Não dor­mir

Li­vro que pa­re­ce mas não é di­ri­gi­do a cri­an­ças e ado­les­cen­tes ex­plo­ram uni­ver­so in­fan­to-ju­ve­nil em “Te­co, o ga­ro­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ria de um ga­ro­to re­bel­de, de clas­se mé­dia, que sen­tia ar­re­pi­os só de pen­sar em par­ti­ci­par de co­me­mo­ra­ções des­se ti­po. Di­as an­tes de com­ple­tar no­ve anos e ga­nhar uma fes­ta com di­rei­to a buf­fet, to­dos os ti­pos de do­ci­nhos e até show da Xu­xa, ele co­nhe­ce o pa­lha­ço Ca­cha­ci­nha. Tris­te, atra­pa­lha­do, ban­di­do e meio bo­bo, o per­so­na­gem Ca­cha­ci­nha re­pre­sen­ta a por­ta de en­tra­da da in­fân­cia pa­ra­a­a­do­les­cên­cia.

Pla­ne­jan­do se­ques­trar Te­co, o pa­lha­ço dá um por­re de ca­cha­ça no ga­ro­to. Por um tem­po, ele e o co­le­ga Alam­bi­que tran­cam Te­co em um ca­ti­vei­ro jun­to com o sa­gui Ni­co e o bo­ne­co in­flá­vel Mái­col Jack­son. Depois que es­sa tur­ma con­se­gue es­ca­par, dá-se iní­cio a uma vi­da de li­ber­da­de nas ru­as do sub­mun­do de São Pau­lo. Te­co va­gueia por três anos en­tre a Es­ta­ção da Luz e a Cra­co­lân­dia até que um ca­sal de lés­bi­cas de­ci­de le­var o ga­ro­to pa­ra ca­sa e apos­tar na re­den­ção de­le por meio da pe­da­go­gi­a­mon­tes­so­ri­a­na.

O hu­mor cor­ro­si­vo, a lin­gua­gem pre­nhe de pa­la­vrões e al­tas do­ses de te­mas pe­sa­dos - ca­rac­te­rís­ti­cas que con­sa­gra­ram o es­cri­tor co­mo um dos mais re­pre­sen­ta­ti­vos da ge­ra­ção da dé­ca­da de 1990 - tam­bém es­tão pre­sen­tes.. “Se não, qual a gra­ça?”,diz Mi­ri­so­la. “Cri­an­ças tam­bém ado­ram se­xo, vi­o­lên­ci­a­e­es­ca­to­lo­gia.”

So­bre o pro­ces­so de cons­tru­ção da his­tó­ria, Mi­ri­so­la con­ta que pri­mei­ro sur­gi­ram os per­so­na­gens, só depois é que veio a nar­ra­ti­va. “Tudo co­me­çou com o no­me dos pa­lha­ços. Ca­cha­ci­nha veio de um ami­go meu, bi­ri­tei­ro e que faz shows pa­ra cri­an­ças. Aí eu in­ven­tei o Alam­bi­que. Ti­nha dois per­so­na­gens, só fal­ta­va es­cre­ver o res­to.” Mas cri­ar a his­tó­ria só foi pos­sí­vel a qua­tro mãos. “Con­vi­dei o Fu­rio por­que o li­vro es­ta­va meio ca­pen­ga, pre­ci­san­do de uma li­ga. Aí, deu mui­to mais do que is­so. Gos­tei bas­tan­te do re­sul­ta­do, tal­vez fa­ça­mos a con­ti­nu­a­ção”, su­ge­re.

No per­so­na­gem prin­ci­pal, há pou­co do Mi­ri­so­la cri­an­ça. “Ado­ra­va fes­ti­nhas de ani­ver­sá­rio. Só que na mi­nha épo­ca, ti­ve a sor­te de não ser as­som­bra­do pe­lo Vam­pi­ri­nho Drauzio, a me­ni­na May­sa e os Power­Ran­gers”,diz,ali­vi­a­do.

Qu­es­ti­o­na­do se a qua­li­da­de de um li­vro in­fan­til de­pen­de da acei­ta­ção tan­to por par­te da ga­ro­ta­da quan­to por par­te dos adul­tos, o es­cri­tor he­si­ta. “Sei não. Mi­nha mãe quan­do leu o li­vro não gos­tou. Já a Ga­bi, mi­nha so­bri­nha de 13 anos, ado­rou.” A ques­tão é que, pa­ra Mi­ri­so­la, pou­co im­por­ta se os pais vão com­prar o li­vro pa­ra dar aos fi­lhos ou pa­ra eles mes­mos. O que im­por­ta é que “Te­co” é “um li­vro en­char­ca­do­de­mal.”

Divulgação

Em seu 13° tra­ba­lho, o es­cri­tor pau­lis­ta­no Mar­ce­lo Mi­ri­so­la cri­ti­ca as ins­ti­tui­ções fa­mi­li­a­res, po­lí­cia, mí­dia, aca­dê­mi­cos e so­ci­a­li­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.