John­ni­zi­nho paz e amor

No­vo di­re­tor do Te­a­tro Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo, John Nes­ch­ling de­fen­de cri­a­ção de pro­je­to de lon­go pra­zo e re­cu­sa en­trar em “po­lê­mi­cas va­zi­as”

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - João Luiz Sam­paio

Ma­es­tro, po­de­mos fa­zer uma fo­to aqui, no hall de en­tra­da? De jei­to ne­nhum. No pal­co, en­tão? Na pla­teia? Não, não. Al­gum mo­ti­vo em es­pe­ci­al? “Vo­cê já re­pa­rou que, de dez em dez me­ses, vem um ma­es­tro aqui e ti­ra fo­to na es­ca­da­ria ou no pal­co?”, in­da­ga John Nes­ch­ling, brin­can­do com a re­cen­te tro­ca su­ces­si­va de di­re­to­res do Te­a­tro Mu­ni­ci­pal, en­quan­to ca­mi­nha em di­re­ção ao res­tau­ran­te da ca­sa. “Não. Eu sen­to aqui e vo­cês me fo­to­gra­fam en­quan­to con­ver­so. As­sim fi­ca com mo­vi­men­to, na­da de fi­gu­ra mo­nár­qui­ca com a es­ca­da­ria ao fun­do”, com­ple­ta, ar­ru­man­do o guar­da­na­po no co­la­ri­nho. “Mo­vi­men­to e tra­ba­lho.”

Des­pa­cha­do co­mo de cos­tu­me, Nes­ch­ling es­tá ofi­ci­al­men­te de vol­ta a São Pau­lo des­de o co­me­ço da se­ma­na pas­sa­da. Na vi­ra­da do ano, quan­do foi con­vi­da­do pe­lo se­cre­tá­rio de Cul­tu­ra Ju­ca Fer­rei­ra pa­ra as­su­mir o Mu­ni­ci­pal, es­ta­va em Ber­lim. Na sequên­cia, vi­a­jou pa­ra a Itá­lia, on­de re­geu o “Ré­qui­em” de Ver­di em Lec­ce. Nes­se meio tem­po, diz, mon­tou a pri­mei­ra tem­po­ra­da da ca­sa sob seu co­man­do - se­te ópe­ras, vin­te e qua­tro con­cer­tos sinfô­ni­cos, sé­ri­es de câ­ma­ra, três no­vos ba­lés. “Fiz tudo em dez di­as. Mas que nin­guém fi­que es­pe­ran­do que a gen­te re­sol­va tudo ra­pi­da­men­te. Fui cha­ma­do aqui pa­ra re­con­cei­tu­ar o pa­ra­dig­ma do te­a­tro. Is­so não acon­te­ce de uma ho­ra pa­ra ou­tra.”

O pri­mei­ro com­pro­mis­so ofi­ci­al de Nes­ch­ling no pos­to acon­te­ceu no úl­ti­mo dia 30, quan­do ele reu­niu no pal­co do Mu­ni­ci­pal os ar­tis­tas dos cor­pos es­tá­veis - mú­si­cos da Sinfô­ni­ca Mu­ni­ci­pal, da Or­ques­tra Ex­pe­ri­men­tal de Re­per­tó­rio, do Co­ral Lí­ri­co Mu­ni­ci­pal, do Co­ral Pau­lis­ta­no, bai­la­ri­nos do Ba­lé da Ci­da­de e pro­fes­so­res das es­co­las de mú­si­ca e bai­la­do. Du­ran­te o dis­cur­so, foi in­ter­rom­pi­do três ve­zes por aplau­sos. O es­pí­ri­to oti­mis­ta dos ar­tis­tas ecoa a boa re­cep­ção do meio mu­si­cal bra­si­lei­ro à no­tí­cia da con­tra­ta­ção do ma­es­tro ou mes­mo ma­ni­fes­ta­ções da im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal. Em sua edi­ção de fe­ve­rei­ro, por exem­plo, a re­vis­ta fran­ce­sa “Di­a­pa­son” no­ti­cia a che­ga­da re­ple­ta de ex­pec­ta­ti­vas ao Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo do ma­es­tro que foi res­pon­sá­vel por “cons­truir a re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal da Osesp”, gru­po que di­ri­giu de 1997 a 2009. Com ní­veis diferentes de es­pe­ran­ça ou des­cré­di­to, é is­so que se es­pe­ra de­le - fa­zer, ago­ra no cam­po da ópe­ra, a re­vo­lu­ção que fez no mun­do sinfô­ni­co bra­si­lei­ro.

