17,6 mil vão pa­ra a dí­vi­da ati­va

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com A Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Fa­zen­da ins­cre­veu es­te ano na dí­vi­da ati­va 17.658 ca­das­tros de con­tri­buin­tes que es­tão em dé­bi­to com o Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no (IPTU). As dí­vi­das são do ano pas­sa­do e so­mam R$ 14,5 mi­lhões, e jun­tam-se a ou­tros R$ 31 mi­lhões que es­ta­vam ins­cri­tos até 31 de de­zem­bro. No to­tal, o mu­ni­cí­pio cor­re atrás de R$ 45,5 mi­lhões e pre­vê re­ce­ber pe­lo me­nos R$ 13 mi­lhões de IPTU des­te ca­das­tro ain­da es­te ano.

Dos con­tri­buin­tes ins­cri­tos até o fi­nal do ano pas­sa­do, 4.342 fi­ze­ram a re­gu­la­ri­za­ção em ja­nei­ro, o que di­mi­nuiu o va­lor da dí­vi­da ati­va de R$ 32 mi­lhões pa­ra R$ 31 mi­lhões.

A ins­cri­ção é o pri­mei­ro pas­so pa­ra a exe­cu­ção ju­di­ci­al da dí­vi­da. O ge­ren­te de Re­cei­tas Não Tri­bu­tá­veis da Se­cre­ta­ria de Fa­zen­da, Már­cio Dou­glas Ris­sa­to Maia, acon­se­lha os con­tri­buin­tes a pro­cu­rar a pre­fei­tu­ra pa­ra ne­go­ci­ar ou qui­tar o dé­bi­to. “Ne­go­ci­an­do a dí­vi­da, evi­ta-se a exe­cu­ção na Jus­ti­ça e mais gas­tos com cus­tas pro­ces­su­ais”, ob­ser­va. O con­tri­buin­te que ti­ver in­te­res­se em re­gu­la­ri­zar a si­tu­a­ção do imó­vel tem vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des de ne­go­ci­a­ção com o mu­ni­cí­pio: po­de par- ce­lar o dé­bi­to em até 30 ve­zes ou qui­tá-lo em 12 ve­zes sem ju­ros.

Jus­ti­ça

Ca­so a dí­vi­da se­ja ajui­za­da, o con­tri­buin­te te­rá mais des­pe­sas além do va­lor im­pos­to co­bra­do pe­lo mu­ni­cí­pio. “Nes­se ca­so, ele te­rá que pagar pri­mei­ro as cus­tas pro­ces­su­ais e depois ne­go­ci­ar o dé­bi­to do im­pos­to com a pre­fei­tu­ra”, ex­pli­ca Maia.

As cus­tas pro­ces­su­ais va­ri­am, em mé­dia, de R$ 400 a R$ 1 mil. Além de fa­zer as ins­cri­ções, a Se­cre­ta­ria de Fa­zen­da tam­bém ajui­zou 1,6 mil ca­das­tros com dé­bi­tos de exer­cí­ci­os an­te­ri­o­res a 2012.

Em dia

Até ja­nei­ro, dos 135 mil ca­das­tros de IPTU lan­ça­dos pa­ra o atu­al É a fal­ta de pa­ga­men­to, por par­te do con­tri­buin­te, de im­pos­tos, ta­xas e con­tri­bui­ções de me­lho­ri­as depois de es­go­ta­do o pra­zo exer­cí­cio, 98 mil fo­ram pa­gos de for­ma in­te­gral com des­con­to de 15% ou par­ce­la­dos em 12 vzes. Is­so re­pre­sen­ta 72,59% do to­tal.

Até qu­ar­ta-fei­ra, a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal não ti­nha con­ta­bi­li­za­do os va­lo­res re­ce­bi­dos. Se pa­ra pa­ga­men­to. É uma co­bran­ça que o mu­ni­cí­pio faz de for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, sem in­ter­fe­rên­cia da Jus­ti­ça. Quan­do o mu­ni­cí­pio es­go­ta as pos­si­bi­li­da­de de re­co­lher os im­pos­tos, a dí­vi­da pas­sa a ser co­bra­da ju­di­ci­al­men­te. Is­so ocor­re após a ins­cri­ção do dé­bi­to na dí­vi­da ati­va do mu­ni­cí­pio. to­dos os con­tri­buin­tes pa­gas­sem em dia, o mu­ni­cí­pio ar­re­ca­da­ria R$ 122 mi­lhões por ano, só com IPTU. Qu­em ain­da não pa­gou o im­pos­to tem a chan­ce de qui­tá-lo com des­con­to de 10% até o dia 14 de fe­ve­rei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.