É com­po­si­tor de

NA BA­TI­DA DJ ma­rin­ga­en­se no mun­do to­do; re­mix de “Lan­ter­na dos Afo­ga­dos” foi to­ca­do até na Ín­dia fai­xas que ani­mam ba­la­das

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com Tal­vez o jo­vem, no em­ba­lo da noi­te, no meio da pis­ta, cer­ca­do de ami­gos e pa­que­ras, ao som in­ter­mi­ten­te das ba­ti­das ele­trô­ni­cas co­man­da­das pe­lo DJ em uma ca­sa no­tur­na, nem per­ce­ba o la­do ar­tís­ti­co da­que­la mú­si­ca que ga­ran­te, ma­dru­ga­da afo­ra, a ani­ma­ção pa­ra dan­çar. Além dos tra­ba­lhos “em cam­po” na ba­la­da, com um tem­pe­ro que só um bom DJ con­se­gue pro­por­ci­o­nar, sa­ben­do a ho­ra cer­ta de agi­tar a fes­ta de acor­do com a ener­gia do pú­bli­co, exis­tem tam­bém os DJs que to­cam par­te do seu tra­ba­lho distante da pis­ta, mais con­cen­tra­dos em seus equi­pa­men­tos de mi­xa­gens no com­pu­ta­dor, com­pon­do hits que po­de­rão ga­ran­tir a fes­ta pa­ra as mais va­ri­a­das ba­la­das es­pa­lha­das pe­lo mun­do.

É o ca­so do ma­rin­ga­en­se Adri­a­no Garcia Ha­veck, 36 anos, co­nhe­ci­do nas ba­la­das co­mo DJ Ha­veck. Ele co­me­çou a pro­du­zir as tracks em 1997, mas foi só em 2002 que to­mou gos­to de vez pe­las com­po­si­ções prin­ci­pal­men­te por sa­ber que seu vi­nil ti­nha che­ga­do nas mãos de gran­des DJs, co­mo o bra­si­lei­ro Renato Cohen e o eu­ro­peu Te­ch­na­sia. “Me co­lo­co no lu­gar das pes­so­as: se a mú­si­ca es­tá me es­ti­mu­lan­do a dan­çar, com cer­te­za vai fa­zer o mes­mo com elas”, co­men­ta o DJ.

Em 2007, ao ou­sar na re­mi­xa­gem, jo­gan­do em uma ba­ti­da ani­ma­da tre­chos da voz do fa­mo­so Pa­to Do­nald, na fai­xa “Duck­job”, atin­giu o Top 10 da Be­at­port – uma das mai­o­res lo­jas vir­tu­ais de tracks pa­ra DJs. Não pa­rou mais de pro­du- zir e atu­al­men­te, em sua pá­gi­na na lo­ja vir­tu­al, já são de­ze­nas de fai­xas co­mer­ci­a­li­za­das no mun­do to­do. “Te­nho mais de 80 lan­ça­men­tos en­tre vi­nil, CD e di­gi­tal down­lo­ad.”

Re­tor­no

Uma des­sas com­po­si­ções do DJ pro­va que de­ter­mi­na­dos ti­pos de mú­si­ca são ir­re­sis­tí­veis e fei­tas pa­ra o su­ces­so, den­tro ou fo­ra da ba­la­da. A be­la can­ção “Lan­ter­na dos Afo­ga­dos”, com­pos­ta por Her­bert Vianna e su­ces­so ab­so­lu­to na dé­ca­da de 1990 com Os Pa­ra­la­mas do Su­ces­so, foi res­sus­ci­ta­da, na ba­ti­da ele­trô­ni­ca, du­ran­te boa par­te do ano pas­sa­do e pe­di­da nas mais diferentes ba­la­das gra­ças à re­mi­xa­gem fei­ta por Ha­veck e dis­po­ni­bi­li­za­da pa­ra DJs pe­lo Be­at­port.

“O re­mix de ‘Lan­ter­na dos Afo­ga­dos’ foi mui­to bem acei­to lá fo­ra. Che­guei a re­ce­ber al­guns emails co­mo o de um DJ in­di­a­no, di­zen­do que gos­ta­va mui­to des­sa mú­si­ca, que a to­ca­va sem­pre e me per­gun­tou quan­do eu iria fa­zer uma tur­nê por lá”, diz Ha­veck, que cri­ou o re­mix após pe­di­do da Au­di­oB, sua gra­va­do­ra.

Mes­mo pres­tes a lan­çar um ou­tro re­mix - “Mar­cos Car­na­val Fe­at Star­la Ed­ney” sai­rá pe­la Tommy Boy Records (se­lo mun­di­al de dan­ce mu­sic) – ele afir­ma es­tar ten­tan­do, ago­ra, se de­di­car mais aos sin­gles pró­pri­os. “Es­tou fo­ca­do em ‘ori­gi­nal mix’, pois há vá­ri­os DJs fa­zen­do remixes de mú­si­cas co­nhe­ci­das”.

Re­vo­lu­ção do DJ

Pa­ra ele, que tam­bém é in­te­gran­te da ban­da Lu­zeCor, as fa­ci­li­da­des tec­no­ló­gi­cas tor­nam pos­sí­vel o tra­ba­lho na com­po­si- ção de fai­xas e na pró­pria exe­cu­ção den­tro da ba­la­da, co­mo DJ. “Dis­co­te­car é mais sim­ples do que to­car um ins­tru­men­to”, lem­bra. “Ho­je, com a po­pu­la­ri­da­de dos com­pu­ta­do­res e a evo­lu­ção dos softwa­res de pro­du­ção mu­si­cal, se tor­nou ba­si­ca­men­te sim­ples com­por. Ten­do so­men­te um bom com­pu­ta­dor com al­guns softsynths ins­ta­la­dos, po­de-se fa­zer óti­mas tracks (fai­xas mu­si­cais ).”

Ain­da as­sim, Ha­veck ava­lia que al­guns DJs já es­tão se di­fe­ren­ci­an­do pe­lo jei­to com que se apro­pri­am das mú­si­cas pa­ra re­cri­a­rem no­vas fai­xas. “No fu­tu­ro, o DJ não vai ser mais aque­le que mixa uma mú­si­ca com a ou­tra, man­ten­do os be­ats sin­cro­ni­za­dos pa­ra não que­brar o rit­mo na pis­ta. Vai ser aque­le que vai cons­truir uma no­va mú­si­ca atra­vés de vá­ri­as ou­tras mú­si­cas. Na re­a­li­da­de, is­so já es­tá acon­te­cen­do, mas são pou­cos DJs que es­tão aten­tos a is­so.”

Divulgação

O DJ ma­rin­ga­en­se Adri­a­no Ha­veck, que já compôs mais de 80 tracks: “Me co­lo­co no lu­gar das pes­so­as: se a mú­si­ca es­tá me es­ti­mu­lan­do a dan­çar, com cer­te­za vai fa­zer o mes­mo com elas”

Divulgação

DJ Luii Sanz, da ArtDjs: “ar­tis­tas de re­no­me na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal es­tão vin­do to­car aqui e na re­gião”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.