O adeus de

Pro­je­to Um Ou­tro Olhar exi­be “Ta­bu”, úl­ti­ma obra do di­re­tor ale­mão F.W. Mur­nau; um can­to à li­ber­da­de, Mur­nau morreu an­tes de ver o fil­me pron­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

No sá­ba­do pas­sa­do, o Pro­je­to Um Ou­tro Olhar exi­biu o es­plên­di­do fil­me “Ta­bu”, do por­tu­guês Miguel Go­mes, re­a­li­za­do em 2012 e que tra­zia na sua “car­ne” re­fe­rên­ci­as ex­plí­ci­tas ao gran­de clás­si­co homô­ni­mo do ale­mão F.W. Mur­nau (1888-1931), es­te re­a­li­za­do em 1931. Re­fe­rên­ci­as, no en­tan­to, trans­mu­da­das pa­ra um con­tex­to his­tó­ri­co dis­tin­to (no ca­so, o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês em Mo­çam­bi­que, nos anos 60), mas que in­di­ca­vam, de for­ma poé­ti­ca-po­lí­ti­ca, uma nos­tal­gia por um pa­raí­so na Ter­ra, on­de o amor se­ria pos­sí­vel, ao lar­go das con­tin­gên­ci­as his­tó­ri­co-so­ci­ais. É em no­me de um diá­lo­go en­tre pas­sa­do e pre­sen­te, que o Pro­je­to exi­be ho­je, pois, o “Ta­bu” de Mur­nau que, 80 anos depois, as­som­bra pe­la sua be­le­za, seus pro­ce- di­men­tos es­ti­lís­ti­cos e, prin­ci­pal­men­te, por aqui­lo que o fil­me de Miguel Go­mes enal­te­ce de for­ma ve­e­men­te, a li­ber­da­de. Mur­nau, no­me in­con­tor­ná­vel da his­tó­ria do ci­ne­ma, co­me­çou a fil­mar em 1919 e al­guns de seus pri­mei­ros fil­mes fa­zi­am par­te da cor­ren­te ex­pres­si­o­nis­ta. Em 1922, po­rém, em no­me da ação e não mais da es­ti­li­za­ção, re­a­li­za a sin­fo­nia do hor­ror cha­ma­da “Nos­fe­ra­tu”, con­si­de­ra­do o mais be­lo fil­me do ci­ne­ma mu­do e que, pa­ra mui­tos, pro­fe­ti­za­va o ad­ven­to do na­zis­mo.

Em 1924, uma no­va mu­dan­ça, des­ta vez pa­ra a cor­ren­te re­a­lis­ta cha­ma­da “Kam­mers­pi­el”, com o gran­di­o­so e ino­va­dor “A Úl­ti­ma Gar­ga­lha­da”. Três anos depois, es­ta­va na Amé­ri­ca e, lo­go de ca­ra, en­tre­gou ao mun­do aque­le que mui­tos con­si­de­ram sua gran­de obra-pri­ma, “Aurora” – po­e­ma vi­su­al, to­do fil­ma­do em es­tú­dio, so­bre adul­té­rio e ciú­mes e com al­gu­mas ino­va­ções so­no­ras mar­can­tes. Depois de mais três fil­mes sob con­tra­to e opres­são dos pro­du­to­res, par­tiu em di­re­ção ao Tahi­ti, com a aju­da do ami­go Ro­bert Flaherty (de “Na­no­ok, O Es­qui­mó”), em sua úl­ti­ma “vi­a­gem”, pa­ra re­a­li­zar ”Ta­bu” – que não che­ga­ria a ver em es­treia, mor­ren­do num aci­den­te de car­ro al­guns di­as an­tes.

“Ta­bu” é uma sin­fo­nia so­bre a nos­tal­gia da na­tu­re­za, “uma gran­di­o­sa me­lo­peia do cor­po” (co­mo dis­se Lot­te H. Eis­ner) e, ain­da, um fil­me que se fi­xa em pro­ce­di­men­tos, cu­jo pac­to com o li­ris­mo de seu te­ma, jus­ti­fi- ca a per­ma­nên­cia do mu­do di­an­te de ima­gens que re­me­tem a uma “na­tu­re­za fí­si­ca ino­cen­te, a uma vi­da ime­di­a­ta que não pre­ci­sa da lin­gua­gem” (se­gun­do o es­tu­di­o­so Louis Au­di­bert). Fil­ma­do com na­ti­vos de Bora-Bora, “Ta­bu” nar­ra o nas­ci­men­to do amor en­tre Ma­tahi e Re­ri, na­ti­vos de uma ilha. Con­tu­do, uma em­bar­ca­ção che­ga tra­zen­do o lí­der es­pi­ri­tu­al Hi­tu que es­co­lhe Re­ri pa­ra ser uma ves­tal, virgem con­sa­gra­da aos deuses e sím­bo­lo da hon­ra da al­deia.

Por is­so, na sua no­va con­di­ção, Re­ri se­rá Ta­bu, e não po­de­rá ser de­se­ja­da e nem to­ca­da pe­los ho­mens, sob pe­na de mor­te. Se­guem-se os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra uma fes­ta, com Re­ri cho­ran­do nos bra­ços da mãe e Ma­tahi in­con­for­ma­do e so­li­tá­rio na sua ca­ba­na. Tar­de da noi­te, com Re­ri jun­to com o lí­der Hi­tu no gran­de bar­co, Ma­tahi con­se­gue rap­tá-la e le­vá-a pa­ra ou­tra ilha. Es­ta pri­mei­ra par­te cha­ma-se “Pa­raí­so”. Na se­gun­da par­te, “O Pa­raí­so Per­di­do”, Ma­tahi tor­na-se um exí­mio mer­gu­lha­dor e che­ga mes­mo a en­con­trar uma tão cobiçada pé­ro­la. Na sua ino­cên­cia, en­tre­tan­to, e sem en­ten­der ao cer­to os me­ca­nis­mos que re­gem uma so­ci­e­da­de um pou­co mais, di­ga­mos, ci­vi­li­za­da, ele aca­ba se en- di­vi­dan­do com um co­mer­ci­an­te chi­nês. A som­bra de Hi­tu, to­da­via, pai­ra so­bre o ca­sal co­mo se fos­se o pró­prio des­ti­no. Com seu tom do­cu­men­tal (in­fluên­cia de Flaherty) e uma or­gia de ele­men­tos na­tu­rais (o sol, a areia, o mar, a lua) pon­tu­an­do to­da a ação, Mur­nau dei­xa­va de la­do o pe­so da cul­tu­ra ger­mâ­ni­ca pa­ra can­tar a li­ber­da­de. Foi um des­ses gê­ni­os a qu­em só po­dem ser in­di­fe­ren­tes qu­em não tem alma, di­ria Miguel Go­mes.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Divulgação

“Ta­bu”, de Mur­nau: sin­fo­nia so­bre a nos­tal­gia da na­tu­re­za, fil­me te­ve a co­la­bo­ra­ção de Ro­bert Flaherty

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.