Tom, à

Em “A Luz do Tom”, se­gun­do do­cu­men­tá­rio de Nel­son Pe­rei­ra dos Santos so­bre Tom Jo­bim, ir­mã e ex-es­po­sas fa­lam so­bre o ma­es­tro so­be­ra­no

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Em “A Mú­si­ca Se­gun­do Tom Jo­bim”, Nel­son Pe­rei­ra de Santos usa­va ape­nas a ar­te do ma­es­tro so­be­ra­no pa­ra mos­trar sua im­por­tân­cia pa­ra a cul­tu­ra bra­si­lei­ra e mun­di­al O fil­me era ima­gem e som. Nes­te “A Luz do Tom”, que en­tra em car­taz na sex­ta-fei­ra, qu­em com­ple­men­ta o re­tra­to do mú­si­co são três olha­res fe­mi­ni­nos mui­to es­pe­ci­ais: o da ir­mã, He­le­na Jo­bim, e os das ex-mu­lhe­res The­re­za Her­manny e Ana Lon­tra Jo­bim.

São elas que fa­lam de Tom na in­fân­cia e ju­ven­tu­de (He­le­na), no iní­cio e au­ge da car­rei­ra (The­re­za) e em sua fa­se ri­ca fi­nal (Ana Lon­tra). Três pon­tos de vis­ta fe­mi­ni­nos, que des­cre­vem mui­to bem a his­tó­ria do nos­so mais im­por­tan­te com­po­si­tor mo­der­no. A Tom de­ve­mos obras-pri­mas co­mo “Che­ga de Sau­da­de”, “De­sa­fi­na­do”, “Ma­ti­ta Pe­rê”, “Águas de Mar­ço”, en­tre mui­tas ou­tras obras que tor­na­ram nos­sa exis­tên­cia me­lhor, mais ins­pi­ra­da e ame­na. A Nel­son, de­ve­mos es­se re­tra­to em du­as fa­ces, que faz jus à gran­de fi­gu­ra de Tom.

Nel­son e Tom são ar­tis­tas de mes­mo por­te. Aos 84 anos, Nel­son é nos­so mais im­por­tan­te ci­ne­as­ta, pai do ci­ne­ma bra­si­lei­ro mo­der­no Em 1955, co­zi­nhou a ver­são bra­si­lei­ra do ne­or­re­a­lis­mo ita­li­a­no com o se­mi­nal “Rio 40 Graus”. O fil­me abriu ca­mi­nho pa­ra o nas­ci­men­to do Ci­ne­ma No­vo, mo­vi­men­to ao qual se in­cor­po­rou (“Fui co­op­ta­do”, brin­ca). Mem­bro do Par­ti­do Co­mu­nis­ta, fez for­te de­nún­cia da mi­sé­ria do Nor­des­te com “Vi­das Se­cas”, adap­ta­ção do ro­man­ce homô­ni­mo de Gra­ci­li­a­no Ra­mos.

