Aci­den­tes com veí­cu­los pe­sa­dos ma­ta­ram 94

Ba­lan­ço fei­to pe­la Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al re­la­ti­vo a 2012 mos­tra que ocor­rên­ci­as são des­pro­por­ci­o­nais ao ta­ma­nho da fro­ta; car­na­val au­men­ta pre­o­cu­pa­ção Nas fe­de­rais, me­nos re­gis­tros

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Renato Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com Cer­ca de 40% das mor­tes em aci­den­tes nas es­tra­das es­ta­du­ais do nor­te e no­ro­es­te do Pa­ra­ná em 2012 acon­te­ce­ram em ocor­rên­ci­as com pe­lo me­nos um veí­cu­lo pe­sa­do. No ano, a 4ª Com­pa­nhia de Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al (PRE), que abran­ge 120 mu­ni­cí­pi­os, re­gis­trou 226 mor­tes – 94 em aci­den­tes com um ôni­bus ou ca­mi­nhão. O nú­me­ro ga­nha ain­da mais for­ça quan­do se le­va em con­ta que os veí­cu­los pe­sa­dos res­pon­dem só por 6,12% da fro­ta pa­ra­na­en­se, se­gun­do o De­par­ta­men­to de Trân­si­to do Pa­ra­ná (De­tran-PR).

Em 2012 fo­ram con­ta­bi­li­za­dos 838 aci­den­tes en­vol­ven­do pe­lo me­nos um veí­cu­lo pe­sa­do, ou 27,5% do to­tal de 3.045 re­gis­tros. A quan­ti­da­de de fe­ri­dos nes­te ti­po de ocor­rên­cia re­pre- sen­tou 21,6% de um uni­ver­so de 2.519 ví­ti­mas.

En­quan­to o nú­me­ro to­tal de aci­den­tes su­biu 1,7% en­tre 2011 e 2012, as ocor­rên­ci­as com o en­vol­vi­men­to de ca­mi­nhões ou ôni­bus cres­ceu 3,97%.

Na ava­li­a­ção do te­nen­te João Francisco Gi­me­nez, da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al, o ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de e ul­tra­pas­sa­gens proi­bi­das são as cau­sas da mai­or par­te dos aci­den­tes en­vol­ven­do veí­cu­los pe­sa­dos. “Ge­ral­men­te o con­du­tor de um car­ro me­nor ten­ta pas­sar um ca­mi­nhão e aca­ba co­li­din­do. Tan­to que a mai­o­ria das ba­ti­das são fron­tais.”

André Araú­jo é ca­mi­nho­nei­ro há 12 anos. Na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, ele qua­se se en­vol­veu em um aci­den­te com um mo­to­ci­clis­ta quan­do pas­sa­va por Fran- cis­co Bel­trão. “Ele tentou pas­sar pe­la sar­je­ta pa­ra des­vi­ar do que­bra-mo­las e ras­pou no meu pa­ra-cho­que. Se ele es­ti­ves­se um pou­co mais rá­pi­do te­ria acon­te­ci­do o pi­or”, re­la­tou.

Araú­jo diz que a ex­pe­ri­ên­cia na es­tra­da lhe per­mi­te afir­mar que exis­tem ca­mi­nho­nei­ros e mo­to­ris­tas de ôni­bus im­pru­den­tes. “On­de tem es­tra­da mui­to pla­na, eles que­rem apro­vei­tar o em­ba­lo. Co­mo cor­rem de­mais, na ho­ra que en­con­tram um car­ro me­nor é aci­den­te na cer­ta.”

Mais mor­tes

O nú­me­ro de mor­tes em aci­den­tes com ca­mi­nhões e ôni­bus na área da 4ª Cia. cres­ceu 42% em 2012 na com­pa­ra­ção com o ano an­te­ri­or, su­bin­do de 66 pa­ra 94.

