Pre­fei­tos, a ho­ra é ago­ra!

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

No dia 1º de ja­nei­ro, pre­fei­tos elei­tos e re­e­lei­tos as­su­mi­ram seus man­da­tos pa­ra uma no­va ges­tão. Afo­ra al­gu­mas ex­ce­ções, o que se ob­ser­va são no­tí­ci­as que mos­tram o de­sa­len­to em que se en­con­tram al­guns mu­ni­cí­pi­os. Sa­lá­ri­os atra­sa­dos, má­qui­nas e equi­pa­men­tos su­ca­te­a­dos, for­ne­ce­do­res apre­en­si­vos e bens pú­bli­cos sem a ne­ces­sá­ria con­ser­va­ção.

Tam­bém ve­mos pre­fei­tos re­cla­man­do. Nos úl­ti­mos anos, é ver­da­de, fo­ram re­pas­sa­dos inú­me­ros en­car­gos e atri­bui­ções aos Mu­ni­cí­pi­os sem a de­vi­da con­tra­par­ti­da pre­vis­ta na Cons­ti­tui­ção por par­te dos Es­ta­dos e da União. As re­cei­tas de tri­bu­tos e con­tri­bui­ções es­tão ca­da vez mais con­cen­tra­dos nas mãos do Go­ver­no Fe­de­ral, qu­em tem ado­ta­do po­lí­ti­cas pú­bli­cas e me­di­das econô­mi­cas uni­la­te­rais, in­sen­sí­veis aos plei­tos dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Os pre­fei­tos são co­bra­dos a to­do ins­tan­te pe­los mu­ní­ci­pes, ami­gos e cor­re­li­gi­o­ná­ri­os. Sem dúvida é ver­da­de que os re­cur­sos pa­ra os Mu­ni­cí­pi­os são pou­cos di­an­te de tan­tas ne­ces­si­da­des. No en­tan­to, é pre­ci­so re­fle­tir e mu­dar es­se dis­cur­so. Mu­ni­cí­pi­os com si­tu­a­ções es­tá­veis de­vem ser a re­gra e não a ex­ce­ção. Is­to é pos­sí­vel! Os pre­fei­tos pre­ci­sam ter no­ção cla­ra de que os re­sul­ta­dos dos seus mu­ni­cí­pi­os são de sua di­re­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e não de­vem es­pe­rar que o go­ver­no do Es­ta­do ou a União re­sol­vam os seus pro­ble­mas de cai­xa. Is­to não acon­te­ce­rá!

O má­xi­mo que os pre­fei­tos vão con­se­guir são con­vê­ni­os pa­ra obras, on­de os Mu­ni­cí­pi­os te­rão de ar­car com a con­tra­par­ti­da. Ou se­ja, pre­ci­sam es­tar com as contas equi­li­bra­das pa­ra ter as con­tra­par­ti­das aos con­vê­ni­os, além de pos­suir as cer­ti­dões de re­gu­la­ri­da­de do Tri­bu­nal de Contas e da Se­cre­ta­ria do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, ou se­ja, com­pro­mis­sos em dia e contas apro­va­das.

A es­sa no­va pos­tu­ra dos pre­fei­tos de­ve se so­mar a sua união em tor­no da as­so­ci­a­ção dos mu­ni­cí­pi­os e das en­ti­da­des mu­ni­ci­pa­lis­tas em de­fe­sa de mai­or par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os no bo­lo tri­bu­tá­rio. No en­tan­to, é ne­ces­sá­rio sa­ber que não há no ho­ri­zon­te qual­quer in­dí­cio de re­sul­ta­dos con­cre­tos pa­ra es­sas de­man­das. Go­ver­nem com es­sa cer­te­za, sem ilu­sões.

Os pre­fei­tos de­vem sem­pre lem­brar que o su­ces­so ou fra­cas­so de su­as ad­mi­nis­tra­ções de­pen­de­rá das su­as ações e, tam­bém, que se­rão res­pon­sa­bi­li­za­dos por to­dos os seus atos. Por es­sa ra­zão de­vem ter cui­da­do na es­co­lha da equi­pe de go­ver­no, no pla­ne­ja­men­to, con­tro­le e exe­cu­ção de to­das as su­as ações.

Cui­da­do tam­bém com o nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os mu­ni­ci­pais, evi­tan­do o ex­ces­so.

Os pre­fei­tos de­vem ad­mi­nis­trar o seu mu­ni­cí­pio com os re­cur­sos que têm e não com aque­les que ima­gi­nam que te­rão. Pre­fei­tos, acre­di­tem, a ho­ra é ago­ra. Se re­al­men­te de­se­jam um Mu­ni­cí­pio fi­nan­cei­ra­men­te sau­dá­vel, ado­tem o pla­ne­ja­men­to, man­te­nham o con­tro­le e o equi­lí­brio en­tre re­cei­tas e des­pe­sas, pro­mo­vam a eco­no­mia e a efi­ci­ên­cia da má­qui­na pú­bli­ca, es­co­lham as­ses­so­res com­pe­ten­tes e cum­pram as leis.

Es­tas de­ci­sões de­sa­gra­da­rão a al­guns, tal­vez a mui­tos. Mas, no fu­tu­ro, tra­rão res­pei­to aos pre­fei­tos, com os re­sul­ta­dos de um bom go­ver­no, com mui­tos ob­je­ti­vos al­can­ça­dos, com a pro­mo­ção do bem co­mum, de opor­tu­ni­da­des e me­lho­res con­di­ções de vi­da à sua po­pu­la­ção.

Nun­ca es­que­çam que foi pa­ra is­so que fo­ram elei­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.