Na épo­ca da di­ta­du­ra, dri­blou a cen­su­ra com fil­mes ale­gó­ri­cos co­mo “Qu­em É Be­ta? e “Co­mo Era Gos­to­so meu Fran­cês”. Di­ri­giu o fil­me da aber­tu­ra po­lí­ti­ca, “Me­mó­ri­as do Cár­ce­re”, tam­bém de Gra­ci­li­a­no, e adap­tou Jorge Ama­do (“Ju­bi­a­bá”, “Ten­da dos Mi­la­gres”). Do­cu­men­tou a vi­da de pen­sa­do­res fun­da­men­tais co­mo Sér­gio Bu­ar­que de Hol­lan­da e Gil­ber­to Frey­re e, por fim, che­gou a Tom Jo­bim. Elei­to em 2006 pa­ra a Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras, Nel­son sen­te-se fe­liz co­mo um ga­ro­to. E cheio de pla­nos, con­for­me con­tou no ba­te­pa­po di­ver­ti­do e in­for­mal com a re­por­ta­gem. Ele es­ta­va no sí­tio de­le com­pon­do Ma­ti­ta Pe­rê, que é uma mú­si­ca mui­to com­pli­ca­da e ti­nha em­pa­ca­do, não saía do lu­gar. En­tão foi fi­can­do can­sa­do, com rai­va, pe­gou o vi­o­lão, e co­me­çou a can­ta­ro­lar, “É pau, é pe­dra...” Sa­be por quê? Ele es­ta­va ir­ri­ta­do, ti­nha uma obra na es­tra­da do sí­tio, cheia de pau, pe­dra e la­ma, por­que cho­via mui­to. Vou fa­zer a ci­ne­bi­o­gra­fia de Dom Pe­dro II, a par­tir do li­vro do José Mu­ri­lo de Car­va­lho, co­le­ga de far­dão. Dom Pe­dro tem du­as li­nhas de me­mó­ria no ro­tei­ro: a pri­mei­ra, tudo o que foi fei­to pa­ra aca­bar com a escravidão do Bra­sil. A ou­tra li­nha é a re­cor­da­ção de uma mu­la­ta es­tu­pen­da, a Con­des­sa de Bar­ral, bai­a­na ca­sa­da com um con­de fran­cês. E que foi pre­cep­to­ra das fi­lhas de D. Pe­dro. Fiz dois fil­mes em co­pro­du­ção com a Fran­ça. Ti­ve al­guns con­vi- tes nos EUA. Uma vez me de­ram um ro­tei­ro, qua­se to­pei. Fil­me po­li­ci­al, um pi­a­nis­ta, apai­xo­na­do adi­vi­nhe por qu­em? Por Tom Jo­bim. O so­nho de­le era ir pa­ra o Rio e co­nhe­cer Ipa­ne­ma. Ro­tei­ro de um ame­ri­ca­no. Aí apa­re­ce a opor­tu­ni­da­de de ele em­bar­car co­mo mú­si­co num na­vio que vai pa­ra o Rio. Só que na vi­a­gem co­me­ça a ban­di­da­gem, ti­ro­teio, aque­las coi­sas. Caí fo­ra.

Co­mo é a vi­da de aca­dê­mi­co?

Ma­ra­vi­lha. A Aca­de­mia é mui­to harmô­ni­ca. É um gru­po bom, já de cer­ta ida­de, né (ri­sos)? Re­la­ções mui­to re­fi­na­das. Pa­po agra­dá­vel. Li­vros, po­e­sia, ro­man­ce. Fil­mes, etc. Eu dou gra­ças a Deus por es­tar lá, por­que saí do gue­to do ci­ne­ma. Nes­se gue­to, a con­ver­sa é mui­to cha­ta: leis de in­cen­ti­vo, o exi­bi­dor que não li­ga pa­ra nos­sos fil­mes, to­das as ques­tões po­lí­ti­cas do ci­ne­ma. Vol­tei a ler po­e­sia, que eu não lia des­de a Fa­cul­da­de do Lar­go São Francisco! Na ter­ça, tem uma pa­les­tra ou uma me­sa re­don­da às 17h30. Um ou dois aca­dê­mi­cos fa­zen­do pa­les­tra. Na quin­ta, é a reu­nião in­ter­na, das ques­tões da Aca­de­mia. Tem sem­pre uma efe­mé­ri­de, é mui­to in­te­res­san­te, com al­guém fa­lan­do so­bre um an­ti­go aca­dê­mi­co, sua obra, a im­por­tân­cia de­le. Uma pa­les­tra, se­gui­da de de­ba­te. Na sex­ta, eu fa­ço o ci­ne­clu­be. É bem di­ver­ti­do.

Divulgação

Nel­son Pe­rei­ra dos Santos: “Saí do gue­to do ci­ne­ma. É mui­to cha­to”

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.