48% dos di­re­to­res re­la­tam trá­fi­co per­to de es­co­las

ES­CO­LAS ES­TA­DU­AIS Ou­tro da­do é que 14% dos di­ri­gen­tes já fla­gra­ram con­su­mo de dro­gas den­tro das ins­ti­tui­ções com alu­nos do 6º ao 9º ano do en­si­no fun­da­men­tal. Si­tu­a­ção pre­o­cu­pa edu­ca­do­res

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Pre­sen­te em pra­ti­ca­men­te to­dos os seg­men­tos da so­ci­e­da­de, as dro­gas es­tão ca­da vez mais pró­xi­mas das ins­ti­tui­ções de en­si­no. Da­dos ta­bu­la­dos pe­lo si­te QE­du – Edu­ca­ção em Fo­co, com in­for­ma­ções do cen­so es­co­lar e Pro­va Bra­sil de 2011 re­pas­sa­das por di­re­to­res de es­co­las es­ta­du­ais de 6º ao 9º ano do en­si­no fun­da­men­tal em Ma­rin­gá, mos­tram que 14% dos di­ri­gen­tes já tes­te­mu­nha­ram o con­su­mo de en­tor­pe­cen­tes nas de­pen­dên­ci­as dos co­lé­gi­os e 48% re­la­ta­ram que já vi­ram trá­fi­co de dro­gas nas pro­xi­mi­da­des.

Ao to­do, 69 di­re­to­res res­pon­de­ram ao qu­es­ti­o­ná­rio. As per­gun­tas são re­la­ci­o­na­das ao con­su­mo e trá­fi­co de en­tor­pe­cen­tes e con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas, den­tre ou­tras que abor­dam a qua­li­da­de da edu­ca­ção.

Com a con­di­ção de não ter o no­me re­ve­la­do, um des­ses di­re­to­res dis­se que fi­cou as­sus­ta­do ao pre­sen­ci­ar o con­su­mo de dro­gas per­to da es­co­la. “Per­ce- “Tra­ba­lha­mos em con­jun­to pa­ra com­ba­ter es­se pro­ble­ma (dro­gas). É uma si­tu­a­ção que nos pre­o­cu­pa mui­to” bi um gru­po de ado­les­cen­tes e sen­ti o chei­ro de ma­co­nha. Ao me apro­xi­mar, eles saí­ram. Vi que ha­via um ho­mem mai­or com eles. Quan­do ele per­ce­beu mi­nha pre­sen­ça tam­bém saiu. Fi­quei pre­o­cu­pa­do e ao mes­mo tem­po as­sus­ta­do com tudo aqui­lo”, co­men­tou.

Ape­sar do al­to ín­di­ce, os ca­sos re­la­ta­dos à As­so­ci­a­ção dos Pro­fes­so­res do Pa­ra­ná (APP – Sin­di­ca­to) em Ma­rin­gá não são al­tos. “Is­so ocor­re, mas não com tan­ta frequên­cia. Quan­do re­ce­be­mos qual­quer ti­po de quei­xa en­ca­mi­nha­mos a re­cla­ma­ção di­re­ta­men­te às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes. Tra­ba­lha­mos em con­jun­to pa­ra com­ba­ter es­se pro­ble­ma. É uma si­tu­a­ção que nos pre­o­cu­pa mui­to”, co­men­tou o di­re­tor da APP – Sin­di­ca­to, Luiz Car­los dos Santos.

A pes­qui­sa ques­ti­o­nou tam­bém se o di­re­tor já pre­sen­ci­ou alu­nos tra­fi­can­do den­tro da es­co­la. Pe­lo me­nos 12% dos di­ri­gen­tes res­pon­de­ram que sim. “Cri­a­mos uma co­mis­são pa­ra ser um ca­nal direto com as es­co­las. É um se­tor que te­mos pa­ra que o di­re­tor, pro­fes­sor ou fun­ci­o­ná­rio, nos co­mu­ni­que dis­so pa­ra que a gen­te pos­sa to­mar as pro­vi­dên­ci­as ne­ces­sá­ri­as”, ex­pli­cou a che­fe do Nú­cleo Re­gi­o­nal de Edu­ca­ção de Ma­rin­gá, Maria Inês Tei­xei­ra Bar­bo­sa.

