Vol­ta às au­las na UEM tem tro­te

Proi­bi­da no câm­pus há 10 anos, prá­ti­ca foi lem­bra­da na fren­te da ins­ti­tui­ção e no Gi­ná­sio Chi­co Ne­to; uni­ver­si­da­de ofe­re­ce R$ 3 mil pa­ra o cur­so com a me­lhor re­cep­ção so­li­dá­ria

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com Ca­lou­ros da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) fo­ram re­cep­ci­o­na­dos on­tem pe­los ve­te­ra­nos com fa­ri­nha, ovo e tin­ta. No pri­mei­ro dia de au­las, cur­sos or­ga­ni­za­ram tro­tes em fren­te à ins­ti­tui­ção e no es­ta­ci­o­na­men­to do Gi­ná­sio Chi­co Ne­to.

Os no­va­tos que to­pa­ram as brin­ca­dei­ras ti­ve­ram de ajo­e­lhar, ti­rar os tê­nis, dei­tar e fa­zer ju­ra­men­to de obe­di­ên­cia aos ve­te­ra­nos - tudo is­so com la­ma pe­lo cor­po, ovo e fa­ri­nha no ca­be­lo, além de tin­ta e ba­tom no ros­to. “Eles gos­tam e es­pe­ram por is­so no pri­mei­ro dia de au­las”, dis­se a ve­te­ra­na Aman­da, do se­gun­do ano de En­fer­ma­gem, que usa­va um me­ga­fo­ne pa­ra fa­lar com as ca­lou­ras. “Acho le­gal por­que a gen­te in­te­ra­ge com os ve­te­ra­nos e co­nhe­ce o pes­so­al da sa­la”, afir­mou Milena Lemos, 18, alu­na de En­fer­ma­gem. “Eu achei até que o tro­te se­ria mais pe­sa­do”, con­tou a co­le­ga de cur­so, Aman­da De Mar­chi, 19.

No câm­pus, o tro­te é proi­bi­do há mais de 10 anos. Ape­sar dis­so, “al­guns cur­sos têm fei­to”, se­gun­do o di­re­tor de gra­du­a­ção da UEM, Edu­ar­do Ra­do­va­no­vic. A uni­ver­si­da­de for­mou uma co­mis­são pa­ra coi­bir re­cep­ções vi­o­len­tas. “O pro­ble­ma é que há alu­nos que não es­tão acos­tu­ma­dos a be­ber e são co­a­gi­dos a fa­zer is­so. O alu­no que pas­sou por um pro­ces­so de se­le­ção con­cor­ri­do não po­de che­gar na UEM em cli­ma frio, co­mo se fos­se um dia qual­quer na vi­da de­le, mas tem que ser al­go de co­mum acor­do en­tre os es­tu­dan­tes.” Du­ran­te o tro­te de on­tem, por exem­plo, al­guns no­va­tos fo­ram con­ven­ci­dos a in­ge­rir be­bi­da al­coó­li­ca.

Na ten­ta­ti­va de abo­lir ações vi­o­len­tas, a ins­ti­tui­ção de­ci­diu pre­mi­ar com R$ 3 mil o cur­so que fi­zer a me­lhor re­cep­ção so­li­dá­ria. Va­le plan­tar ár­vo­res, aju­dar cre­ches, es­co­las e asi­los, ar­re­ca­dar ali­men­tos e do­ar san­gue. Pa­ra con­cor­rer ao prê­mio, os cur­sos pre­ci­sam en­tre­gar re­la­tó­ri­os das ações fei­tas du­ran­te as 2 se­ma­nas – a con­tar de on­tem. Com o prê­mio, o cur­so ven­ce­dor po­de pagar alu­guel de ôni­bus pa­ra uma vi­a­gem, com­prar ma­te­ri­al es­co­lar e es­por­ti­vo, por exem­plo. “Ao lon­go dos anos, a ideia é que o con­cur­so pos­sa subs­ti­tuir o tro­te re­a­li­za­do fo­ra da UEM”, ex­pli­cou Ra­do­va­no­vic. Cur­sos que fi­ze­rem tro­tes vi­o­len­tos se­rão des­clas­si­fi­ca­dos.

Os cer­ca de 80 ca­lou­ros de Di­rei­to ma­tu­ti­no tam­bém re­ce­be­ram as bo­as-vin­das dos ve­te­ra­nos à ba­se de fa­ri­nha, mel, ovo e tin­ta. “Eles até per­dem a ti­mi­dez”, dis­se Silvia Sal­guei­ro, se­cre­tá­ria do Cen­tro Aca­dê­mi­co do cur­so. No de­cor­rer da se­ma­na, os es­tu­dan­tes fa­rão um tro­te so­li­dá­rio, com plan­tio de ár­vo­res, vi­si­ta a asi­lo e tour pe­la ci­da­de.

Tro­tes vi­o­len­tos po­dem ser de­nun­ci­a­dos pe­lo 0800-643-4278. O ser­vi­ço fun­ci­o­na 24 ho­ras por dia. A li­ga­ção é gra­tui­ta..

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.