to­tal de cer­ca de 8 bi­lhões de ob­je­tos pos­tais en­tre­gues por ano no Bra­sil. Atu­al­men­te re­pre­sen­ta cer­ca de 4%, de um to­tal de 10 bi­lhões.”

O ge­ren­te con­ta ain­da que o pú­bli­co que en­via car­tas pes­so­ais é for­ma­do por gen­te que cul­ti­va o pra­zer de es­cre­ver, ou ain­da não tem aces­so à internet e te­le­fo­ne. “Ou­tro mo­ti­vo que jus­ti­fi­ca a ten­dên­cia des­sa que­da é que en­quan­to es­se ti­po de en­tre­ga di­mi­nuiu, o vo­lu­me de de­mais en­tre­gas tem au­men­ta­do.”

Já a es­ta­bi­li­da­de do vo­lu­me de en­tre­ga de car­tas co­mer­ci­ais se man­tém pe­lo cres­ci­men­to econô­mi­co do País, o que ge­rou o in­cre­men­to de di­ver­sos seg­men­tos, co­mo o de te­le­fo­nia. “Atu­al­men­te exis­tem 270 mi­lhões de te­le­fo­nes mó­veis no País, nú­me­ro mai­or que a po­pu­la­ção. Ca­da vez mais fa­tu­ras são en­tre­gues pe­lo cor­reio”, ex­pli­ca o ge­ren­te.

Ricardo Lo­pes

En­tre­ga fei­ta por car­tei­ro; além da re­du­ção de cor­res­pon­dên­ci­as pes­so­ais, o ris­co de ser mor­di­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.