À luz (e som­bra) do pas­sa­do

“Ta­bu”, do di­re­tor por­tu­guês Miguel Go­mes, re­me­te ao clás­si­co homô­ni­mo de Mur­nau pa­ra nar­rar his­tó­ria de amor e mor­te que tem co­mo ce­ná­rio a Lis­boa atu­al e a Áfri­ca de­gra­da­da pe­la co­lo­ni­za­ção

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

Na­da po­de ha­ver de mais se­du­tor no ci­ne­ma do que a li­ber­da­de. De cri­ar, de vol­tar um olhar mui­to es­pe­cí­fi­co pa­ra o pas­sa­do, nes­ta ten­ta­ti­va sem­pre tão di­fí­cil de apre­en­der o pre­sen­te. De cap­tar, ain­da, ves­tí­gi­os da me­mó­ria que, aos pou­cos, se dis­si­pa, re­a­lo­can­do-a atra­vés de ima­gens, de pa­la­vras, de re­la­tos nos­tál­gi­cos. O por­tu­guês Miguel Go­mes (do óti­mo “Aque­le Que­ri­do Mês de Agos­to”, de 2008) con­se­guiu re­a­li­zar com “Ta­bu”, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do, um tra­ba­lho vi­go­ro­so e ines­pe­ra­do nos “mol­des” do ci­ne­ma clás­si­co que, por for­ça do tem­po e dos des­lo­ca­men­tos me­mo­ri­a­lís­ti­cos, faz-se ul­tra­mo­der­no e che­ga mes­mo a ser des­con­cer­tan­te, jo­gan­do por ter­ra qual­quer ex­pec­ta­ti­va que pos­sa­mos vir a ter so­bre seu des­fe­cho.

Di­vi­di­do em du­as par­tes, “Pa­raí­so Per­di­do” e “Pa­raí­so”, num pre­to e bran­co pu­ro, co­mo es­ca­va­ção ar­que­o­ló­gi­ca, o fil­me re­me­te ao clás­si­co “Ta­bu” (1931) de Mur­nau, que se­rá exi­bi­do no Pro­je­to Um Ou­tro Olhar na se­ma­na que vem. No pró­lo­go, nar­ra­do pe­lo pró­prio di­re­tor, a bre­ve his­tó­ria de um ex­plo­ra­dor que, so­ter­ra­do em an­gús­ti­as pe­la per­da da mu­lher ama­da, aca­ba por ser de­vo­ra­do por um cro­co­di­lo em ter­ras afri­ca­nas. “Pa­raí­so Per­di­do”, que se pas­sa na Lis­boa atu­al, nar­ra a apre­en­são de Pi­lar em re­la­ção a Aurora, sua vi­zi­nha já ido­sa e ex­cên­tri­ca, que é cui­da­da por San­ta, sua em­pre­ga­da afri­ca­na. À bei­ra da mor­te, ela pe­de que en­con­trem um ho­mem cha­ma­do Gi­an Lu­ca Ven­tu­ra, pois guar­da com ele se­gre­dos in­con­fes­sá­veis do pas­sa­do, mas ele não che­ga a tem­po de vê-la com vi­da.

Em “Pa­raí­so”, Gi­an Lu­ca vai nar­rar a his­tó­ria de Aurora quan­do jo­vem, em Mo­çam­bi­que, há 50 anos atrás, quan­do era re­cém-ca­sa­da com um co­lo­no e co­mo ela e Gi­an Lu­ca tor­na­ram-se amantes. Mu­do na sua se­gun­da par­te, o fil­me en­con­tra um equi­lí­brio co­mo­ven­te en­tre a his­tó­ria pri­va­da e a gran­de his­tó­ria, com o co­lo­ni­a­lis­mo ser­vin­do co­mo mol­du­ra pa­ra uma re­la­ção de adul­té­rio e um cri­me. E não foi pre­ci­so en­fa­ti­zar ao ex­tre­mo o pe­río­do his­tó­ri­co ar­bi­trá­rio e in­fa­me, re­ple­to de in­jus­ti­ças – que tem co­mo re­fle­xo a per­so­na­gem San­ta, da pri-

Divulgação

“Ta­bu”, de Miguel Go­mes: di­vi­di­do em du­as par­tes, fil­me mos­tra um ou­tro mo­do de con­tar uma his­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.