De­ci­fran­do a Con­fe­rên­cia do Cli­ma da ONU em Doha

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

An­tes do iní­cio da con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das pa­ra mu­dan­ças cli­má­ti­cas, ocor­ri­da em Doha, em de­zem­bro do ano pas­sa­do, uma sé­rie de es­tu­dos re­a­li­za­dos por or­ga­ni­za­ções res­pei­tá­veis ( Ban­co Mun­di­al, Pnuma, Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia...) aler­ta­va que, man­ti­do o atu­al grau de am­bi­ção no cor­te das emis­sões glo­bais de car­bo­no, o mun­do es­ta­rá qua­tro graus Cel­sius mais quen­te ao fi­nal do sé­cu­lo, ou se­ja, o do­bro do que os go­ver­nos de­li­ne­a­ram co­mo ob­je­ti­vo nas con­fe­rên­ci­as pas­sa­das.

Pro­gres­so mo­des­to foi o que mais ou­vi­mos em re­la­ção a es­ta con­fe­rên­cia cli­má­ti­ca. Os com­pro­mis­sos glo­bais atu­ais no cor­te de emis­sões mal che­gam a 60% do ne­ces­sá­rio, e Doha fa­lhou em pro­du­zir qual­quer avan­ço nes­te sen­ti­do. Is­to su­ge­re que o mun­do de­sis­tiu de li­mi­tar o au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra em “ape­nas” dois graus Cel­sius...

Fi­cou cla­ro que a fal­ta de en­ga­ja­men­to dos che­fes de Es­ta­do im­pe­de qual­quer pro­gres­so re­al no te­ma, tan­to que o se­cre­tá­rio ge­ral das Na­ções Uni­das, Ban Ki­Mo­on, anun­ci­ou que se­rão or­ga­ni­za­dos en­con­tros de “al­to ní­vel” em 2014 pa­ra que se fe­che um no­vo acor­do cli­má­ti­co em 2015.

A for­ma que es­te acor­do te­rá ain­da é in­cer­ta, e tudo o que te­mos no mo­men­to é um cro­no­gra­ma su­ge­ri­do de quan­do de­ve­re­mos al­can­çá-lo.

As ne­go­ci­a­ções aca­ba­ram vi­ran­do um te­ma aces­sí­vel ape­nas aos ini­ci­a­dos na ter­mi­no­lo­gia, ri­tos e acrô­ni­mos uti­li­za­dos.

O pa­la­vre­a­do é con­fu­so: po­de­re­mos ter um no­vo pro­to­co­lo, um ou­tro ins­tru­men­to le­gal ou ain­da um re­sul­ta­do acor­da­do com for­ça le­gal...

Mas nem to­das as no­tí­ci­as são más. O re­sul­ta­do mais im­por­tan­te de Doha é a tão es­pe­ra­da con­ti­nui­da­de do Pro­to­co­lo de Kyo­to até 2020, ter­mi­nan­do quan­do o no­vo re­gi­me glo­bal en­trar em vi­gor. As in­cer­te­zas so­bre um no­vo pe­río­do de com­pro­mis­so co­lo­ca­vam em che­que o co­mér­cio de car­bo­no e os me­ca­nis­mos de mer­ca­do cri­a­dos pa­ra es­tas tran­sa­ções. Ao sal­var o Pro­to­co­lo, uma gran­de la­cu­na re­gu­la­tó­ria foi evi­ta­da.

É ver­da­de que os paí­ses que se com­pro­me­te­ram com o se­gun­do pe­río­do de com­pro­mis­so do re­fe­ri­do pro­to­co­lo re­pre­sen­tam ape­nas 15% das emis­sões glo­bais, o que é um tan­to frus­tran­te. En­tre­tan­to, a con­ti­nui­da­de per­mi­te uma di­re­ção re­gu­la­tó­ria cla­ra pa­ra as em­pre­sas que ope­ram nes­tes paí­ses, com pla­ta­for­mas e me­ca­nis­mos já co­nhe­ci­dos.

Tal­vez, es­se fa­to se­ja um pri­mei­ro pas­so pa­ra um re­al mer­ca­do glo­bal de car­bo­no. O sis­te­ma aus­tra­li­a­no de com­pen­sa­ções de emis­são de­ve se co­nec­tar ao sis­te­ma Eu­ro­peu em 2015, e há dis­cus­sões pa­ra in­clu­são dos mercados da Co­reia do Sul e Chi­na nes­se sis­te­ma.

Os avan­ços são tí­mi­dos, sem dúvida. A fal­ta de de­ci­são em au­men­tar o ní­vel de am­bi­ção no cor­te de emis­sões sig­ni­fi­ca que a li­mi­ta­ção das mu­dan­ças cli­má­ti­cas ao ní­vel do que foi acor­da­do em Co­pe­nha­gen no ano de 2009, é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel.

A im­plan­ta­ção de um no­vo re­gi­me pa­ra da­qui a se­te anos si­na­li­za que ten­de­mos a dei­xar o pro­ble­ma pa­ra que nos­sos fi­lhos e ne­tos o re­sol­vam. E es­te é um le­ga­do di­fí­cil de ex­pli­car após mais de uma dé­ca­da de ne­go­ci­a­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.