Is­so é jor­na­lis­mo?

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

uma con­fu­são ao des­co­brir a ama­da na ca­ma com Pe­lé (não o jo­ga­dor, por ób­vio, mas um homô­ni­mo). Tra­tam-se de his­tó­ri­as que, a ri­gor, se­quer te­ri­am es­pa­ço na mí­dia tra­di­ci­o­nal, a não ser que apli­que­mos uma das va­ri­an­tes da no­ti­ci­a­bi­li­da­de, por uns co­nhe­ci­da co­mo bizarro. E é pre­ci­so des­ta­car que os si­tes no­ti­ci­o­sos que man­têm edi­to­ri­as com con­teú­dos bi­zar­ros ne­la re­ce­bem um vo­lu­me de aces­sos con­si­de­rá­vel. Mas não o bizarro em si, que na­da mais é que o fa­to ge­ra­dor do in­te­res­se em es­cre­ver so­bre o as­sun­to. É o tra­ta­men­to tex­tu­al da­do ao fa­to que en­ca­mi­nha a bom ter­mo seu con­su­mo pe­lo lei­tor. Há ca­sos em que nar­ra­ti­vas sé­ri­as e si­su­das não com­bi­nam com a no­tí­cia, dei­xam­na sem gra­ça, sem vi­da. A te­le­vi­são já des­co­briu is­so há mui­to tem­po, bas­ta ver a mu­dan­ça no tra­ta­men­to dos ro­tei­ros de ma­té­ri­as re­la­ti­vas ao es­por­te, por exem­plo. Usei os ter­mos “sé­rio” e “si­su­do”. É que, pa­ra ser sé­rio, vo­cê não pre­ci­sa ser si­su­do. E si­su­dos em ge­ral po­dem pas­sar uma im­pres­são de an­ti­pa­tia, ruim no jor­na­lis­mo em ge­ral e pés­si­mo no te­le­vi­si­vo. No jor­na­lis­mo im­pres­so, sal­vo ex­ce­ções, ain­da há al­gu­ma re­sis­tên­cia a tex­tos jor­na­lís­ti­cos irô­ni­cos, bem hu­mo­ra­dos, ou que se in­si­nu­em no ter­re­no da­qui­lo que é co­nhe­ci­do co­mo “jor­na­lis­mo li­te­rá­rio”. Já nos por­tais no­ti­ci­o­sos, o bu­ra­co é mais em­bai­xo. Per­ce­bo, quan­do lan­ça­mos uma re­por­ta­gem des­te ti­po no odi­a­rio.com, que es­se ma­te­ri­al aca­ba se tor­nan­do ra­pi­da­men­te um dos mais li­dos do dia, e se­gue ren­den­do lei­tu­ras à me­di­da que as re­des so­ci­ais am­pli­fi­cam sua po­tên­cia, com co­men­tá­ri­os e com­par­ti­lha­men­tos. A úni­ca jus­ti­fi­ca­ti­va que en­con­tro é que as pes­so­as con­ti­nu­am gos­tan­do de ler bo­as his­tó­ri­as, mes­mo que elas não mu­dem sua vi­da ou nos­sa so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Cla­ro que es­se re­cur­so é de di­fí­cil uti­li­za­ção, tan­to por for­ça de uma cer­ta “veia li­te­rá­ria” que pre­ci­sa ser des­per­ta­da no jornalista quan­to pe­lo cui­da­do em não fa­zer de al­go sa­zo­nal um re­mé­dio co­ti­di­a­no. As­sim, não fun­ci­o­na. O fa­to inu­si­ta­do se­rá per­ce­bi­do pe­lo jornalista co­mo pos­sí­vel de ser tra­ta­do de ma­nei­ra di­fe­ren­te da usu­al, e o lei­tor vai ex­pres­sar sua acei­ta­ção ou con­tra­ri­e­da­de, ao sa­bor das li­nhas es­cri­tas. E, pe­lo me­nos por en­quan­to, os lei­to­res es­tão mos­tran­do que que­rem e gos­tam des­sa for­ma de apre­sen­ta­ção do con­teú­do. Vi­va a plu­ra­li­da­de de nar­ra­ti­vas! ps.: as ma­té­ri­as aqui men­ci­o­na­das po­dem ser con­fe­ri­das no odi­a­rio.com, nos links: http://ma­rin­ga.odi­a­rio.com/po­li­cia/not icia/484411 e http://ma­rin­ga.odi­a­rio.com/po­li­cia/not icia/709654

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.