Co­man­dam

FO­LIA Ban­das Lo­bex e Fat­to Ra­ro o Sam­ba na Pra­ça, bai­les de car­na­val que co­me­çam ama­nhã e vão até a ter­ça-fei­ra

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com Es­tra­nho sa­ber que uma ban­da de pop rock vai se pro­por a em­ba­lar o car­na­val de rua da ci­da­de. Ro­bert­som Qu­e­me­lo, vo­ca­lis­ta da ban­da Lo­bex, ten­ta tran­qui­li­zar, ga­ran­tin­do que, des­ta vez, não vão fa­zer co­vers de Su­per­tramp, YES, Kil­lers, Pa­ra­la­mas, Titãs e mui­to me­nos ar­ris­car al­gu­ma coi­sa da pró­pria au­to­ria.

O gru­po tem a sé­ria in­cum­bên­cia de ani­mar os fo­liões no Con­jun­to Borba Ga­to, no Jar­dim Uni­ver­so, Con­jun­to Ma­drid e no dis­tri­to de Flo­ri­a­no can­tan­do clás­si­cos dos car­na­vais de ou­tro­ra co­mo “Ma­mãe eu que­ro” e até man­dan­do bra­sa em sam­bas en­re­do .

Qu­em tam­bém vai ani­mar a fes­ta do Sam­ba na Pra­ça – que co­me­ça ama­nhã e vai até ter­ça-fei­ra - é a ban­da Fat­to Ra­to. Tam­bém ma­rin­ga­en­se, a Fat­to vai le­van­tar o âni­mo da ra­pa­zi­a­da do Jar­dim Re­quião, Her­mann Mo­ra­es, Con­jun­to Cham­pag­nat e do dis­tri­to de Igua­te­mi. Ao to­do, se­rão oi­to bai­les, sem­pre às 16h.

A Se­cre­tá­ria de Cul­tu­ra pro­mo­ve ho­je à tar­de um en­saio com os dois gru­pos no te­a­tro Ca­lil Had­dad. Se­gun­do o se­cre­tá­rio Jo­vi Bar­bo­za, a har­mo­nia en­tre os mú­si­cos e a qua­li­da­de vo­cal e ins­tru­men­tal fo­ram al­guns dos cri­té­ri­os uti­li­za­dos na es­co­lha das ban­das.

Es­ta se­rá a pri­mei­ra vez que a Lo­bex to­ca­rá mar­chi­nhas car­na­va­les­cas. En­tu­si­as­ma­do, Qu­e­me­lo con­ta que a ex­pe­ri­ên­cia dos in­te­gran­tes aju­da mui­to quan­do o as­sun­to é va­ri­ar os rit­mos. “Nos­sos mú­si­cos têm mais de dez anos de es­tra­da. Vá­ri­os já tra­ba­lha­ram em fes­tas de for­ma­tu­ra e ca­sa­men­tos. Ge­ral­men­te, nes­ses even­tos as ban­das to­cam des­de rock dos anos 60 até ser­ta­ne­jo. En­tão, eles sa­bem to­car qual­quer ti­po de som. A mar­chi­nha não é tão di­fe­ren­te”, acre­di­ta.

Pa­ra fa­zer ain­da mais bo­ni­to, Qu­e­me­lo con­vi­dou mais cin­co mú­si­cos pa­ra acom­pa­nhar a ban­da. Além de Ro­bert­som Qu­e­me­lo no vo­cal, Ro­dri­go Gu­a­lhar­di na gui­tar­ra, Gil­ber­to Gi­ba no bai­xo, Pau­lo Piu na ba­te­ria e André no te­cla­do, es­ta­rão Clau­di­nho na per­cus­são, Zé Luiz no sax, Emer­som no trom­bo­ne, Le­an­dro no trom­pe­te e De­ni­se no vo­cal. “Nos trei­nos, per­ce­be­mos que es­ta­vam fal­tan­do me­tais de apoio. Es­tá sen­do uma ex­pe­ri­ên­cia no­va pa­ra a ban­da, qu­e­re­mos que o pú­bli­co gos­te, por is­so a pre­o­cu­pa­ção com os de­ta­lhes.”

Es­sa an­si­e­da­de em es­tar sem­pre apri­mo­ran­do o tra­ba­lho cres­ceu depois que o Lo­bex lan­çou seu pri­mei­ro CD, “Al­go ines­pe­ra­do”, com 14 mú­si­cas que mis­tu­ram le­tras ro­mân­ti­cas e rock. Em ju­lho do mes­mo ano, a ban­da te­ve sua ver­são da mú­si­ca “La­ta Ve­lha” to­ca­da no qua­dro de mes­mo no­me no pro­gra­ma “Cal­dei­rão do Huck”, apre­sen­ta­do aos sá­ba­dos na Glo­bo por Lu­ci­a­no Huck.

