Área com trans­gê­ni­cos cres­ce ca­da vez mais

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO -

A área com so­ja trans­gê­ni­ca no Bra­sil es­tá es­ti­ma­da em 24,36 mi­lhões de hec­ta­res na tem­po­ra­da 2012/13, o que sig­ni­fi­ca cer­ca de 90% do to­tal cul­ti­va­do com a ole­a­gi­no­sa, se­gun­do da­dos da con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­da Cé­le­res. Não é pou­co, em se tra­tan­do do se­gun­do mai­or pro­du­tor de so­ja do mun­do. “Em com­pa­ra­ção ao úl­ti­mo ano, hou­ve um cres­ci­men­to de qua­se 3 mi­lhões de hec­ta­res com va­ri­e­da­des de so­ja ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­da”, in­for­ma a Cé­le­res. A so­ja trans­gê­ni­ca uti­li­za­da no Bra­sil é to­le­ran­te a her­bi­ci­das, o que fa­ci­li­ta o tra­ba­lho dos pro­du­to­res no con­tro­le de er­vas da­ni­nhas.

No mi­lho, a si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te. O rá­pi­do cres­ci­men­to no cul­ti­vo do ce­re­al fez o Bra­sil pas­sar a Ar­gen­ti­na e se tor­nar o se­gun­do país pro­du­tor de grãos mo­di­fi­ca­dos, só atrás dos Es­ta­dos Uni­dos. Es­ti­ma-se que mais de 70% dos hí­bri­dos se­me­a­dos pe­los agri­cul­to­res bra­si­lei­ros se­jam ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos.

A so­ja re­pre­sen­ta a mai­or par­te do cul­ti­vo de trans­gê­ni­cos no Bra­sil. E a área cul­ti­va­da com to­das as va­ri­e­da­des des­se ti­po no país, in­cluin­do so­ja, mi­lho, al­go­dão e fei­jão, é pro­je­ta­da em pe­lo me­nos 37,1 mi­lhões de hec­ta­res na atu­al tem­po­ra­da, um in­cre­men­to de 15% em re­la­ção ao ci­clo an­te­ri­or, de acor­do com a con­sul­to­ria.

Os Es­ta­dos Uni­dos es­tão na di­an­tei­ra, com 66,8 mi­lhões de hec­ta­res se­me­a­dos no úl­ti­mo ano. Tais nú­me­ros, so­ma­dos aos do Bra­sil e de ou­tras 27 na­ções que plan­tam trans­gê­ni­cos, re­sul­tam em mais de 165 mi­lhões de hec­ta­res se­me­a­dos, re­gis­tran­do cres­ci­men­to con­tí­nuo ano após ano.

Pa­ra 2015, a ex­pec­ta­ti­va é de que a área plan­ta­da com trans­gê­ni­cos no mun­do su­pe­re os 200 mi­lhões de hec­ta­res, e o nú­me­ro de paí­ses que au­to­ri­zam o plan­tio sal­te de 29 pa­ra 40.

So­ja to­le­ran­te à se­ca

Na re­gião de Ma­rin­gá, pro­du­to­res so­nham poder con­tar com va­ri­e­da­des de so­ja que se­jam pe­lo me­nos to­le­ran­tes à se­ca. Eles ou­vem fa­lar da no­vi­da­de que es­tá che­gan­do às la­vou­ras dos Es­ta­dos Uni­dos, mas ain­da nem ima­gi- nam quan­do po­de­rão cul­ti­vá­las em ter­ras bra­si­lei­ras, o que po­de de­mo­rar anos.

O cli­ma tem si­do uma gran­de pre­o­cu­pa­ção a ca­da sa­fra. No ano pas­sa­do, cal­cu­lou-se em 35% a que­bra de pro­du­ti­vi­da­de da so­ja na re­gião de Ma­rin­gá, cau­sa­da por es­ti­a­gem. Nes­te ano, há pre­vi­são de no­vas que­bras.

