Cin­za

Estimula o mer­ca­do editorial a li­te­ra­tu­ra eró­ti­ca vol­ta­da pa­ra as mu­lhe­res; qua­li­da­de das obras dei­xa a de­se­jar

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

nhum ti­po de flo­reio, dan­do um ar me­câ­ni­co às de­ze­nas de re­la­ções se­xu­ais. Ou en­tão, “O Ca­der­no Ro­sa de Lori Lamby”, da bra­si­lei­ra Hil­da Hilst , que na­da mais é do que o diá­rio de uma ga­ro­ti­nha de 8 anos que é pros­ti­tui­da pe­los pais. São exem­plos de­o­bras que con­se­guem ter mo­men­tos mais quen­tes do que “50 Tons” - com a di­fe­ren­ça de que têm tam­bém mais qua­li­da­de li­te­rá­ria.

Pe­la crí­ti­ca, o li­vro da bri­tâ­ni­ca foi con­si­de­ra­do co­mo soft pornô, ou pornô pa­ra mamães. Mil­ton Rodrigues, pro­fes­sor de li­te­ra­tu­ra da UEM ex­pli­ca que nes­ta clas­si­fi­ca­ção es­tão tex­tos com lin­gua­gem dó­cil e se­du­to­ra. “É um eró­ti­co que não che­ga a ser bru­tal. Al­go mais pu­xa­do pa­ra o ro­man­tis­mo”, en­si­na.

Rodrigues lem­bra que o se­xo já não é te­ma ta­bu na li­te­ra­tu­ra des­de a re­vo­lu­ção se­xu­al dos anos 1960 e que es­sa no­va on­da de best-sel­lers api­men­ta­dos na­da acres­cen­ta. “Por um la­do, a ten­dên­cia é es­sen­ci­al pa­ra o uni­ver­so fe­mi­ni­no. É bom a mu­lher poder ex­pres­sar o que sen­te e poder con­su­mir li­te­ra­tu­ra eró­ti­ca, sem ter de ser ques­ti­o­na­da por is­so. Mas no fun­do, to­dos os li­vros são a mes­ma coi­sa. É uma li­te­ra­tu­ra ba­ra­ta que se as­se­me­lha ao fil­mes de ví­deo pornô, no qual a his­tó­ria pou­co im­por­ta. Um tex­to su­per­fi­ci­al que não tem qua­li­da­de ar­tís­ti­ca, fei­to em me­nos de três me­ses”, diz.

Mes­mo sa­ben­do da in­fe­ri­o­ri­da­de li­te­rá­ria de “50 Tons de Cin­za”, a jornalista Re­gi­na Da­e­fi­ol, 48, de­ci­diu se aven­tu­rar com a tri­lo­gia e con­ta que te­ve uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to po­si­ti­va. “Vo­cê tem que ler já sa­ben­do que é pu­ra di­ver­são, entretenimento. É co­mo ir ao ci­ne­ma. O que me cha­mou aten­ção é a for­ma cla­ra co­mo a es­cri­to­ra tra­ta o sa­do­ma­so­quis­mo. Acre­di­to que pes­so­as pre­ci­sam se des­pir um pou­co des­se pre­con­cei­to li­te­rá­rio.”

Pa­ra Rodrigues, o su­ces­so de E. L Ja­mes agre­ga va­lor ape­nas ao mer­ca­do editorial. “O se­xo é ex­plo­ra­do com pon­to de vis­ta pu­ra­men­te co­mer­ci­al. A li­te­ra­tu­ra atu­al não quer tra­tar de ques­tões pro­fun­das e o lei­tor de ho­je só quer mos­trar que es­tá atu­a­li­za­do. ‘50 Tons’ abriu ca­mi­nho pa­ra de­ze­nas de ou­tras au­to­ras. Cri­ou ofer­ta e tam­bém emprego.”

Um exem­plo des­te bo­om é o bra­si­lei­ro L. Mi­das, de Be­lo Ho­ri­zon­te. O pa­les­tran­te que tra­ba­lha com tec­no­lo­gia e in­for­má­ti­ca es­tá lan­çan­do o li­vro “Re­des Sen­su­ais”, pe­la edi­to­ra Pi­men­ta Ma­la­gue­ta. Pa­ra Mi­das seu ro­man­ce de es­tréia não po­de ser con­si­de­ra­do me­ra imi­ta­ção do best-sel­ler de E. L. Ja­mes. “O en­re­do ex­plo­ra a com­bi­na­ção se­xo e internet . É um re­tra­to do que se pas­sa nas re­des so­ci­ais du­ran­te as al­tas ma­dru­ga­das. O se­xo é pra­ti­ca­men­te um per­so­na­gem da tra­ma, em­pur­ran­do as pes­so­as a agi­rem de ma­nei­ra inu­si­ta­da, fre­quen­te­men­te con­tra­di­tó­ria ao que se­ria de se es­pe­rar”, con­ta.

Ra­fa­el Sil­va

Pi­lha de “50 Tons de Cin­za” nas Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba: ou­tras dez obras do mes­mo gê­ne­ro che­ga­ram em ja­nei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.