Cor­pos que fa­lam

LIN­GUA­GEM QUE­BRAN­DO O CÓ­DI­GO “Lin­gua­gem de Ca­deia”,

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com Ma­ni­fes­ta­ção ar­tís­ti­ca pa­ra uns. In­te­res­san­te al­ter­na­ti­va es­té­ti­ca pa­ra ou­tros. Pa­ra a po­pu­la­ção car­ce­rá­ria, po­rém, um meio de comunicação efi­caz e for­ma de acei­ta­ção nos gru­pos. A lin­gua­gem das ta­tu­a­gens vis­tas em cer­ca de 90% dos pre­sos cha­mou a aten­ção do pe­ri­to da Po­lí­cia Ci­en­tí­fi­ca do Pa­ra­ná Jorge Luiz Wer­bitz­ki, 57 anos, que lan­ça­rá, ain­da no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, “Lin­gua­gem de Ca­deia”, li­vro de­sen­vol­vi­do após dez anos de pes­qui­sas e aná­li­se de fo­to­gra­fi­as de ta­tu­a­gens de pre­sos da Pe­ni­ten­ciá­ria do Ahú, em Cu­ri­ti­ba, e em di­ver­sas ca­dei­as lo­ca­li­za­das em de­le­ga­ci­as da ca­pi­tal e da re­gião me­tro­po­li­ta­na.

Um dia an­tes de sair de fé­ri­as pa­ra as­sim poder de­di­car um mês in­tei­ro no aca­ba­men­to do li­vro, Wer­bitz­ki con­ver­sou por te­le­fo­ne com a re­por­ta­gem do Diá­rio. Seu ob­je­ti­vo, com a obra, é pres­tar um ser­vi­ço à po­pu­la­ção e tam­bém pa­ra qu­em atua na área cri­mi­na­lís­ti­ca. Ele con­ta que, depois de co­nhe­cer a fun­do a lin­gua­gem das ta­tu­a­gens dos pre­sos, seu olhar pe­las ru­as de Cu­ri­ti­ba fi­cou mais apu­ra­do em re­la­ção aos si­nais que de­ter­mi­na­dos de­se­nhos e fi­gu­ras ex­pos­tas na pe­le po­dem di­zer. “Depois que co­me­cei a es­tu­dar, ve­jo, pe­las ta­tu­a­gens, uma ou du­as pes­so­as por se­ma­na que já fo­ram­de­ti­das”, con­ta.

Se­gun­do o pe­ri­to, co­nhe­cen­do o que ca­da ta­tu­a­gem sig­ni­fi­ca no mun­do do cri­me, é pos­sí­vel dis­tin­guir o grau de pe­ri­cu­lo­si­da­de de ca­da de­ten­to, ex-de­ten­to ou até fu­gi­ti­vo da ca­deia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.