De acor­do com o te­nen­te Gi­me­nez, a es­ta­tís­ti­ca foi po­ten­ci­a­li­za­da pe­la tra­gé­dia de 11 de agos­to, que ma­tou 10 pes­so­as e fe­riu 89. O aci­den­te ocor­reu na PR-323, no tre­cho en­tre o dis­tri­to de Água Boa, em Pai­çan­du, e Dou­tor Camargo. Dois ôni­bus, uma mo­to­ci­cle­ta e um car­ro ba­te­ram. O nú­me­ro de aci­den­tes com ca­mi­nhões e ôni­bus caiu nas ro­do­vi­as fe­de­rais do Pa­ra­ná em 2012. fo­ram 9.065 ca­sos, an­te 9.070 em 2011. O to­tal de mor­tes tam­bém te­ve re­du­ção – de 134 pa­ra 130.

Se­gun­do o che­fe de Po­li­ci­a­men­to e Fis­ca­li­za­ção da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral (PRF) no Pa­ra­ná, ins­pe­tor Ricardo Sch­nei­der, em­bo­ra ain­da não es­te­ja sen­do apli­ca­da, a Lei do Des­can­so in­cen­ti­vou as trans­por­ta­do­ras a re­gu­lar a jor­na­da de tra­ba­lho dos ca­mi­nho­nei­ros. “Mui­tas em­pre­sas já es­tão cons­ci­en­tes de que a jor­na­da ex­ces­si­va ex­tra­po­la a ca­pa­ci­da­de fí­si­ca e au­men­to o ris­co de aci­den­tes.”

O ins­pe­tor res­sal­ta que ações co­mo a proi­bi­ção da cir­cu­la­ção de ca­mi­nhões e com­po­si­ções de trans­por­te de gran­de por­te tam­bém con­tri­buí­ram pa­ra dei­xar as es­tra­das mais se­gu­ras, em­bo­ra o con­tex­to ain­da es­te­ja lon­ge do ide­al.

“Fo­ram re­a­li­za­dos cer­ca de 100 mil tes­tes de etilô­me­tro e fei­tas vá­ri­as re­vis­tas em bus­ca de dro­gas que são usa­das por mo­to­ris­tas. É di­fí­cil cre­di­tar a que­da a um fa­tor. É um con­jun­to de ações que vêm dan­do cer­to”. As du­as gran­de­zas. Em um aci­den­te en­tre dois ca­mi­nhões de mas­sa pa­re­ci­da, se os dois es­ti­ve­rem na mes­ma ve­lo­ci­da­de, am­bos pa­ram no mo­men­to da co­li­são. Mas se for um ca­mi­nhão com um car­ro, o pri­mei­ro tem a mas­sa até 10 ve­zes su­pe­ri­or ao veí­cu­lo me­nor, que se­rá es­ma­ga­do. Co­mo nas ro­do­vi­as as ve­lo­ci­da­des são pró­xi­mas, e con­si­de­ran­do que a gran­de­za do ca­mi­nhão é sem­pre su­pe­ri­or, o car­ro vai sem­pre es­tar em des­van­ta­gem. Se vo­cê es­tá den­tro de um car­ro que es­tá an­dan­do a 100 km/h, o cor­po es­tá pa­ra­do com re­la­ção ao veí­cu­lo, mas em mo­vi­men­to em re­la­ção ao so­lo. Quan­do o car­ro co­li­de, ele pa­ra. Mas o pas­sa­gei­ro e con­du­tor não. Eles con­ti­nu­am com a mes­ma ve­lo­ci­da­de que o veí­cu­lo ti­nha an­tes da co­li­são. Nis­so vo­cê se cho­ca com o vo­lan­te, por exem­plo, e so­fre o im­pac­to com a mes­ma for­ça que pa­rou o car­ro. Se a pa­ra­da for len­ta, e não brus­ca, o im­pac­to ten­de a ser me­nor, na mes­ma proporção do tem­po de pa­ra­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.