Po­lui­ção, des­ma­ta­men­to e hi­dre­lé­tri­cas ame­a­çam Ivaí

Pe­di­dos de li­cen­ci­a­men­to pa­ra hi­dre­lé­tri­cas es­tão ge­ran­do reu­niões em to­dos os mu­ni­cí­pi­os ri­bei­ri­nhos; pre­o­cu­pa­ção é im­pac­to das obras na po­pu­la­ção de pei­xes e área de plan­tio

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Eva Rodrigues Lis­boa, de 58 anos, pro­pri­e­tá­ria de uma lan­cho­ne­te na mar­gem do Rio Ivaí, na PR-317, e sua ir­mã Sô­nia Maria, do­na da lan­cho­ne­te na ou­tra mar­gem, con­vi­vem com o rio des­de cri­an­ças. Elas ga­ran­tem que o rio “não mu­dou qua­se na­da” em meio sé­cu­lo, mas ago­ra es­tão apre­en­si­vas com as no­tí­ci­as de que vá­ri­as bar­ra­gens de usi­nas hi­dre­lé­tri­cas es­tão pa­ra ser cons­truí­das. “Se is­to acon­te­cer, tudo vai mu­dar e os pei­xes vão de­sa­pa­re­cer”, diz Eva.

A co­mer­ci­an­te foi cri­a­da em sí­ti­os às mar­gens do rio e lem­bra que cen­te­nas de pes­so­as vi­vem da pes­ca. Os co­men­tá­ri­os que ou­ve dos pes­ca­do­res são car­re­ga­dos de pre­o­cu­pa­ção. “Quan­do eu era pe­que­na, ti­nha mui­to mais pei­xe, mas mes­mo ago­ra ain­da tem mui­to pei­xe gran­de”.

O Ivaí é con­si­de­ra­do o mais ‘in­to­ca­do’ en­tre os gran­des ri­os do Pa­ra­ná. É na­ve­gá­vel em to­da sua ex­ten­são, usa­do pa­ra even­tos na­vais, co­mo os ral­li­es até a foz, no Rio Pa­ra­ná, pro­cis­sões de bar­cos, cons­tru­ção de con­do­mí­ni­os e pa­ra a re­a­li­za­ção de cam­pe­o­na­tos de pes­ca que reú­nem pes­ca­do­res de vá­ri­os Es­ta­dos. Em­bo­ra se­ja mais po­luí­do do que o Pi­ra­pó, o Pi­qui­ri e o Pa­ra­na­pa­ne­ma, é o que mais tem pei­xes, tan­to que ao lon­go de seu percurso há vá­ri­as colô­ni­as de pes­ca­do­res e mi­lha­res de fa­mí­li­as vi­ven­do do que re­ti­ram de su­as águas.

Se­gun­do o bió­lo­go An­ge­lo An­to­nio Agos­ti­nho, que co­or­de­na pro­je­tos de pes­qui­sas eco­ló­gi­cas de lon­ga du­ra­ção na Uni-

Rver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), “quan­do acon­te­cem gran­des chei­as em um ano, no ano se­guin­te te­mos mui­to pei­xe, mas nem de lon­ge lem­bra o quan­to se pes­ca­va há 20 ou 30 anos”.

Ame­a­ças

Par­ti­ci­pan­te ati­vo dos de­ba­tes so­bre o que acon­te­ce­rá com o rio no ca­so de su­as águas se­rem usa­das pa­ra a ge­ra­ção de ener­gia elé­tri­ca, o pes­qui­sa­dor do Nú­cleo de Pes­qui­sas em Lim­no­lo­gia, Ic­ti­o­lo­gia e Aqui­cul­tu­ra (Nu­pe­lia) da UEM diz que o Ivaí es­tá for­te­men­te as­so­re­a­do e as ma­tas ci­li­a­res são pou­cas e ra­las. Ele diz que, com a subs­ti­tui­ção da ca­fei­cul­tu­ra pe­las plan­ta­ções de cur­to ci­clo pro­du­ti­vo, co­mo so­ja, mi­lho e ca­na-de-açú­car, o so­lo é re­vol­vi­do to­dos os anos e as plan­tas ofe­re­cem pou­ca co­ber­tu­ra. As­sim, par­te da ter­ra das la­vou­ras é le­va­da pa­ra o rio, car­re­gan­do jun­to os pro­du­tos quí­mi­cos que são im­por­tan­tes pa­ra a agri­cul­tu­ra, mas mui­to ma­lé­fi­cos pa­ra a vi­da aquá­ti­ca.

