Ele nun­ca sai de ce­na

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

As­so­ber­ba­do com ta­re­fas que dei­xei pa­ra con­cluir no pe­río­do de fé­ri­as, nem ha­via de­di­ca­do mui­to tem­po pa­ra es­se ti­po de di­va­ga­ção ra­zo­a­vel­men­te oci­o­sa, quan­do cons­ta­tei que um des­ses ani­ver­sá­ri­os re­don­dos ocor­ria jus­ta­men­te em ja­nei­ro. Lon­ge de ser um fa­to qual­quer, tra­ta-se de um dos acon­te­ci­men­tos mais im­por­tan­tes do sé­cu­lo pas­sa­do: em ja­nei­ro de 1933, há oi­ten­ta anos, Hi­tler che­gou ao poder na Ale­ma­nha. Mi­nha de­sa­ten­ção, no ca­so, não foi mo­ti­va­da por de­sin­te­res­se pe­lo per­so­na­gem. Cum­prin­do ro­ti­na do­mi­ni­cal, ha­via fei­to mi­nha in­fa­lí­vel vi­si­ta a uma ban­ca de re­vis­tas pa­ra com­prar jor­nais. Apro­vei­tei e ad­qui­ri al­gu­mas re­vis­tas de­di­ca­das à divulgação his­tó­ri­ca. Em uma de­las, ha­via uma ex­ten­sa re­por­ta­gem so­bre o na­zis­mo no Bra­sil. Mais tar­de, na li­vra­ria do shop­ping, com­prei a in­cen­sa­da bi­o­gra­fia que Ian Kershaw de­di­cou a Hi­tler. Uma se­ma­na an­tes ti­nha com­pra­do um es­tu­do de­di­ca­do à his­tó­ria do best sel­ler que Hi­tler es­cre­veu, o li­vro “Mein Kampf”. E olhem que meu cam­po de in­te­res­se de pes­qui­sa nem é o na­zis­mo. Foi só depois que, len­do uma no­tí­cia vei­cu­la­da pe­la internet, de­pa­rei com a ter­rí­vel efe­mé­ri­de. Pen­sei: “Oi­ten­ta anos? Co­mo não me lem­brei dis­so?” O ca­so é que Hi­tler não pre­ci­sa des­sas da­tas re­don­das pa­ra ser lem­bra­do. Por al­gu­ma ra­zão que sus­ci­ta mui­tas re­fle­xões, ele nun­ca sai de ce­na. Meu co­le­ga de de­par­ta­men­to de His­tó­ria, o pro­fes­sor João Fábio Ber­to­nha, um dos mai­o­res pes­qui­sa­do­res bra­si­lei­ros do fenô­me­no na­zis­ta e su­as res­so­nân­ci­as in­ter­na­ci­o­nais, sem­pre co­men­ta: “Se qui­ser ven­der li­vros ou re­vis­tas, é só co­lo­car a ima­gem de Hi­tler na ca­pa.” Ele não exa­ge­ra. É di­fí­cil um mês que uma des­sas re­vis­tas de divulgação his­tó­ri­ca não vei­cu­le al­gu­ma ma­té­ria a res­pei­to do na­zis­mo. Nas li­vra­ri­as, há tí­tu­los os mais di­ver­sos, des­de os sis­tê­mi­cos aos que abor­dam as­pec­tos es­pe­cí­fi­cos ou até cu­ri­o­sos. Além da bi­o­gra­fia es­cri­ta por Ian Kershaw, foi re­e­di­ta­da, re­cen­te­men­te, a clás­si­ca bi­o­gra­fia pro­du­zi­da por Jo­a­chim Fest e há, tam­bém dis­po­ní­veis, ou­tros es­tu­dos abran­gen­tes so­bre o na­zis­mo. Ao la­do de­les, há ma­te­ri­ais es­pe­ci­a­li­za­dos nos as­pec­tos mi­li­ta­res, nos sím­bo­los na­zis­tas, na po­lí­ti­ca de ex­ter­mí­nio de ju­deus, no su­pos­to mis­ti­cis­mo etc. Do­cu­men­tá­ri­os so­bre es­ses te­mas fa­zem su­ces­so nos ca­nais da te­le­vi­são por as­si­na­tu­ra. Em co­le­ções de ví­de­os ven­di­das em ban­cas de re­vis­tas e em su­per­mer­ca­dos, po­dem ser en­con­tra­dos do­cu­men­tá­ri­os co­mo “Ar­qui­te­tu­ra da des­trui­ção“e ”O triun­fo da von­ta­de”. Os no­vos sim­pa­ti­zan­tes do na­zis­mo são, ain­da bem, in­fi­ma­men­te mi­no­ri­tá­ri­os. O in­te­res­se por sua his­tó­ria ten­de a ser uma bus­ca de res­pos­tas pa­ra ex­pli­car a ori­gem e a di­men­são so­ci­al as­su­mi­da por um fenô­me­no tão com­ple­xo. Co­mo dis­se Ian Kershaw no fi­nal da in­tro­du­ção de seu li­vro, “o ata­que na­zis­ta às raí­zes da ci­vi­li­za­ção foi um tra­ço de­fi­ni­dor do sé­cu­lo XX. Hi­tler foi o epi­cen­tro des­se ata­que. Mas ele foi seu prin­ci­pal ex­po­en­te, não sua cau­sa pri­mei­ra”. Es­sa é a ques­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.