Um re­tra­to mul­ti­fa­ce­ta­do do ar­tis­ta

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

NEL­SON PE­REI­RA DE SANTOS

A ideia ini­ci­al era fa­zer um fil­me, aca­ba­mos fa­zen­do dois, a mes­ma coi­sa que acon­te­ceu no ca­so do Sér­gio Bu­ar­que. Um pa­ra as idei­as, ou­tro pa­ra a vi­da ín­ti­ma. Com o Tom, um pa­ra a mú­si­ca, ou­tro pa­ra as pes­so­as que o co­nhe­ce­ram bem. En­tão eu pen­sei em três pes­so­as que vi­ve­ram a in­ti­mi­da­de do Tom. A ir­mã e as du­as es­po­sas, The­re­za e Ana Lon­tra. Nin­guém di­ga que não há ci­ne­ma em “A Luz do Tom”. Nel­son Pe­rei­ra de Santos co­me­ça ima­gens de Tom Jo­bim de um an­ti­go pro­gra­ma gra­va­do na TV Man­che­te. Ape­nas tre­chos, e mal­con­ser­va­dos de uma VHS do­més­ti­ca. Is­so por­que a emis­so­ra, já mal das per­nas, gra­vou qual­quer coi­sa por ci­ma do pro­gra­ma e tudo se per­deu. As ima­gens fo­ram ga­rim­pa­das por Nel­son da gra­va­ção do­més­ti­ca do jornalista Chi­co Pi­nhei­ro, que as ha­via con­ser­va­do.

A es­tas pri­mei­ras im­pres­sões nos­tál­gi­cas, se­gue-se uma pa­no­râ­mi­ca aé­rea de prai­as de­ser­tas, evo­can­do a bu­có­li­ca Ipa­ne­ma dos anos 30 e 40, quan­do não ha­via edi­fí­ci­os e pou­ca gen­te ia à praia. Fo­ram to­ma­das em Flo­ri­a­nó­po­lis. Re­gis­tro aé­reo, des­lum­bran­te, “do pon­to de vis­ta do uru­bu”, a ave que mais fas­ci­na­va Tom por cau­sa do seu voo ma­jes­to­so. Mui­ta mú­si­ca aqui tam- bém, mas des­ta vez en­tre­me­a­da por de­poi­men­tos. Da ir­mã, He­le­na Jo­bim, e das ex-mu­lhe­res The­re­za Her­manny e Ana Lon­tra.

In­fân­cia e ju­ven­tu­de

De He­le­na, as re­cor­da­ções de in­fân­cia e ju­ven­tu­de. Do ga­ro­tão da praia, que se des­co­bre pi­a­nis­ta e mú­si­co. Por in­ter­mé­dio de The­re­za, o fil­me evo­ca es­sa pri­mei­ra fa­se de cri­a­ção de Tom, a mais po­de­ro­sa, tal­vez. Ela con­ta a his­tó­ria do ca­sa­men­to, de co­mo um in­si­nu­an­te e jo­vem Tom Jo­bim, ain­da mais es­por­tis­ta do que mú­si­co, a abor­dou nu­ma praia e co­mo foi di­fí­cil le­var adi­an­te o na­mo­ro di­an­te de um pai con­ser­va­dor co­mo o de­la. Ca­sa­ram e fo­ram mo­rar na ca­sa da fa­mí­lia, sem­pre cheia de gen­te e de pa­ren­tes. Tom, em iní­cio de car­rei­ra, não ti­nha di­nhei­ro pa­ra alu­gar ca­sa pró­pria. Por is­so, quan­do já fa­mo­so, ele di­zia, sem­pre go­za- dor, que pre­ci­sa­va ga­nhar um di­nhei­ri­nho pa­ra pagar o alu­guel. Sa­bia do que es­ta­va fa­lan­do.

O de­poi­men­to de The­re­za é flu­en­te e in­te­res­san­te. Se­re­no, tam­bém Fa­la mui­to do la­do pes­so­al e es­cla­re­ce o mo­do de cri­a­ção de Tom De co­mo ele por ve­zes se es­que­cia de uma li­nha me­ló­di­ca sur­gi­da e ape­la­va pa­ra a me­mó­ria da es­po­sa. Ela ex­pli­ca que, pa­ra ele, me­lo­dia e har­mo­nia em ge­ral sur­gi­am jun­tas. E tam­bém de­sa­pa­re­ci­am da mes­ma for­ma. Co­mo a me­mó­ria de­la era mais pa­ra a me­lo­dia con­se­guia aju­dá­lo a se lem­brar. Con­ta tam­bém que bri­ga­va mui­to com al­guns par­cei­ros, co­mo New­ton Mendonça, mor­to pre­ma­tu­ra­men­te. “Mas co­mo o re­sul­ta­do era mui­to bom, com­pen­sa­va “En­tre ou­tras joi­as, os dois fi­ze­ram jun­tos “De­sa­fi­na­do” e “Sam­ba de Uma No­ta Só”. É pou­co?

Sem ter o en­can­to do fil­me an­te­ri­or, “A Luz do Tom” fun­ci­o­na co­mo um com­ple­men­to in­for­ma­ti­vo ao pri­mei­ro, to­tal­men­te sen­so­ri­al e emo­ti­vo. A ver­da­de é que as três mu­lhe­res con­cor­rem pa­ra for­mar o re­tra­to mul­ti­fa­ce­ta­do de Tom. De He­le­na, vem a in­fân­cia e os anos de for­ma­ção. De The­re­za, os pri­mei­ros anos co­mo mú­si­co, o es­tu­do ár­duo, e o su­ces­so re­pen­ti­no. E de Ana, o Tom da ma­tu­ri­da­de, e do con­ta­to apro­fun­da­do com a na­tu­re­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.