Uma ina­ti­vi­da­de pa­ra bo­çais

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Alexandre Aga­bi­ti Fer­nan­dez

Há mais de uma dé­ca­da, Mar­lon Wayans ga­nhou fa­ma co­mo co­ro­tei­ris­ta e ator nos dois pri­mei­ros fil­mes da fran­quia “To­do Mun­do em Pâ­ni­co”, cu­jo mo­te era pa­ro­di­ar fil­mes de terror des­ti­na­dos a ado­les­cen­tes. A re­cei­ta é a mes­ma em “Ina­ti­vi­da­de Pa­ra­nor­mal”, que ca­çoa de vá­ri­os fil­mes do gê­ne­ro mas ele­ge “Ati­vi­da­de Pa­ra­nor­mal” co­mo prin­ci­pal al­vo. Am­bos re­cor­rem ao ar­ti­fí­cio do fal­so do­cu­men­tá­rio, um cli­chê, pa­ra con­fe­rir uma do­se ex­tra de “re­a­lis­mo”.

Além da tra­ma e dos per­so­na­gens prin­ci­pais, a pa­ró­dia re­to­ma até o en­qua­dra­men­to de vá­ri­as ce­nas do ori­gi­nal. Kisha (Es­sen­ce At­kins) vai mo­rar com Mal­colm (Wayans), seu na­mo­ra­do, que ins­ta­la câ­me­ras pe­la ca­sa pa­ra re­gis­trar a vi­da do ca­sal. Co­mo era de se es­pe­rar, as câ­me­ras co­me­çam a cap­tar ati­vi­da­des pa­ra­nor­mais, o que le­va o ca­sal a cha­mar pi­to­res­cos “es­pe­ci­a­lis­tas” no fenô­me­no, co­mo um ca­ça-fan­tas­mas, um mé­dium gay e um pa­dre exor­cis­ta ex-presidiário e co­cainô­ma­no.

O hu­mor ca­ro a Wayans vai mui­to além do es­cra­cho e mer­gu­lha em um in­fan­ti­lis­mo ex­tre­ma­men­te vul­gar. As pi­a­das ba­se­a­das em fla­tu­lên­cia per­cor­rem o fil­me de pon­ta a pon­ta, mas o au­ge des­sa ob­ses­são es­ca­to­ló­gi­ca acon­te­ce na ce­na em que Mal­colm de­fe­ca so­bre as cin­zas do pai de Kisha acre­di­tan­do que o es­pí­ri­to des­te es­tá as­som­bran­do a ca­sa. As­que­ro­so.

A vul­ga­ri­da­de so­bre se­xo tam­bém é oni­pre­sen­te. Mal­colm é es­tu­pra­do pe­lo fan­tas­ma, si­mu­la uma or­gia com bi­chos de pe­lú­cia e re­ce­be as­sé­dio con­tí­nuo do afe­ta­do mé­dium. Além dis­so, abun­dam alu­sões ao se­xo gru­pal -to­das to­tal­men­te fo­ra de con­tex­to e sem a me­nor gra­ça.

O ro­sá­rio de cre­ti­ni­ces tam­bém in­clui ra­cis­mo. Lo­go no co­me­ço do fil­me, quan­do Kisha en­co­ra­ja o ma­ri­do a en­fren­tar os es- pí­ri­tos, ele res­pon­de al­go co­mo: “Is­so é coi­sa de bran­co; nós, ne­gros, saí­mos cor­ren­do”.

Ofen­si­vo e de­sa­gra­dá­vel, “Ina­ti­vi­da­de Pa­ra­nor­mal” só po­de agra­dar aos bo­çais.

Divulgação

“Ina­ti­vi­da­de Pa­ra­nor­mal”, de Mar­lon Wayans: de­sa­gra­dá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.