Mas o pró­prio ma­es­tro é cui­da­do­so com as com­pa­ra­ções. Na Osesp, co­me­çou pra­ti­ca­men­te do ze­ro e foi mon­tan­do aos pou­cos a es­tru­tu­ra que lhe pa­re­cia mais ade­qua­da ao tra­ba­lho. No Mu­ni­ci­pal, her­da uma es­tru­tu­ra no meio do ca­mi­nho, na qual so­bram de­sa­fi­os: a ins­ti­tui­ção de fa­to da fun­da­ção que vai re­ger o te­a­tro; a ne­ces­si­da­de de en­fren­tar a si­tu­a­ção tra­ba­lhis­ta pre­cá­ria dos ar­tis­tas e pro­fes­so­res; a fi­na­li­za­ção das obras da Pra­ça das Ar­tes, com­ple­xo que vai abri­gar as es­co­las, sa­las de en­saio e a ad­mi­nis­tra­ção do te­a­tro; e, na par­te ar­tís­ti­ca, a de­vo­lu­ção aos cor­pos es­tá­veis de uma con­sis­tên­cia de tra­ba­lho e de­sem­pe­nho, ain­da mui­to ir­re­gu­lar, ape­sar dos avan­ços das an­ti­gas ges­tões.

Na con­ver­sa do dia 30, agra­dou em es­pe­ci­al aos ar­tis­tas a ga­ran­tia de que Nes­ch­ling não fa­rá, co­mo acon­te­ceu no iní­cio de seu tra­ba­lho com a Osesp, au­di­ções ou re­a­va­li­a­ções in­ter­nas. Da mes­ma for­ma, ele pre­ten­de man­ter no car­go os di­re­to­res de ca­da um dos cor­pos es­tá­veis, co­mo o ma­es­tro Ja­mil Ma­luf, que co­man­da a Ex­pe­ri­men­tal de Re­per­tó­rio; ou Má­rio Va­lé­rio Zac­ca­ro, re­gen­te do Co­ral Lí­ri­co Mu­ni­ci­pal. “Não tem di­ta­dor aqui”, ele diz, fa­zen­do re­fe­rên­cia à fa­ma de du­rão. “O que tem é man­da­to. O pre­fei­to tem obri­ga­ção de as- su­mir a au­to­ri­da­de do man­da­to que lhe foi ou­tor­ga­do. O se­cre­tá­rio de Cul­tu­ra tam­bém. E o mes­mo va­le pa­ra o di­re­tor do Te­a­tro Mu­ni­ci­pal.”

Bem-hu­mo­ra­do, Nes­ch­ling re­fe­re-se a si mes­mo co­mo “Johnny­nho Paz e Amor”. É po­lí­ti­co ao fa­lar da ges­tão an­te­ri­or, não quer sa­ber de “po­lê­mi­cas va­zi­as”. “Her­da­mos fa­ci­li­da­des e di­fi­cul­da­des e va­mos par­tir da­qui, cons­truin­do um te­a­tro es­pe­ran­ço­so, re­ple­to de pes­so­as ta­len­to­sas à es­pe­ra de con- di­ções de de­sen­vol­ver um gran­de tra­ba­lho.” Mas, mes­mo cui­da­do­so, não dei­xa de ser con­tun­den­te. Con­fes­sa que che­gou a con­si­de­rar a pos­si­bi­li­da­de de fe­char o te­a­tro por um ano. E ex­pli­ca. “Não re­ce­be­mos uma es­tru­tu­ra to­tal­men­te pron­ta de tra­ba­lho, e is­so va­le pa­ra o te­a­tro e pa­ra a Pra­ça das Ar­tes, que ain­da não es­tá pron­ta co­mo mui­tos acham. E fal­ta no te­a­tro uma cul­tu­ra ins­ti­tu­ci­o­nal. O que exis­tia era a ló­gi­ca de even­tos, sem pre­o­cu­pa­ção com o lon­go pra­zo.

Divulgação

Nes­ch­ling: pri­mei­ra tem­po­ra­da mon­ta­da em ape­nas dez di­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.