En­quan­to es­pe­ci­a­lis­tas em cons­tru­ção de bar­ra­gens sus­ten­tam que po­de-se ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de dos pei­xes no rio se fo­rem cons­truí­das es­ca­das nas obras, pos­si­bi­li­tan­do que os pei­xes pas­sem pa­ra ou­tros am­bi­en­tes pa­ra a de­so­va, An­ge­lo Agos­ti­nho ex­pli­ca que as pas­sa­gens de pei­xes de­vem ter sua cons­tru­ção mo­ti­va­da por ques­tões ge­né­ti­cas e não so­men­te de­mo­grá­fi­cas. Se­gun­do ele, ca­so o tre­cho “Tudo que es­tá à bei­ra do rio se trans­for­ma em la­go ar­ti­fi­ci­al, o rio dei­xa de ser rio e pas­sa a ser água pa­ra­da” aci­ma pos­sa man­ter po­pu­la­ções sus­ten­tá­veis, com ci­clo de vi­da com­ple­to, o que vai re­gu­lar o ta­ma­nho do es­to­que é a ca­pa­ci­da­de de su­por­te do am­bi­en­te, de na­da adi­an­tan­do a pas­sa­gem de gran­des quan­ti­da­des de pei­xes. Pa­ra o pro­fes­sor, frag­men­tos de po­pu­la­ção es­tão su­jei­tos a pro­ble­mas ge­né­ti­cos que po­dem le­var à ex­tin­ção a mé­dio e lon­go pra­zos.

Mu­dan­ças a ca­mi­nho

A pre­o­cu­pa­ção das ir­mãs ven­de­do­ras de pei­xe fri­to nas mar­gens do rio faz sen­ti­do, pois pe­lo me­nos seis em­pre­sas apre­sen­ta­ram pe­di­dos de li­cen­ci­a­men­to jun­to ao Instituto Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná (IAP) pa­ra a cons­tru­ção de pe­que­nas e mé­di­as cen- trais hi­dre­lé­tri­cas no Ivaí. Al­gu­mas já con­tam com li­cen­ci­a­men­to apro­va­do jun­to à Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca (Ane­el), en­tre elas a Hi­dre­lé­tri­ca Mi­nas, de Be­lo Ho­ri­zon­te, a J. Ma­lu­cel­li Ener­gi­as S.A. E a ERSA Ener­gi­as Re­no­vá­veis S.A..

Os pe­di­dos de li­cen­ci­a­men­to es­tão ge­ran­do reu­niões em to­dos os mu­ni­cí­pi­os ri­bei­ri­nhos. Em Fê­nix, na mar­gem es­quer­da, es­tu­dos re­a­li­za­dos pe­la Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to mos­tra­ram que o mu­ni­cí­pio po­de per­der cer­ca de 30% de seus 17 mil hec­ta­res, jus­ta­men­te na par­te mais apro­vei­ta­da pa­ra a agri­cul­tu­ra, por­que cer­ca de 5 mil hec­ta­res fi­ca­rão sub­mer­sos. A pre­o­cu­pa­ção é a mes­ma em Itam­bé, Flo­res­ta, Iva­tu­ba e Quin­ta do Sol. Os de­ba­tes con­ti­nu­a­rão acon­te­cen­do nos pró­xi­mos me­ses em ou­tras ci­da­des, reu­nin­do agri­cul­to­res, pes­ca­do­res e ci­en­tis­tas li­ga­dos às uni­ver­si­da­des pa­ra­na­en­ses.

Mi­nis­té­rio Pú­bli­co

O pro­mo­tor pú­bli­co Ro­bert­son Fon­se­ca de Aze­ve­do tem par­ti­ci­pa­do dos de­ba­tes e sem­pre mos­tra-se con­tra pro­vo­car ta­ma­nho im­pac­to no am­bi­en­te pa­ra pro­du­zir ener­gia elé­tri­ca. Ele de­fen­de que o Pa­ra­ná é um Es­ta­do au­tos­su­fi­ci­en­te na pro­du­ção de ener­gia elé­tri­ca, “já deu sua con­tri­bui­ção ao Bra­sil” e não pre­ci­sa sa­cri­fi­car seus re­cur­sos na­tu­rais com a cons­tru­ção de no­vas usi- nas. Se­gun­do o pro­mo­tor, a cons­tru­ção de uma hi­dre­lé­tri­ca pro­vo­ca­ria im­pac­to am­bi­en­tal, so­ci­al e econô­mi­co na re­gião em que es­ti­ver a obra e os pre­juí­zos se­ri­am ir­re­pa­rá­veis.

Fon­se­ca ar­gu­men­ta que “tudo que es­tá à bei­ra do rio se trans­for­ma em la­go ar­ti­fi­ci­al, o rio dei­xa de ser rio e pas­sa a ser água pa­ra­da”. Além dis­so, se­gun­do ele, os pei­xes de água cor­ren­te não vi­vem em água pa­ra­da. Aze­ve­do diz que de­ve ser le­va­do em con­ta tam­bém o im­pac­to econô­mi­co, pois as pro­pri­e­da­des que sus­ten­tam fa­mí­li­as pas­sam a fi­car de­bai­xo d’água, pre­ju­di­can­do as fa­mí­li­as que vi­vem da agri­cul­tu­ra.

Ricardo Lo­pes

Fu­tu­ro do Rio Ivaí é mar­ca­do por in­cer­te­zas: cons­tru­ção de hi­dre­lé­tri­cas é vis­ta co­mo uma pos­sí­vel ame­a­ça pa­ra os pei­xes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.