Pa­ra o pre­si­den­te da Co­ca­mar Co­o­pe­ra­ti­va Agroin­dus­tri­al, Luiz Lou­ren­ço, va­ri­e­da­des de so­ja to­le­ran­tes à se­ca são aguar­da­das com mui­ta ex­pec­ta­ti­va, “pois po­dem ala­van­car a pro­du­ti­vi­da­de das la­vou­ras em to­das as re­giões, prin­ci­pal­men­te no are­ni­to caiuá.” Co­mo diz o pró­prio no­me, o are­ni­to, no no­ro­es­te do Es­ta­do, é uma fai­xa de so­lo are­no­so on­de a co­o­pe­ra­ti­va vem tra­ba­lhan­do há anos em pro­je­tos de in­te­gra­ção la­vou­ra, pe­cuá­ria e flo­res­ta. Pro­te­ger o so­lo com ca­ma­da de pa­lha tem da­do re­sul­ta­dos pa­ra as plan­tas, pois a ter­ra se man­tém úmi­da por mais tem­po após uma chu­va. No en­tan­to, fi­ca di­fí­cil aguen­tar lon­gos pe­río­dos sem chu­va, so­ma­dos ao ca­lor for­te.

De acor­do com téc­ni­cos,o fa­to de uma va­ri­e­da­de ser to­le­ran­te à se­ca não sig­ni­fi­ca que a mes­ma é ca­paz de re­sis­tir a um ve­ra­ni­co mais se­ve­ro. No en­tan­to, a la­vou­ra con­se­gue so­bre­vi­ver bem a pe­río­dos de es­ti­a­gens me­nos pro­lon­ga­dos, man­ten­do ní­veis de pro­du­ti­vi­da­de.

Ar­roz dou­ra­do vem aí

A ex­pan­são po­de ga­nhar no­vos ho­ri­zon­tes, a par­tir de ago­ra, com o plan­tio de ar­roz dou­ra­do nas Fi­li­pi­nas, pre­vis­to pa­ra es­te ano. O ce­re­al foi mo­di­fi­ca­do pa­ra apre­sen­tar al­to te­or de vi­ta­mi­na A, o que, se­gun­do o pro­je­to Gol­den Ri­ce e es­ti­ma­ti­vas fei­tas com ba­se em da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS), po­de evi­tar mais de 6 mil mor­tes por dia de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia na in­ges­tão des­se nu­tri­en­te. Gi­gan­tes do se­tor agrí­co­la es­tão in­ves­tin­do na cor­ri­da pa­ra o lan­ça­men­to, no Bra­sil, da pri­mei­ra ca­na-de-açú­car trans­gê­ni­ca do mun­do em es­ca­la co­mer­ci­al. De­sen­vol­ve­do­res pro­me­tem uma re­vo­lu­ção, com va­ri­e­da­des mais re­sis­ten­tes a pra­gas, à se­ca, com mai­or te­or de açú­car e fa­ci­li­da­des pa­ra pro­du­ção de eta­nol. Se­gun­do eles, is­so po­de sig­ni­fi­car uma al­ter­na­ti­va aos re­cor­ren­tes pro­ble­mas de que­bra de sa­fra.

O go­ver­no tam­bém quer mi­ni­mi­zar o qua­se mo­no­pó­lio das pes­qui­sas por mul­ti­na­ci­o­nais co­mo Mon­san­to e Syn­gen­ta. “A ideia é de que a Em­bra­pa, co­mo em­pre­sa pú­bli­ca, se­ja o fi­el da ba­lan­ça de um mer­ca­do com pre­sen­ça cres­cen­te de mul­ti­na­ci­o­nais”, diz o pes­qui­sa­dor da Em­bra­pa Hu­go Mo­li­na­ri.

Mas na cor­ri­da, as mul­ti­na­ci­o­nais lar­ga­ram na fren­te. A suí­ça Syn­gen­ta apli­cou, des­de o ano pas­sa­do, US$ 100 mi­lhões no de- sen­vol­vi­men­to de qua­tro plan­tas de ca­na trans­gê­ni­ca pa­ra o mer­ca­do bra­si­lei­ro. As mu­das es­tão pron­tas em la­bo­ra­tó­ri­os nos Es­ta­dos Uni­dos, mas pre­ci­sam ven­cer um pro­ces­so bu­ro­crá­ti­co pa­ra ser apro­va­das no Bra­sil. Os in­ves­ti­men­tos da Mon­san­to não fi­cam abai­xo des­se pa­ta­mar.