“Te­mos uma re­la­ção mui­to po­si­ti­va com os de­mais ór­gãos de se­gu­ran­ça e da Jus­ti­ça que nos au­xi­lia mui­to no com­ba­te a es­se e ou­tros ti­pos de pro- ble­mas que ocor­rem nas es­co­las. Mas, en­ten­do que es­se pro­ble­ma é so­ci­al e de­ve con­tar com a par­ti­ci­pa­ção de to­dos. Os pais tam­bém de­vem es­tar mais pre­sen­tes e au­xi­li­ar nes­se com­ba­te”, com­ple­tou a pro­fes­so­ra que atua há mais de 40 anos na

área da edu­ca­ção.

Vol­ta às au­las

A re­de es­ta­du­al de en­si­no vol­ta às au­las no dia 14 de fe­ve­rei­ro. Na área do Nú­cleo Re­gi­o­nal de Edu­ca­ção de Ma­rin­gá, que abran­ge um to­tal de 25 mu­ni­cí­pi­os, apro­xi­ma­da­men­te 70 mil alu­nos es­tão ma­tri­cu­la­dos.

So­men­te nas es­co­las de Ma­rin­gá são qua­se 30 mil es­tu­dan­tes. O nú­me­ro não é exa­to por­que mui­tos alu­nos ain­da po­dem in­gres­sar.

“O que a gen­te es­pe­ra a ca­da iní­cio de um ano le­ti­vo é de que os pais par­ti­ci­pem mais das ati­vi­da­des e nos aju­de com os seus fi­lhos.” Pa­ra bus­car­mos uma edu­ca­ção de qua­li­da­de pa­ra nos­sos fi­lhos é pre­ci­so ter em men­te que o tri­pé fa­mí­lia-es­co­la-co­mu­ni­da­de é a ba­se de to­do o pro­ces­so. A so­ci­e­da­de mo­der­na im­põe que mais pes­so­as es­te­jam in­se­ri­das no mer­ca­do de tra­ba­lho. E pais e mães se ve­em às vol­tas com o de­sa­fio de bus­car re­cur­sos pa­ra ga­ran­tir uma vi­da dig­na, sem dei­xar de la­do a cri­a­ção dos fi­lhos. Tal­vez se­ja es­se o gran­de pro­ble­ma com o qual nos de­pa­ra­mos: é im­pe­ri­o­so que os pais acom­pa­nhem a vi­da es­co­lar dos fi­lhos. Co­mo es­tão su­as no­tas? Co­mo o alu­no es­tá em re­la­ção aos ob­je­ti­vos pro­pos­tos no pro­ces­so de en­si­no-apren­di­za­gem? Co­mo se re­la­ci­o­na com os co­le­gas, pro­fes­so­res e fun­ci­o­ná­ri­os da es­co­la? Quais são su­as di­fi­cul­da­des? É pos­sí­vel or­ga­ni­zar o es­cas­so tem­po de que dis­po­mos pa­ra trans­for­mar is­so nu­ma prá­xis diá­ria? Ca­be aos pais re­sol­ver es­sa equa­ção e, te­nham cer­te­za, o re­sul­ta­do se­rá bom pa­ra to­dos. O en­tor­no das es­co­las tam­bém é pro­ble­ma dos pais, reu­ni­dos na­qui­lo que cha­ma­mos de co­mu­ni­da­de. Co­brar dos ór­gãos pú­bli­cos me­di­das que tra­gam se­gu­ran­ça e fis­ca­li­zar a im­ple­men­ta­ção des­sas me­di­das são ta­re­fas de to­dos. Afi­nal de contas, aban­do­nar cri­an­ças e ado­les­cen­tes à pró­pria sor­te em qual­quer am­bi­en­te ou ati­vi­da­de, se­ja ela es­co­lar ou não, ge­ral­men­te aca­ba mal. E é a so­ci­e­da­de co­mo um to­do que vai so­frer – e já es­tá so­fren­do - as con­sequên­ci­as des­se de­sin­te­res­se.

Ar­qui­vo/dnp

Po­li­ci­a­men­to per­to de es­co­la em Ma­rin­gá; dro­gas ro­dei­am os es­tu­dan­tes, se­gun­do di­re­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.