É pre­ci­so sa­ber so­bre­vi­ver

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Nós, bra­si­lei­ros, per­de­mos mais de 200 jo­vens na ino­mi­ná­vel ma­dru­ga­da do dia 27 de ja­nei­ro. Ou­tros jo­vens, mui­to mais que 700, so­bre­vi­ve­ram. Al­guns ain­da cor­rem ris­co de mor­te, ou­tros, pa­re­cen­do es­tar bem, ne­ces­si­tam de a com­pa­nha­men­to mé­di­co, uma vez que po­dem de­sen­vol­ver uma pneu­mo­nia quí­mi­ca.

Os so­bre­vi­ven­tes, con­tu­do, vi­ve­ram com uma dor, um de­sam­pa­ro, tal­vez uma cul­pa por te­rem saí­do com vi­da, quan­do tan­tos ou­tros, mais ou me­nos ami­gos, não con­se­gui­ram. É pre­ci­so, por­tan­to, apren­der a so­bre­vi­ver. Ta­re­fa di­fí­cil, mas pos­sí­vel.

Os jo­vens são gre­gá­ri­os, vi­vem em tur­mas, que po­dem ser cha­ma­das por tri­bos, por­que agre­gam jo­vens por iden­ti­fi­ca­ções. É por is­so que, pa­ra eles, os ami­gos são fun­da­men­tais. Na ten­ta­ti­va de bus­car au­to­no­mia e “rom­per” com o cor­dão um­bi­li­cal fa­mi­li­ar, os jo­vens su­per­va­lo­ri­zam os com­pa­nhei­ros de tur­ma por­que en­con­tram ne­les a pos­si­bi­li­da­de de con­so­li­da­ção de sua iden­ti­da­de, que não é mais apên­di­ce do pai ou da mãe. Per­der um ami­go é, por as­sim di­zer,per­der par­te de si mes­mo.

Os so­bre­vi­ven­tes de San­ta Maria, no Rio Gran­de do Sul, per­de­ram mui­to­mais do que po­de­mos ima­gi­nar. Con­si­de­ran­do as re­la­ções iden­ti­tá­ri­as,per­de­ram-se jun­ta­men­te com tan­tos que não so­bre­vi­ve­ram.

Ou­tro as­pec­to a ser con­si­de­ra­do é a vi­vên­cia da tra­gé­dia. Os so­bre­vi­ven­tes pas­sa­ram por uma si­tu­a­ção-li­mi­te: de ca­ra com a mor­te,sal­va­ram-se. Po­rém, as­sis­ti­ram à mor­te da­que­les que com eles “ba­da­la­vam” em uma fes­ta uni­ver­si­tá­ria. A trá­gi­ca ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da po­de ge­rar mui­tos des­con­for­tos e até trans­tor­nos psí­qui­cos que de­vem ser acom­pa­nha­dos por pro­fis­si­o­nais, a fim de que não ve­nham a des­truir, no fu­tu­ro, as ma­ni­fes­ta­ções na­tu­rais da vi­da.

Por fim, ne­ces­si­ta­mos am­pa­rar os so­bre­vi­ven­tes no que diz res­pei­to à cul­pa. Mui­tos po­de­rão vi­ver ator­men­ta­dos por uma cul­pa ine­xis­ten­te, mas con­cre­ta­men­te pre­sen­te nos seus pen­sa­men­tos. A cul­pa po­de apri­si­o­nar su­as emo­ções, le­van­do-os ao de­sen­vol­vi­men­to de de­pres­sões e de­sen­can­tos.

Os jo­vens so­bre­vi­ven­tes pre­ci­sam que os edu­ca­do­res da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Maria – que per­deu mais de cem es­tu­dan­tes na tra­gé­dia – e ou­tros pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­da­de es­bo­cem um tra­ba­lho de acom­pa­nha­men­to pa­ra que pos­sam ela­bo­rar seus lutos. Além da co­bran­ça por mai­o­res res­pon­sa­bi­li­da­des po­lí­ti­cas e ci­vis, os vo­lun­tá­ri­os po­dem, à dis­tân­cia, cri­ar uma as­sis­tên­cia on­li­ne e gru­pos de apoio aos so­bre­vi­ven­tes. Au­to­ri­da­des re­li­gi­o­sas po­dem, tam­bém,es­ta­be­le­cer tem­pos e es­pa­ços pa­ra aco­lhi­da e es­cu­ta das an­gús­ti­as dos que fi­ca­ram.

En­fim, pre­ci­sa­mos dar nos­sas mãos aos jo­vens pa­ra que pos­sam atra­ves­sar o tú­nel es­cu­ro e, so­bre­tu­do, aju­dá-los a per­ce­ber que há luz e saí­da no fi­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.