Ho­je es­tão au­to­ri­za­das noB­ra­sil as cul­tu­ras trans­gê­ni­cas de so­ja, mi­lho, al­go­dão e, des­de o ano pas­sa­do, fei­jão.

“A ca­na fi­cou lar­ga­da por mui­tos anos, e ago­ra fi­nal­men­te es­tá re­ce­ben­do a aten­ção de que pre­ci­sa”,diz Da­ni­el Ba­ch­ner, res­pon­sá­vel pe­la área de ca­na-de-açú­car da Syn­gen­ta.

En­tre as apos­tas da com­pa­nhia es­tão uma va­ri­e­da­de com um te­or de açú­car até 40% mai­or. Tam­bém se pes­qui­sa uma va­ri­e­da­de com mo­di­fi­ca­ção da pa­re­de ce­lu­lar da plan­ta, pa­ra fa­ci­li­tar a pro­du­ção de eta­nol de ce­lu­lo­se, de se­gun­da ge­ra­ção. O “Ca­mi­nho do Bi­o­di­e­sel” é a no­vi­da­de do es­tan­de da BSBIOS na fei­ra Show Rural Co­o­pa­vel 2013, que co­me­çou na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra e vai até sex­ta-fei­ra, em Cas­ca­vel (PR). Por meio de três es­ta­ções, os vi­si­tan­tes po­dem co­nhe­cer me­lhor o que é o bi­o­di­e­sel, seus be­ne­fí­ci­os so­ci­ais e am­bi­en­tais, quais as prin­ci­pais ma­té­ri­as pri­mas uti­li­za­das na pro­du­ção e de­ta­lhes téc­ni­cos de plan­tio e co­lhei­ta.

O Di­re­tor Pre­si­den­te da BSBIOS, Eras­mo Car­los Bat­tis­tel­la – que tam­bém pre­si­de a Abras­ca­no­la (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Pro­du­to­res de Ca­no­la) – afir­ma que o bi­o­di­e­sel é uma no­va re­a­li­da­de pa­ra o pro­du­tor e, por is­so, é im­por­tan­te que ele en­ten­da me­lhor es­ta li­ga­ção en­tre a ma­té­ria pri­ma e o pro­du­to fi­nal ge­ra­do pe­la in­dús­tria. “Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é le­var aos vi­si­tan­tes mais in­for­ma­ções so­bre o im­por­tan­te mer­ca­do de bi­o­di­e­sel no Bra­sil e no­vi­da­des, prin­ci­pal­men­te, re­la­ci­o­na­das à pro­du­ção de ma­té­ri­as pri­mas, co­mo é o ca­so da ca­no­la”, afir­ma Bat­tis­tel­la.

Co­nhe­ci­da co­mo “so­ja de in­ver­no”, a ca­no­la pos­sui al­ta pro­du­ti­vi­da­de e ren­ta­bi­li­da­de. In­se­ri­da na la­vou­ra em ro­ta­ção, ob­ser­va-se que as cul­tu­ras sub­se­quen­tes tam­bém apre­sen­tam ga­nhos. “O Show Rural é uma óti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra os pro­du­to­res co­nhe­ce­rem me­lhor a cul­tu­ra, fi­ca­rem mais bem pre­pa­ra­dos pa­ra o ma­ne­jo e tam­bém o mo­men­to pa­ra fa­zer o pla­ne­ja­men­to da sa­fra de in­ver­no,” des­ta­ca Bat­tis­tel­la. O pe­río­do de plan­tio da ca­no­la vai de mar­ço a maio, con­for­me o zo­ne­a­men­to agro­cli­má­ti­co de ca­da re­gião.

Ra­fa­el Sil­va

La­vou­ra de so­ja na re­gião de Ma­rin­gá; pro­du­to­res so­nham poder con­tar com va­ri­e­da­des que se­jam pe­lo me­nos to­le­ran­tes à se­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.