Re­nan Ca­lhei­ros é elei­to pre­si­den­te do Se­na­do

Par­la­men­tar ven­ceu dis­pu­ta con­tra Pe­dro Ta­ques (PDT-MT) por 56 vo­tos a 18; No dis­cur­so, se­na­dor ig­no­rou de­nún­ci­as que pe­sam con­tra ele e dis­se que éti­ca ‘é obri­ga­ção de to­dos’

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Fo­lha

re­da­cao@odi­a­rio.com De­nun­ci­a­do pe­la Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da República por três cri­mes, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL) é o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do. Foi elei­to na ma­nhã de on­tem em vo­ta­ção se­cre­ta por seus pa­res, com 56 vo­tos.

O ou­tro can­di­da­to foi o se­na­dor Pe­dro Ta­ques (PDT-MT), que re­ce­beu 18 vo­tos. Dois senadores vo­ta­ram em bran­co e ou­tros dois, nu­lo. Ta­ques ha­via re­ce­bi­do apoio pú­bli­co de ban­ca­das de opo­si­ção co­mo a do PSDB e a do DEM, e da go­ver­nis­ta do PSB. Mas as pro­mes­sas de ma­nu­ten­ção de car­gos na Me­sa Di­re­to­ra fa­la­ram mais al­to.

Os cri­mes que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral atri­bui a Re­nan le­va­ram ele a re­nun­ci­ar à pre­si­dên­cia do Se­na­do, car­go que ocu­pa­va des­de 2005, em 2007. Senadores de opo­si­ção cri­ti­ca­ram a ma­nu­ten­ção da can­di­da­tu­ra de Re­nan, mas já con­si­de­ra­vam sua elei­ção ine­vi­tá­vel.

Co­mo dis­se Al­va­ro Di­as (PSDBPR), não ha­via fa­tos no­vos pa­ra o “pú­bli­co in­ter­no” -- go­ver­no e Se­na­do. Em en­tre­vis­ta na vés­pe­ra da vo­ta­ção, Re­nan dis­se es­tar con­for­tá­vel em as­su­mir a pre­si­dên­cia do Se­na­do mes­mo sob sus­pei­ta, por con­si­de­rar que a ação da pro­cu­ra­do­ria era mo­ti­va­da po­li­ti­ca­men­te.

A de­nún­cia do pro­cu­ra­dor­ge­ral, Ro­ber­to Gur­gel, ocor­reu na se­ma­na pas­sa­da, e ho­je ce­do a re­vis­ta “Épo­ca” di­vul­gou o te­or da acu­sa­ção: fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca, uso de do­cu­men­tos fal­sos e pe­cu­la­to. O se­na­dor é acu­sa­do de pagar des­pe­sas pes­so­ais com di­nhei­ro de Cláudio Gon­ti­jo, que tra­ba­lha pa­ra a em­prei­tei­ra Men­des Jú­ni­or.

Pa­ra jus­ti­fi­car que ti­nha ren­da pa­ra fa­zer os pa­ga­men­tos, “A éti­ca não é ob­je­ti­vo em si mes­mo. O ob­je­ti­vo em si mes­mo é o Bra­sil, o in­te­res­se na­ci­o­nal. A éti­ca é meio, não é fim” Re­nan apre­sen­tou do­cu­men­tos e afir­mou que ti­nha ga­nhos com a ven­da de ga­do. O se­na­dor pa­ga­va uma pen­são men­sal à jornalista Mô­ni­ca Ve­lo­so, com qu­em tem uma fi­lha fo­ra do ca­sa­men­to.

A de­nún­cia tam­bém apon­ta o pe­cu­la­to de­cor­ren­te do des­vio da ver­ba in­de­ni­za­tó­ria do Se­na­do. Re­nan, diz a pro­cu­ra­do­ria, des­vi­ou re­cur­sos da Ca­sa pa­ra uma lo­ca­do­ra de car­ros que per­ten­ce a um la­ran­ja do se­na­dor.

Re­nan, em seu dis­cur­so co­mo can­di­da­to, deu um re­ca­do aos cha­ma­dos “in­de­pen­den­tes” ao di­zer que a éti­ca é uma obri­ga­ção de to­dos. “A éti­ca não é ob­je­ti­vo em si mes­mo. O ob­je­ti­vo em si mes­mo é o Bra­sil, o in­te­res­se na­ci­o­nal. A éti­ca é meio, não é fim. É obri­ga­ção de to­dos nós, res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos nós e de­ver des­se Se­na­do Fe­de­ral”, dis­se.

Ge­ral­do Ma­ge­la/agên­cia Se­na­do

Ca­lhei­ros re­tor­na ao co­man­do do Se­na­do cin­co anos após re­nun­ci­ar ao car­go pa­ra não ser cas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.