Fur­tos e rou­bos a ca­sas as­sus­tam mo­ra­do­res

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Os 11 bo­le­tins de ocor­rên­cia que a do­na de ca­sa Elai­ne da Cos­ta, 38 anos, guar­da de mo­ra­do­res al­vo de ban­di­dos des­de no­vem­bro de 2012, jus­ti­fi­cam a pre­o­cu­pa­ção de qu­em vi­ve no Jar­dim do Carmo, em Ma­rin­gá. Rou­bos, fur­tos e a pre­sen­ça cons­tan­te de usuá­ri­os de dro­gas e tra­fi­can­tes fi­ze­ram que os vi­zi­nhos se unis­sem con­tra o cri­me. “To­dos es­tão re­ce­ben­do um co­mu­ni­ca­do com di­cas de se­gu­ran­ça”, diz Elai­ne.

A ca­sa de Elai­ne, que mo­ra no bair­ro há 6 me­ses, na Rua Lí­dia As­so­fra Ne­ves, foi ar­rom­ba­da no dia 22 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, às 16h. “Fi­quei fo­ra 30 mi­nu­tos e quan­do vol­tei encontrei tudo re­vi­ra­do. Le­va­ram te­vê, um ce­lu­lar e no­te­bo­ok. Gas­tei R$ 3,5 mil com câ­me­ras de se­gu­ran­ça. A Po­lí­cia Mi­li­tar tem nos aju­da­do, mas pre­ci­sa­mos do au­xí­lio de ou­tros ór­gãos.”

A jornalista Cris­ti­na Sil­va, 34, que re­si­de na mes­ma rua há 5 me­ses, diz que o bair­ro es­tá aban­do­na­do. “A lim­pe­za dos ter­re­nos e do fun­do de va­le não tem si­do fei­ta. Es­ses lu­ga­res se tor­na­ram de­pó­si­tos de li­xo e pon­to de en­con­tro de tra­fi­can­tes e vi­ci­a­dos. Mui­tas ru­as ain­da não têm pla­cas de iden­ti­fi­ca­ção, o que di­fi­cul­ta pe­dir aju­da; fo­mos mar­gi­na­li­za­dos.”

No úl­ti­mo dia 1°, uma ca­sa na Rua Rui Ce­lidô­nio foi ar­rom­ba­da e fur­ta­da pe­la se­gun­da vez em 7 di­as. A ví­ti­ma re­la­tou à PM que che­gou em ca­sa e a en­con­trou ar­rom­ba­da. Fo­ram le­va­dos um apa­re­lho de blu-ray, um ho­me the­a­ter, qua­tro pa­res de san­dá­li­as fe­mi­ni­nas e um par de tê­nis.

Res­pos­tas

O se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal dos Ser­vi­ços Pú­bli­cos, Wagner Mús­sio, afir­ma que a lim­pe­za e ro­ça­da de fun­dos de va­le é fei­ta pe­ri­o­di­ca­men­te. “Mas em épo­ca de chu­va o ma­to cres­ce rá­pi­do. A so­lu­ção de­fi­ni­ti­va já es­tá em an­da­men­to. Os fun­dos de va­le es­tão sen­do re­flo­res­ta­dos, dos mais an­ti­gos pa­ra os mais no­vos, o que evi­ta que se tor­nem de­pó­si­tos de li­xo e abri­go de la­drões.”

Em re­la­ção aos ter­re­nos, a pre­fei­tu­ra in­for­mou que no­ti­fi­ca do­nos de áre­as sem ma­nu­ten­ção e se a si­tu­a­ção não for nor­ma­li­za­da em pra­zo de­ter­mi­na­do, o mu­ni­cí­pio faz a ade­qua­ção e mul­ta o do­no. A pre­fei­tu­ra in­for­mou ain­da que as pla­cas não fo­ram co­lo­ca­das por­que o bair­ro não es­tá to­tal­men­te ocu­pa­do e nem to­das as ru­as têm no­me. Qu­em mo­ra em vi­as já no­mi­na­das po­de so­li­ci­tar as pla­cas no 156 ou na Se­cre­ta­ria do Trân­si­to e Se­gu­ran­ça.

A Po­lí­cia Ci­vil dis­se que deu iní­cio a in­ves­ti­ga­ções pa­ra ten­tar iden­ti­fi­car os au­to­res de fur­tos e rou­bos a ca­sas do Jar­dim do Carmo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.