No­vo ano le­ti­vo: pla­ne­je so­lu­ções

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Um dos con­cei­tos de ava­li­a­ção é a aná­li­se. Ao se apli­car ava­li­a­ções no de­cor­rer do ano le­ti­vo, o pro­fes­sor pre­ci­sa ter cla­ro den­tro o que é re­al­men­te o ato de ava­li­ar, pois mui­to mais do que dar uma pro­va, a ava­li­a­ção é uma ex­ce­len­te fer­ra­men­ta pa­ra iden­ti­fi­car quais ações em sa­la de au­la­po­de­mou­não­ter­con­ti­nui­da­de.

Além dis­so, a ava­li­a­ção não po­de ser ape­nas tra­ta­da co­mo al­go des­ti­na­do so­men­te aos alu­nos, mas sim. Ao apli­car uma ava­li­a­ção, o pro­fes­sor­tam­bém­te­ma­o­por­tu­ni­da­de­de­re­ver­con­cei­tos e va­lo­res so­bre sua prá­ti­ca, en­quan­to pro­fis­si­o­nal com­pro­me­ti­do re­al­men­te com o bom de­sen­vol­vi­men­to­de­seu­sa­lu­nos.

É im­por­tan­te tam­bém com­pre­en­der­mos que a ava­li­a­ção não po­de ser en­ten­di­da ape­nas co­mo a apli­ca­ção de pro­vas no fi­nal de al­guns con­teú­dos tra­ba­lha­dos. Ela pre­ci­sa ser de­sen­vol­vi­da em to­do o mo­men­to da au­la, no de­cor­rer do ano le­ti­vo. Des­sa for­ma sem­pre se­rá pos­sí­vel a to­ma­da de de­ci­sões no bom di­re­ci­o­na­men­to de es­for­ços que vi­sam ao de­sen­vol­vi­men­to aca­dê­mi­co do alu­no, as­sim co­mo ao de­sen­vol­vi­men­to pro­fis­si­o­nal­do­pro­fes­sor.

É in­te­res­san­te re­fle­tir e cons­ta­tar que a ava­li­a­ção pre­ci­sa ocor­rer no co­me­ço, no meio e no fim. Em to­das es­sas fa­ses, as ava­li­a­ções são di­ag­nós­ti­cas, ou se­ja, ser­vem pa­ra di­ag­nos­ti­car o grau de co­nhe­ci­men­to dos alu­nos, as­sim co­mo se es­tão ou não apre­sen­tan­do al­gu­ma di­fi­cul­da­de na exe­cu­ção de al­gu­ma ta­re­fa ou da­qui­lo que se es­pe­ra de­les. E, não me­nos im­por­tan­te, as ava­li­a­ções ser­vem pa­ra bus­car o porquê de tais di­fi­cul­da­des e su­as ori­gens.

No co­me­ço, a ava­li­a­ção ser­ve pa­ra di­ag­nos­ti­car o ní­vel de ha­bi­li­da­de que um alu­no já tem e, a par­tir de en­tão, tra­çar pla­nos pa­ra me­lhor apro­vei­tar o co­nhe­ci­men­to pré­vio e fa­zê-los fru­ti­fi­car, de mo­do que o alu­no si­ga sem de­fi­ci­ên­ci­as e im­pe­di­men­tos os seus es­tu­dos. Con­vém lem­brar que não são ra­ras as ve­zes em que di­fi­cul­da­des de alu­nos na sa­la de au­la têm ori­gens no seu con­ví­vi­o­so­ci­a­le,tam­bém,noâm­bi­to­fa­mi­li­ar.

As ava­li­a­ções re­a­li­za­das no de­cor­rer do ano le­ti­vo são ex­ce­len­tes fer­ra­men­tas pa­ra o pro­fes­sor sa­ber se aqui­lo que pla­ne­jou e que es­tá exe­cu­tan­do es­tá ou não ob­ten­do bo­as res­pos­tas e se es­tá ou não ca­mi­nhan­do pa­ra atin­gir os ob­je­ti­vos tra­ça­dos.

Re­a­li­za­das no de­cor­rer das prá­ti­cas em sa­la de au­la, as ava­li­a­ções fa­zem o pro­fes­sor, mui­tas ve­zes, pen­sar num “pla­no b”, pois não são pou­cas as si­tu­a­ções em que o alu­no ob­tém me­lho­res ou pi­o­res re­sul­ta­dos do que se es­pe­ra­va de­le. Is­so é co­mum acon­te­cer por­que to­dos os alu­nos es­tão su­jei­tos a mu­dan­ças. Há ca­sos de alu­nos que ti­nham es­tí­mu­los po­si­ti­vos em ca­sa, co­mo o au­xí­lio de um en­te que­ri­do, e ao ve­rem-se sem tal es­tí­mu­lo sen­tem-se dis­per­sos, des­mo­ti­va­dos. Co­mo já sa­be­mos, tais fa­to­res in­flu­en­ci­am mui­to o ren­di­men­to do alu­no em sa­la de au­la.

As ava­li­a­ções no fi­nal do ano são a pro­va não ape­nas dos bons re­sul­ta­dos dos alu­nos, mas tam­bém de seus pro­fes­so­res e equi­pe pe­da­gó­gi­ca. Con­tu­do, co­mo es­ta­mos fri­san­do, a ava­li­a­ção fi­nal só te­rá bons re­sul­ta­dos se o pro­fes­sor for sen­sí­vel à ne­ces­si­da­de de es­tar sem­pre di­ag­nos­ti­can­do os im­pac­tos de su­as ações jun­to a seus alu­nos.

Co­mo per­ce­be­mos, não é só o as­pec­to aca­dê­mi­co que é iden­ti­fi­ca­do nos di­ag­nós­ti­cos do pro­fes­sor. Há tam­bém co­mo se iden­ti­fi­car pro­ble­mas ou so­lu­ções de pro­ble­mas na vi­da pes­so­al e fa­mi­li­ar do alu­no ou até mes­mo se ele es­tá ou não ten­do al­gum pro­ble­ma com seus co­le­gas em sa­la de au­la. Mui­tos dos in­su­ces­sos do alu­no po­dem ter ori­gens den­tro da pró­pria fa­mí­lia e/ou es­tar re­la­ci­o­na­dos ao mau con­ví­vio en­tre co­le­gas na es­co­la.

Des­sa for­ma, a ava­li­a­ção di­ag­nós­ti­ca, em qual­quer eta­pa, vi­sa ao aper­fei­ço­a­men­to dos alu­nos, pro­fes­so­res e equi­pe pe­da­gó­gi­ca e po­de, cer­ta­men­te, ter im­pac­tos mui­to po­si­ti­vos na vi­da aca­dê­mi­ca, fa­mi­li­ar e so­ci­al de ca­da um de nos­sos alu­nos. Nós, pro­fes­so­res, ao au­xi­li­ar na re­so­lu­ção de quais­quer con­fli­tos des­sa or­dem, te­re­mos um alu­no mui­to mais aber­to pa­ra­re­ce­be­re­cons­truir­seu­co­nhe­ci­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.