Lança nes­te se­mes­tre

Pe­ri­to cri­mi­nal de Cu­ri­ti­ba li­vro que re­ve­la o que di­zem as ta­tu­a­gens dos pre­sos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Do­en­ças

Foi com es­sa mes­ma pre­mis­sa de pres­ta­ção de ser­vi­ço que Wer­bitz­ki, em 2000, es­cre­veu o seu pri­mei­ro li­vro, “Re­pre­sen­ta­ção Fa­ci­al Hu­ma­na Des­cri­tí­vel – Re­tra­to Fa­la­do” (Edi­to­ra Ju­ruá), tal­vez a úni­ca obra so­bre o te­ma no País. “O li­vro, que con­ta com vá­ri­as ima­gens, mos­tra co­mo de­ve­mos ob­ser­var um cri­mi­no­so nos mo­men­tos do as­sal­to, além de co­mo as pes­so­as po­dem fa­zer uma des­cri­ção­me­lhor­dos­cri­mi­no­sos.” O pe­ri­to cri­mi­nal ex­pli­ca que a gran­de mai­o­ria das ta­tu­a­gens é fei­ta den­tro das ca­dei­as. Prá­ti­ca co­mum nos pre­sí­di­os, as ta­tu­a­gens ama­do­ras, no en­tan­to, diz ele, de­ve­ria ser coi­bi­da pe­las au­to­ri­da­des, já que, com os mé­to­dos pre­cá­ri­os de se fa­zer a mar­ca­ção na pe­le, aca­bam sen­do dis­se­mi­na­do­ras de do­en­ças trans­mis­sí­veis, co­mo a Aids. Wer­bitz­ki re­la­ta que os pre­sos uti­li­zam das mais mi­ra­bo­lan­tes idei­as pa­ra con­se­gui­rem tin­ta e agu­lhas. “As ta­tu­a­gens são fei­tas com tin­ta nan­quim, tin­ta es­fe­ro­grá­fi­ca, com san­gue da mão ras­pa­da com gi­le­te mis­tu­ra­do com cin­zas de ci­gar­ro e até de sa­co­li­nhas der­re­ti­das. Agu­lha de cos­tu­rar bo­tão são usa­das mui­tas ve­zes em mo­tor­zi­nhos im­pro­vi­sa­dos com pi­lhas de rá­dio.”

Ele cal­cu­la que 90% da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria são de tatuados, com os tra­ba­lhos fei­tos den­tro da ca­deia. “Ape­nas os cha­ma­dos pa­ra­que­dis­tas não são tatuados nas ca­dei­as. São aque­las pes­so­as pre­sas por cri­mes me­no­res, al­guém que ba­teu com o ta­co de si­nu­ca na ca­be­ça do ou­tro após uma bri­ga, que se ar­re­pen­deu e vai sair lo­go da ca­deia, por exem­plo. Di­fe­ren­te­men­te da­que­le que car­re­ga o es­tig­ma de ser cri­mi­no­so na vi­da. Es­te, até pa­ra ser acei­to nos gru­pos for­ma­dos den­tro da ca­deia, que­rem ser tatuados. Já vi des­cri­ções em ta­tu­a­gens co­mo ‘Sou Va­ga­bun­do Até no San­gue’ ou ‘Ma­to PorP­ra­zer’.”

Os “co­ra­jo­sos” ma­ta­do­res de po­li­ci­ais, re­ve­la o pe­ri­to, são agra­ci­a­dos com ta­tu­a­gens nos bra­ços de crâ­ni­os de ca­vei­ras com fa­cas en­ter­ra­das ou o de­se­nho do Chuck – O Bo­ne­co As­sas­si­no, co­nhe­ci­do per­so­na­gem do fil­me de terror. Ho­mi­ci­das e che­fes de qua­dri­lha, tam­bém res­pei­ta­dos na ca­deia, são tatuados com o sím­bo­lo de Bapho­met – um cír­cu­lo com um pon­to den­tro que re­pre­sen­ta o demô­nio ou o mun­do das tre­vas. A ta­tu­a­gem, no bra­ço di­rei­to, de uma car­pa, pei­xe que na­da con­tra a cor­ren­te, é sím­bo­lo que re­pre­sen­ta os in­te­gran­tes de gran­des or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas, co­mo o Pri­mei­ro Co­man- do­daCa­pi­tal(PCC).

Ao con­trá­rio da­que­les que uti­li­zam as ta­tu­a­gens pa­ra se re­a­fir­ma­rem, pe­dó­fi­los, es­tu­pra­do­res e de­la­to­res são tatuados con­tra a von­ta­de, pa­ra fi­ca­rem mar­ca­dos pe­los cri­mes que co­me­te­ram. O pe­ri­to diz que um es­tu­pra­dor, por exem­plo, po­de ser fa­cil­men­te iden­ti­fi­ca­do nas ca­dei­as com uma ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, em ta­ma­nho gran­de, nas cos­tas. Um ho­mi­ci­da tam- bém tem uma Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, só que em ta­ma­nho me­nor, no om­bro di­rei­to. Um pe­dó­fi­lo com ten­dên­ci­as ho­mos­se­xu­ais, con­ta o pes­qui­sa­dor, cer­ta­men­te te­rá ta­tu­a­do no om­bro ou no pei­to um tri­ân­gu­lo gran­de en­vol­ven­do um tri­ân­gu­lo pe­que­no na cor azul. Se o pe­dó­fi­lo ata­cou me­ni­nas, é mar­ca­do, na mes­ma re­gião do cor­po, com um co­ra­ção gran­de en­vol­ven­do ou­tro co­ra­ção me­nor, na cor ro­sa.

Fer­nan­da Za­rem­ba/comunicação da Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça do Es­ta­do

Re­pro­du­ção de car­taz com al­gu­mas das ta­tu­a­gens co­mu­men­te usa­das por pre­si­diá­ri­os: sím­bo­los en­tre­gam os cri­mes pra­ti­ca­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.