Pro­cu­ra de usuá­ri­os por aten­di­men­to cai 11%

Re­de de apoio for­ma­da pe­lo Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al - Ál­co­ol e Dro­gas e emer­gên­cia psi­quiá­tri­ca aten­deu 5.195 pes­so­as em 2012; mo­ti­vo se­ria a fal­ta de in­for­ma­ções

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Renato Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com O nú­me­ro de aten­di­men­tos a usuá­ri­os de dro­gas no Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al - Ál­co­ol e Dro­gas (Caps-AD) e na emer­gên­cia psi­quiá­tri­ca do Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Ma­rin­gá caiu 11% no ano pas­sa­do em com­pa­ra­ção com 2011.

Se­gun­do o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia, Flá­vio Vi­cen­te, a que­da na pro­cu­ra é pre­o­cu­pan­te e não re­fle­te a re­a­li­da­de, uma vez que “o pro­ble­ma das dro­gas não es­tá me­nor, pe­lo con­trá­rio; a ques­tão do crack es­tá ca­da vez mais gra­ve.”

“Nos­sa me­ta é re­ver­ter es­te qua­dro, re­a­li­zan­do par­ce­ri­as com qu­em aten­de os de­pen­den­tes quí­mi­cos. Va­mos ela­bo­rar car­ti­lhas edu­ca­ti­vas e ten­tar che­gar à raiz do pro­ble­ma. Es­sa é uma for­ma de tam­bém com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de”, dis­se.

De acor­do com Vi­cen­te, a que­da nos aten­di­men­tos é oca­si­o­na­da pe­la fal­ta de de­ba­te so­bre o as­sun­to no âm­bi­to fa­mi­li­ar. “A in­ten­ção é ten­tar acor­dar a so­ci­e­da­de pa­ra o diá­lo­go. Os pais não que­rem sa­ber do pro­ble­ma e não que­rem fa­lar so­bre o as­sun­to. E só se dão con­ta quan­do a ques­tão já es­tá nu­ma si­tu­a­ção ve­xa­tó­ria. Is­so pre­ci­sa mu­dar.”

Na ava­li­a­ção do se­cre­tá­rio, o en­ca­mi­nha­men­to vo­lun­tá­rio de pa­ci­en­tes tam­bém faz a es­ta­tís­ti­ca ser a ca­da ano me­nor, con­si­de­ran­do que mui­tos de­pen­den­tes fin­gem não es­tar do­en­tes.

Na opi­nião do di­re­tor do Pro­gra­ma Antidrogas de Ma­rin­gá, Alex Charles, a que­da na pro­cu­ra por aten­di­men­to é pre­o­cu­pan­te, mas de­ve ser en­ca­ra­da co­mo uma opor­tu­ni­da­de de au­men­tar o flu­xo de in­for­ma­ções e res­ga­tar qu­em não tem co­nhe­ci­men­to de que é pos­sí­vel ven­cer o ví­cio.

“Gos­ta­ria que a que­da es­ti­ves­se li­ga­da ao re­sul­ta­do das nos­sa ações. Mas o crack dei­xa a pes­soa à mar­gem da so­ci­e­da­de, lon­ge do emprego e da fa­mí­lia, e nós pre­ci­sa­mos tra­ba­lhar pa­ra che­gar a es­sas pes­so­as e ten­tar aten­dê-las.”

In­ter­na­ções

As co­mu­ni­da­des te­ra­pêu­ti­cas e o Hos­pi­tal Psi­quiá­tri­co de Ma­rin­gá pos­su­em 182 va­gas pa­ra in­ter­na­men­to de de­pen­den­tes quí­mi­cos e al­coó­la­tras. Des­te to­tal, a pre­fei­tu­ra dis­põe de 17 va­gas que ga­ran­tem tra­ta­men­to gra­tui­to. No en­tan­to, qua­tro es­tão oci­o­sas.

Em­bo­ra o nú­me­ro se­ja pe- que­no, Vi­cen­te en­fa­ti­za que pa­ra a cri­a­ção de mais lei­tos é ne­ces­sá­rio di­vul­gar que há va­gas dis­po­ní­veis pa­ra qu­em não tem con­di­ções de pagar por tra­ta­men­to. Depois de pre­en­chi­dos os lei­tos oci­o­sos se­ria pos­sí­vel au­men­tar a es­tru­tu­ra de aten­di­men­to.

Ar­qui­vo/dnp

Usuá­rio de crack no cen­tro de Ma­rin­gá; fal­ta de­ba­te so­bre o te­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.