Pa­ra os fãs do som pe­sa­do da ban­da Lo­bex, Qu­e­me­lo avi­sa que par­ti­ci­par do Sam­ba na Pra­ça não sig­ni­fi­ca aban­do­nar o rock n’ roll. “Nos úl­ti­mos três anos, nos­sa agen­da es­tá igual à de du­pla ser­ta­ne­ja: lo­ta­da. Não fal­ta ser­vi­ço. Não qu­e­re­mos tro­car o nos­so pú­bli­co, mas acre­di­to que to­can­do no Sam­ba na Pra­ça va­mos ga­nhar vi­si­bi­li­da­de e au­men­tar o le­que. Se so­brar uma bre­cha, a gen­te to­ca um som nos­so tam­bém”, brin­ca.

Pa­ra o vo­ca­lis­ta, par­ti­ci­pan­do do even­to, a ban­da tam­bém não cor­re o ris­co de an­ga­ri­ar de­sa­fe­tos en­tre os fãs. “Qu­em vai es­tar na pla­teia são fa­mí­li­as. Es­sa ga­le­ra que cur­te a Lo­bex não se­rá qu­em va­mos atin­gir nes­sas noi­tes. E, mes­mo se fos­se, não se sen­ti­ria in­co­mo­da­do por­que as mar­chi­nhas são mú­si­cas que to­das as pes­so­as apren­dem a gos­tar des­de cri­an­ça”, ex­pli­ca.

Luiz Car­los Ri­bei­ro da Sil­va, lí­der da ban­da Fat­to Ra­ro tam­bém con­cor­da com Qu­e­me­lo. Pa­ra ele, poder to­car rit­mos car­na­va­les­cos sig­ni­fi­ca aju­dar a res­ga­tar a tra­di­ção. “O di­fe­ren­ci­al do Sam­ba na Pra­ça é que, en­quan­to os bai­les de ou­tras ci­da­des são re­ga­dos a mú­si­cas de axé e funk, aqui, nós pre­ser­va­mos o que há de mais es­sen­ci­al no car­na­val.”

Ri­bei­ro es­pe­ra que os mo­ra­do­res dos bair­ros can­tem jun­to com o gru­po. “São mú­si­cas que as pes­so­as co­nhe­cem com in­ti­mi­da­de e sam­bas-en­re­dos que mar­ca­ram his­tó­ria. Acre­di­to que as pes­so­as de to­das as ida­des vão poder se di­ver­tir.”

A ban­da for­ma­da por Ri­bei­ro e a mu­lher Va­nes­sa Me­lha­do Bo­ti­on nos vo­cais, Thi­a­go na gui­tar­ra, Pau­lo na ba­te­ra, Ce­sar no bai­xo e Di­cel nos te­cla­dos, sur­giu há me­nos de qua­tro anos. “An­tes, era só eu e a Va­nes­sa. Cos­tu­má­va­mos can­tar em ca­sa­men­tos, for­ma­tu­ras e even­tos em ge­ral”, con­ta. Na épo­ca, o cantor fa­zia bi­co em ou­tras ban­das e che­gou a tra­ba­lhar no Car­na­val na pra­ça Ra­po­so Ta­va­res. Aos pou­cos, ele viu a vi­va­ci­da­de da fes­ta de Mo­mo de­sa­pa­re­cen­do na ci­da­de. “Foi per­den­do a for­ça, a ca­da dia um pú­bli­co me­nor se in­te­res­sa­va”, con­ta.

Ho­je o Car­na­val lo­cal se re­su­me ao pro­je­to da Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra e a al­guns pou­cos clu­bes que ain­da man­têm bai­les. O Sam­ba na Pra­ça, co­mo lem­bra a ex-se­cre­tá­ria de Cul­tu­ra Flor Du­ar­te, veio jus­ta­men­te pa­ra aten­der o in­te­res­se da po­pu­la­ção. “O pro­je­to sur­giu em 2005 por­que per­ce­be­mos que a po­pu­la­ção dos bair­ros não ti­nha mui­to aces­so aos bai­les e ti­ve­mos a ideia de fa­zer um Car­na­val fa­mi­li­ar. É uma fes­ta que aca­ba em um ho­rá­rio que, qu­em quer, po­de ir dor­mir. E co­mo acon­te­ce ape­nas uma vez em ca­da bair­ro não in­co­mo­da mui­to qu­em não gos­ta de Car­na­val”, diz Flor, ide­a­li­za­do­ra do Sam­ba na Pra­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.