Va­lei-me Ie­man­já

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

e Vi­ni­cius (“Se vo­cê qui­ser amar/Se vo­cê qui­ser amor/Vem co­mi­go a Sal­va­dor/Pa­ra ou­vir Ie­man­já”). So­bre­tu­do, não re­sis­to a con­vi­tes inu­si­ta­dos re­pen­ti­nos e à pos­si­bi­li­da­de de uma pe­que­na aven­tu­ra. Por im­pos­si­bi­li­da­de de Sal­va­dor, es­co­lhe­mos Cai­o­bá mes­mo. A Lí­via veio me lem­brar que o dia se­guin­te era dois de fe­ve­rei­ro, dia de Ie­man­já (is­so eu já sa­bia, por cau­sa da can­ção). Que tal se fôs­se­mos até o li­to­ral jo­gar umas ores no mar, as prai­as cam tão per­to de Cu­ri­ti­ba, nun­ca apro­vei­ta­mos is­so... To­pei na ho­ra - atraiu-me o ab­sur­do da ideia des­te tris­te des­cren­te pre­pa­ran­do ofe­ren­das pa­ra Ie­man­já. A vés­pe­ra já foi di­ver­ti­da: rou­ba­mos ores azuis do par­que, a Lí­via fez bar­qui­nhos e com­prou ve­las bi­o­de­gra­dá­veis - ar­ti­gos am­bi­en­tal­men­te cor­re­tos são mais di­fí­ceis de afa­nar. Ar­re­gi­men­ta­mos tam­bém os ca­ma­ra­das Ga­bri­el e Ro­dri­go, que mui­to pro­vi­den­ci­al­men­te for­ne­ce­ram, além da ines­ti­má­vel com­pa­nhia, uma aju­da de cus­to pa­ra o com­bus­tí­vel. Pos­so di­zer que a vi­a­gem foi di­ver­ti­dís­si­ma, mas tal­vez te­nha­mos de­mo­ra­do um pou­co a che­gar ao des­ti­no. Tal­vez, qu­em sa­be, o atra­so te­nha a ver com cer­ta gar­ra­fa de ca­cha­ça de ba­na­na en­con­tra­da no ca­mi­nho. Con amos na ge­ne­ro­si­da­de dos an triões - res­tau­ran­te ca­sei­ro, aque­le cli­ma à von­ta­de - e es­ten­de­mos por con­ta pró­pria a cor­te­sia de uma pe­que­na do­se de ape­ri­ti­vo pa­ra uma gar­ra­fa qua­se in­tei­ra, mo­ti­van­do sa­lu­tar tro­ca de mo­to­ris­ta. Já era tar­de quan­do pa­ra­mos em Cai­o­bá. Apa­ren­te­men­te, quei sa­ben­do, is­so in ui na po­tên­cia (es­se é o ter­mo cor­re­to?) das on­das. Pa­ra que os bar­cos com as ofe­ren­das não vol­tas­sem à areia - se­ria um las­ti­má­vel si­nal de re­cu­sa, por par­te de Ie­man­já, de nos­sos de­se­jos -, Ga­bri­el e Ro­dri­go fo­ram dei­xá-los lá lon­ge. Não quis car di­mi­nuí­do en­tre os ami­gos na fren­te da na­mo­ra­da, que sa­bi­a­men­te cou na areia, e lá me fui com eles. Pa­ra meus que­ri­dos ma­lan­dros ca­ri­o­cas, o cli­ma es­ta­va “Ga­ro­ta de Ipa­ne­ma”, mas eu já es­ta­va num es­pí­ri­to “É Do­ce Mor­rer no Mar”. Não che­guei a ofe­re­cer pre­sen­te pa­ra Ie­man­já: ela que mo ar­ran­cou das mãos, as­su­min­do for­ma de im­pi­e­do­sa on­da. Tal­vez a im­pa­ci­ên­cia da en­ti­da­de es­pi­ri­tu­al te­nha a ver com a fal­ta de ofer­tas por es­tas ban­das do Pa­ra­ná, anos-luz atrás de Rio de Ja­nei­ro e Bahia. Jun­to com o agra­do que já for­ne­ce­ria vo­lun­ta­ri­a­men­te, Ie­man­já tam­bém achou por bem to­mar-me os ócu­los - es­te pa­to mío­pe es­que­ceu de ti­rá-los pa­ra en­trar na água. Que bar­qui­nho com or rou­ba­da que na­da! Ofe­re­ço meus ócu­los (qu­an­ta car­ga sim­bó­li­ca!), mi­nha vi­são, meu des­ti­no. Ó Ie­man­já, con­du­za-me em meus ca­mi­nhos - ou ao me­nos me aju­de a não fa­zer pa­pel tão ri­dí­cu­lo em mi­nha pró­xi­ma ex­cur­são ao li­to­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.