Fred­die Mer­cury in­se­gu­ro

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

“Fred­die Mer­cury - A Bi­o­gra­fia De­fi­ni­ti­va”, da in­gle­sa Les­lie Ann Jo­nes, não con­se­gue jus­ti­fi­car o pre­ten­si­o­so tí­tu­lo, mas tem atra­ti­vos. Fa­mo­so mun­di­al­men­te co­mo cantor da ban­da de rock Qu­e­en, Fred­die Mer­cury (19461991) já foi mui­tas ve­zes bi­o­gra­fa­do. Em lín­gua in­gle­sa, é pos­sí­vel lis­tar pe­lo me­nos 20 li­vros so­bre ele que te­nham al­gu­mas re­le­vân­ci­as.

Uma ques­tão sem­pre co­lo­ca­da ao re­la­tar a vi­da do ar­tis­ta é con­tem­plar dois la­dos dis­tin­tos e atra­en­tes de sua his­tó­ria: o su­ces­so com o Qu­e­en e a vi­da se­xu­al sem freio, cul­mi­nan­do na mor­te em de­cor­rên­cia da Aids. A au­to­ra al­can­ça um bom equi­lí­brio, o que dei­xa a nar­ra­ti­va fluir en­tre es­tú­di­os, shows e fes­tas da pe­sa­da, man­ten­do o in­te­res­se pe­las qua­se 500 pá­gi­nas. O que com­pro­me­te um pou­co a obra é uma pre­o­cu­pa­ção ex­ces­si­va em jus­ti­fi­car o com­por­ta­men­to de Mer­cury fa­zen­do re­la­ções com pas­sa­gens de in­fân­cia e ju­ven­tu­de, num exer­cí­cio de­sin­te­res­san­te e ras­tei­ro de psi­ca­ná­li­se. tros ho­mens. Mer­cury che­ga a ser re­tra­ta­do co­mo uma pes­soa pa­to­lo­gi­ca­men­te in­se­gu­ra. Pa­ra a au­to­ra, ele não su­pe­rou cer­to com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de por ter nas­ci­do em Zan­zi­bar, que ho­je per­ten­ce à Tan­zâ­nia.

É com­pre­en­sí­vel que ele, jo­vem imi­gran­te em Lon­dres com al­gu­ma in­ten­ção de fa­zer car­rei­ra no meio da mú­si­ca, es­con­des­se sua ori­gem. Afi­nal, o mun­do pop do fi­nal dos anos 1960 es­ta­ria pre­pa­ran­do pa­ra uma es­tre­la nas­ci­da em so­lo afri­ca­no e com as­cen­dên­cia in­di­a­na? Mas o li­vro tem qua­li­da­des, que pas­sam por uma edi­ção de ca­pí­tu­los que às ve­zes que­bra a li­ne­a­ri­da­de do re­la­to, com bons re­sul­ta­dos. Co­mo é o ca­pí­tu­lo ini­ci­al, que traz uma de­ta­lha­da des­cri­ção da or­ga­ni­za­ção do Li­ve Aid, o gi­gan­tes­co con­cer­to de 1985 pa­ra ar­re­ca­dar aju­da a fa­min­tos da Etiópia. As in­for­ma­ções vão além da par­ti­ci­pa­ção des­ta­ca­da do Qu­e­en no even­to, fa­zen­do do ca­pí­tu­lo uma atra­ção pa­ra qual­quer fã de rock. Depois a au­to­ra vai a Zan­zi­bar pa­ra mos­trar a boa con­di­ção da fa­mí­lia do ga­ro­to Far­rokh Bul­sa­ra, sua re­la­ção com os pais, a ini­ci­a­ção se­xu­al com me­ni­nos da es­co­la e a não mui­to sa­tis­fa­tó­ria mu­dan­ça pa­ra a In­gla­ter­ra. Os anos que se pas­sam an­tes da for­ma­ção do Qu­e­en, quan­do Mer­cury já co­nhe­cia Bri­an May e Ro­ger Tay­lor (fu­tu­ros par­cei­ros na ban­da), mos­tram um Fred­die Mer­cury zan­zan­do no un­der­ground, mas re­lu­tan­do em ser cantor. Gos­ta­va mais de dar pal­pi­tes no vi­su­al dos mú­si­cos e de con­vi­ver com eles na noi­te.

O pro­ces­so de en­tra­da na ban­da que se tor­na­ria o Qu­e­en é lon­go e con­fu­so, co­mo tam­bém era a vi­da se­xu­al de Mer­cury e sua atra­ção por me­ni­nos e me­ni­nas. Quan­do a car­rei­ra do gru­po des­lan­cha e ele se tor­na um ído­lo de rock, o se­xo ca­su­al vi­ra ob­ses­são.

Mer­cury tem um co­ti­di­a­no di­vi­di­do en­tre o Qu­e­en e as noi­tes sel­va­gens, re­la­ta­das no li­vro com de­ta­lhes, mas sem sen­sa­ci­o­na­lis­mo – in­cluin­do as vin­das da ban­da ao Bra­sil, em 1981 e 1985. Jo­nes vai aos pou­cos in­tro­du­zin­do in­for­ma­ções so­bre o sur­gi­men­to da Aids, que­ren­do pre­pa­rar o lei­tor pa­ra o fi­nal. Em­bo­ra a au­to­ra de­mons­tre mui­ta afei­ção pe­lo bi­o­gra­fa­do, sua mor­te é mos­tra­da em tom mais frio, dis­tan­ci­a­do, tal­vez res­pei­to­so.

Ro­quei­ros de­vem ler a obra com pra­zer. Além do Qu­e­en, há nar­ra­ti­vas in­te­res­san­tes so­bre ami­gos de Mer­cury, co­mo El­ton John, Rick Wa­ke­man e Da­vid Bowie. De­fi­ni­ti­va? Não, mas uma lei­tu­ra bem agra­dá­vel.

Thales de Me­ne­zes Folhapress

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.