Rou­bos aque­cem mer­ca­do de es­col­ta

Em­pre­sas de ôni­bus es­tão re­cor­ren­do ao ser­vi­ço de es­col­ta pa­ra dar se­gu­ran­ça aos pas­sa­gei­ros que vi­a­jam com di­nhei­ro pa­ra fa­zer com­pras

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Fábio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Mi­nu­tos an­tes do em­bar­que, um gru­po de ho­mens com co­le­te à pro­va de ba­las, rou­pas pre­tas e ócu­los es­cu­ros faz ron­das no pe­rí­me­tro do pon­to de par­ti­da, exi­bin­do es­co­pe­tas ca­li­bre 12 e tro­can­do in­for­ma­ções por meio de rá­di­os co­mu­ni­ca­do­res. Ca­da um car­re­ga ain­da uma pis­to­la .380 no col­dre amar­ra­do à per­na, além de um cin­to com as gros­sas re­car­gas pa­ra a ar­ma de ca­no lon­go.

O ce­ná­rio é um pos­to de com­bus­tí­veis da ro­do­via PR-317, saí­da de Ma­rin­gá pa­ra Cam­po Mourão, pon­to de em­bar­que fre­quen­te de ôni­bus fre­ta­dos. “Quan­do a gen­te sai pa­ra o ser­vi­ço só pen­sa em vol­tar in­tei­ro pa­ra a fa­mí­lia”, diz Wilson Cons­tan­ti­no, 40 anos, 15 de­les no tra­ba­lho de vi­gi­lan­te e há pou­co mais de 12 me­ses no ser­vi­ço de es­col­ta ar­ma­da – um mer­ca­do que es­tá em al­ta em Ma­rin­gá.

Os cli­en­tes que mo­vi­men­tam to­do apa­ra­to de gu­er­ra po­de­ri­am ser agên­ci­as ban­cá­ri­as, mas são lo­jis­tas de Ma­rin­gá e re­gião que se­guem ru­mo às com­pras em São Pau­lo. A mai­o­ria car­re­ga di­nhei­ro em es­pé­cie. Eles pas­sa­ram a ser tão atra­ti­vos quan­to os sa­co­lei­ros que vi­a­jam pa­ra o Pa­ra­guai.

“Até um tem­po atrás os ôni­bus an­da­vam em com­boi­os, mas is­so já não es­pan­ta mais os la­drões”, diz o ana­lis­ta em Se­gu­ran­ça, Mai­kon Lei­te, fun­ci­o­ná­rio de uma em­pre­sa que pas­sou a pres­tar ser­vi­ços de es­col­ta no ano pas­sa­do. “Co­me­ça­ram a apa­re­cer mui­tos pe­di­dos, en­tão par­ti­mos pa­ra es­se ra­mo tam­bém”, diz.

Fo­ram 13 as­sal­tos a ôni­bus em es­tra­das es­ta­du­ais na re­gião de Ma­rin­gá em 2012 – não fo­ram di­vul­ga­dos da­dos das ro­do­vi­as fe­de­rais. Nes­te ano já fo­ram três cri­mes na re­gião, com a mor­te de uma das ví­ti­mas, du­ran­te um as­sal­to em Ma­rin­gá. A dis­pa­ra­da de ca­sos ele­vou em igual in­ten­si­da­de a bus­ca por se­gu­ran­ça. Ho­je, a em­pre­sa de vi­gi­lân­cia ins­ta­la­da em Ma­rin­gá re­a­li­za cin­co es­col­tas por se­ma­na, to­das de ôni­bus. “O pe­ri­go é na ida por cau­sa do di­nhei­ro. Na vol­ta, os la­drões não que­rem sa­ber de rou­pa ou bi­ju­te­ria”, diz o guia de ex­cur­sões Ro­ber­to Pon­di­an.

A co­mer­ci­an­te Do­ra da Sil­va, do­na de uma lo­ja de bi­ju­te­ri­as em Cam­po Mourão, es­ta­va en­tre os pas­sa­gei­ros de dois ôni­bus que saí­ram na tar­de de on­tem de Ma­rin­gá, pa­ra o Brás, em São Pau­lo. “Eu ti­nha pa­ra­do de vi­a­jar de ôni­bus; é mui­to as­sal­to. Só vol­tei por­que ago­ra tem os se­gu­ran­ças”, diz. Se­gun­do ela, o va­lor mé­dio que ca­da pas­sa­gei­ro de­sem­bol­sa pe­lo ser­vi­ço é de R$ 30.

No “pa­co­te bá­si­co” da em­pre­sa de se­gu­ran­ça, um veí­cu­lo, de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­do, com dois agen­tes de es­col­ta acom­pa­nha até dois ôni­bus. Pau­lo Ro­ber­to da Sil­va, 24, agen­te da em­pre­sa, ain­da não pre­ci­sou tro­car ti­ros com os ban­di­dos, mas a cri­mi­na­li­da­de es­tá abu­sa­da. “Sor­te nos­sa que os mar­gi­nais res­pei­tam a pre­ti­nha”, diz, re- “Quan­do a gen­te sai pa­ra o ser­vi­ço só pen­sa em vol­tar in­tei­ro pa­ra a fa­mí­lia” fe­rin­do-se à es­co­pe­ta. Ano pas­sa­do, ele e um co­le­ga pas­sa­ram apu­ros na SP-333, en­tre As­sis e Ta­ru­mã. O con­du­tor de um veí­cu­lo Gol se po­si­ci­o­nou à fren­te do com­boio que eles es­col­ta­vam e co­me­çou a fre­ar, pa­ra ten­tar pa­rar a fro­ta. “A gen­te se­guia atrás. Quan­do fo­mos ul­tra­pas­sar o com­boio pa­ra abor­dar o Gol fo­mos fe­cha­dos por uma Me­ri­va, que co­me­çou a ten­tar bar­rar a gen­te. Os ban­di­dos nun­ca es­tão em um car­ro só, sem­pre atacam em, no mí­ni­mo, dois veí­cu­los”, diz Sil­va. “Aí o meu co­le­ta apon­tou a pre­ti­nha pa­ra o pes­so­al da Me­ri­va e eles jo­ga­ram o car­ro em um mi­lha­ral. O pes­so­al do Gol viu o que acon­te­ceu, li­gou o pis­ca aler­ta e saiu em dis­pa­ra­da por uma mar­gi­nal”, re­la­ta.

O se­tor em Ma­rin­gá não tem nú­me­ros ofi­ci­ais so­bre o au­men­to da de­man­da pe­los ser­vi­ços de es­col­ta. Ho­je, as em­pre­sas co­bram cer­ca de R$ 2 mil pa­ra acom­pa­nhar com­boi­os até São Pau­lo. Com a es­ca­la­da da vi­o­lên­cia, um se­tor que até pou­co tem­po se li­mi­ta­va a vi­gi­ar pá­ti­os de em­pre­sas já sa­be quais se­rão os pró­xi­mos pas­sos. “Es­se ano já fo­mos pro­cu­ra­dos por cin­co em­pre­sá­ri­os, to­dos atrás do ser­vi­ço de se­gu­ran­ça VIP”, diz Santos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.