A vi­da não tem pre­ço

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Qu­em não se fi­cou aba­la­do ao ver as ima­gens da tra­gé­dia com os jo­vens na bo­a­te Kiss, em San­ta Maria (RS)? Qu­em não sen­tiu dor e com­pai­xão pe­los jo­vens mor­tos, e pe­las su­as fa­mí­li­as? Co­mo foi emo­ci­o­nan­te ver tan­ta so­li­da­ri­e­da­de, tan­tas ma­ni­fes­ta­ções de afe­to e de con­for­to, tan­tas pre­ces ele­va­das aos céus nes­te mo­men­to de pro­fun­da co­mo­ção.

Nin­guém ima­gi­na­va, nin­guém de­se­ja­va, mui­to me­nos al­guém pu­des­se, vo­lun­ta­ri­a­men­te, pro­vo­car uma ca­tás­tro­fe des­te ti­po. Po­rém, di­an­te­do­fa­to,nin­guém­po­de­fi­ca­ra­lheio.

Es­se fa­to pro­vo­cou uma sé­ria re­vi­são de to­dos os am­bi­en­tes de aglo­me­ra­ção, pois não é pos­sí­vel dei­xar que se re­pi­ta ta­ma­nha tra­gé­dia, cei­fan­do vi­das. Re­vi­são ra­di­cal de uma sé­rie de si­tu­a­ções se­me­lhan­tes, de lu­ga­res em que a ju­ven­tu­de se en­con­tra co­mo lu­gar de la­zer, di­ver­são.

Sem­pre exis­ti­ram am­bi­en­tes pa­ra dan­ças, te­a­tros, etc. O di­fe­ren­ci­al ho­je es­tá na so­fis­ti­ca­ção des­tes am­bi­en­tes e das ban­das que bus­cam sem­pre o que tem de mais mo­der­no, com o in­tui­to de agra­dar a cli­en­te­la. Tudo is­so, quan­do fei­to sem exa­ge­ro, sem ex­tre­mis­mos, aca­ba se trans­for­man­do em be­las opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to hu­ma­no, so­ci­al e afe­ti­vo.

Quan­do tem ba­la­da, vem a per­gun­ta: dei­xo ou não meu fi­lho, mi­nha fi­lha, sair ho­je à noi­te com seus ami­gos? Na ver­da­de o dra­ma po­de co­me­çar den­tro de ca­sa. Qu­an­tos con­fli­tos fa­mi­li­a­res acon­te­cem na ne­go­ci­a­ção en­tre pais e fi­lhos.

O re­la­ci­o­na­men­to ver­da­dei­ro tem co­mo ba­se a con­fi­an­ça con­quis­ta­da en­tre am­bas as par­tes. Faz-se ne­ces­sá­rio sa­ber, com qu­em vai, aon­de vai, que ho­ras vai sair, que ho­ras vol­ta­rá e co­mo vol­ta­rá. Per­gun­tas que só se­rão res­pon­di­das na con­fi­an­ça mú­tua, e que na mai­o­ria das ve­zes aca­bam se re­su­min­do por ape­nas um “es­tou in­do”! “Tchau!”

Di­an­te do fa­to pro­fun­da­men­te la­men­tá­vel, não se tra­ta de bus­car cul­pa­dos e sim en­con­trar a so­lu­ção pa­ra que is­so ja­mais ve­nha acon­te­cer no­va­men­te. Vi­das hu­ma­nas não têm pre­ço. Nin­guém vai de­vol­ver a vi­da de nin­guém. Nin­guém tem o di­rei­to de cul­par a Deus, ou di­zer que foi Deus que quis. Deus não quer a mor­te. Nos­so Deus é o Deus da vi­da.

Em tudo na vi­da va­le a ve­lha e an­ti­ga pa­la­vri­nha “equi­lí­brio”. No di­ci­o­ná­rio on­li­ne de por­tu­guês en­con­tra­mos es­sa de­fi­ni­ção: “es­ta­do de re­pou­so de um cor­po so­li­ci­ta­do por vá­ri­as for­ças que se anu­lam. Po­si­ção es­tá­vel do cor­po hu­ma­no. Exi­bi­ção acro­bá­ti­ca. Pon­de­ra­ção, cal­ma, pru­dên­cia, equi­lí­brio de es­pí­ri­to”.

Sem­pre e em ca­da mo­men­to da vi­da, va­le le­var a sé­rio tudo com pon­de­ra­ção, com cal­ma, pru­dên­cia e equi­lí­brio de es­pí­ri­to. Mi­lha­res de fa­tos da vi­da, ne­ga­ti­vos ou po­si­ti­vos, on­de o que mar­cou tan­to um co­mo ou­tro foi a cal­ma, ou a fal­ta de­la, foi a pru­dên­cia ou a fal­ta de­la, foi a pon­de­ra­ção ou fal­ta de­la, foi o equi­lí­brio ou a fal­ta de­le. A dor da per­da de um en­te que­ri­do não tem re­mé­dio. Só o tem­po é a fé na eter­ni­da­de po­dem dar um no­vo sen­ti­do. O va­zio fi­ca­rá pa­ra sem­pre. A vi­da hu­ma­na não tem pre­ço, tem per­fu­me de eter­ni­da­de. Re­ze­mos por San­ta Maria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.