Co­lom­bi­a­no cria com­pe­ten­te nar­ra­ti­va so­bre o narcotráfico

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Jo­ca Reiners Terron

Qua­se na­da re­sis­te à for­ça da gra­vi­da­de em “O Ruí­do das Coi­sas ao Cair”, e is­so não in­clui só ob­je­tos; den­tre aqui­lo que cai cer­ta­men­te não es­tá a cren­ça do lei­tor, que per­ma­ne­ce in­tac­ta até o fi­nal.

Com­pe­ten­te nar­ra­ti­va en­ce­na­da nas cir­cuns­tân­ci­as do sur­gi­men­to do narcotráfico no iní­cio dos anos 19 70, a lei­tu­ra do ro­man­ce do co­lom­bi­a­no Ju­an Ga­bri­el Vás­quez soa su­ges­ti­va ao ci­da­dão bra­si­lei­ro dos di­as atu­ais, pois ex­plo­ra efei­tos de um as­sas­si­na­to ocor­ri­do em fren­te a um bar do cen­tro de Bo­go­tá, no iní­cio de 1996.

An­to­nio Yam­ma­ra, o nar­ra- dor, era en­tão um jo­vem pro­fes­sor que pas­sa­va mo­men­tos de fol­ga num sa­lão de bilhar per­to da uni­ver­si­da­de.

Ali, apro­xi­ma-se do ex­pre­si­diá­rio Ricardo La­ver­de, pe­lo qual de­sen­vol­ve cu­ri­o­si­da­de an­tro­po­ló­gi­ca: enig­má­ti­co acer­ca de seu pas­sa­do e pre­sen­te, La­ver­de ter­mi­na por se tor­nar um ti­po de ami­go.

No en­tan­to, nu­ma tar­de em que al­gu­mas bar­rei­ras im­pos­tas pe­la dis­cri­ção cos­tu­mei­ra de La­ver­de co­me­ça­vam a cair, dis­pa­ros da­dos por um mo­to­quei­ro o ma­tam.

Anos depois, ain­da trau­ma­ti­za­do com o even­to, imer­so nu­ma crise pes­so­al, o pro­fes­sor re­sol­ve in­ves­ti­gar as cau­sas da mor­te de La­ver­de.

É aí que tem iní­cio a his­tó­ria: se­guin­do pas­sos de Elai­ne, ex-mu­lher de La­ver­de, ela tam­bém mor­ta num aci­den­te aé­reo, An­to­nio che­ga a Maya Fritss, fi­lha do ca­sal.

Am­bos se en­con­tram pa­ra jun­tos com­ple­ta­rem um que­bra­ca­be­ça que é a his­tó­ria de­les pró­pri­os, a dos nas­ci­dos na Colôm- bia nos anos 1970 e cres­ci­dos si­mul­ta­ne­a­men­te à len­da e à for­tu­na do tra­fi­can­te Pa­blo Es­co­bar.

A ori­gi­na­li­da­de do li­vro se de­ve à pers­pec­ti­va ín­ti­ma de Elai­ne Fritss, ado­ta­da pa­ra des­ve­lar um en­re­do co­nhe­ci­do do pú­bli­co atra­vés de tan­tos fil­mes. Nor­te-ame­ri­ca­na, vo­lun­tá­ria dos Cor­pos da Paz, ela se ca­sa com La­ver­de, cu­jo so­nho é ser pi­lo­to co­mer­ci­al.

Têm uma fi­lha, e den­tro des­sa con­for­ma­ção pe­que­no-bur­gue­sa e ide­o­ló­gi­ca de “au­xí­lio a paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to” nas­ce a opor­tu­ni­da­de, aos pou­cos com­pre­en­di­da por Elai­ne em sua in­ge­nui­da­de, de tra­fi­car co­caí­na.

Ame­a­ça­do pe­lo tom al­tis­so- nan­te em cer­tas pas­sa­gens, “O Ruí­do das Coi­sas ao Cair” não va­ci­la di­an­te da emo­ção e obri­ga o lei­tor a per­ma­ne­cer de olhos bem pos­tos na obra futura de Vás­quez.

é au­tor de “Do Fun­do do Po­ço se Vê a Lua” (Com­pa­nhia das Le­tras), en­tre ou­tros

Divulgação

Ju­an Ga­bri­el Vás­quez, au­tor de “O Ruí­do das Coi­sas ao Cair”: man­ten­do o lei­tor de olhos bem aber­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.