Bra­sil é o se­gun­do país em ci­rur­gi­as plás­ti­cas

Só es­tá atrás dos Es­ta­dos Uni­dos. A li­po­as­pi­ra­ção é o pro­ce­di­men­to mais re­a­li­za­do, se­gui­do do au­men­to das ma­mas. Su­ces­so de­pen­de tam­bém da es­co­lha do mé­di­co

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

Com 905.124 pro­ce­di­men­tos re­a­li­za­dos em 2011, o Bra­sil ocu­pa o se­gun­do lu­gar no ran­king mun­di­al de ci­rur­gi­as plás­ti­cas, fi­can­do atrás ape­nas dos Es­ta­dos Uni­dos, cu­jo to­tal de pro­ce­di­men­tos na­que­le ano foi de 1.094.146. Os da­dos – re­fe­ren­tes ao ano de 2011- fo­ram di­vul­ga­dos em ja­nei­ro e cons­tam de uma pes­qui­sa iné­di­ta fei­ta pe­la So­ci­e­da­de In­ter­na­ci­o­nal de Ci­rur­gia Plás­ti­ca Es­té­ti­ca (Isaps) em con­jun­to com a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Ci­rur­gia Plás­ti­ca (SBCP).

Em re­la­ção à pre­fe­rên­cia, a li­po­as­pi­ra­ção apa­re­ce no to­po da lis­ta no Bra­sil. Em 2011, fo­ram 211.108 ope­ra­ções, cres­ci­men­to de 130% des­de 2007. Es­se ti­po de ci­rur­gia fi­cou à fren­te da ope­ra­ção de im­plan­te de si­li­co­ne – que te­ve em 2011 148.962 pro­ce­di­men­tos. Em 2007, a ma­mo­plas­tia de au­men­to era lí­der no ran­king, com 96.300 ope­ra­ções. Na­que­le ano, o to­tal de li­po­as­pi­ra­ções foi de 91.800.

Em se­gui­da na lis­ta apa­re­ce a ma­mo­plas­tia/pe­xia, que re­po­si­ci­o­na a aréo­la e o te­ci­do ma­má­rio, re­mo­ven­do o ex­ces­so de pe­le e com­pri­min­do o te­ci­do pa­ra com­por o no­vo con­tor­no da ma­ma. No to­tal, fo­ram 131.377 pro­ce­di­men­tos. Na sequên­cia es­tá a ab­do­mi­no­plas­tia (95 mil) e ble­fa­ro­plas­tia (90 mil) – re­ti­ra­da de ex­ces­so de pe­le nas pál­pe­bras, que re­gis­trou au­men­to de 119% en­tre 2007 e 2011.

Ran­king

Se­gun­do o ci­rur­gião plás­ti­co Már­cio Moreira, a vi­ce-li­de­ran­ça se jus­ti­fi­ca por ser um país tro­pi­cal, com gran­de ex­po­si­ção do cor­po. “O Bra­sil es­tá em ple­no de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­conô­mi­co e cul­tu­ral. Pa­ra acom­pa­nhar es­se cres­ci­men­to, a ima­gem me­lho­ra­da é uma exi­gên­cia do mer­ca­do. Além dis­so, tem (País) os me­lho­res ci­rur­giões plás­ti­cos do mun­do”.

Já a li­de­ran­ça da li­po­as­pi­ra­ção, ele atri­bui ao fa­to de ser um pro­ce­di­men­to que me­lho­ra sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o con­tor­no cor­po­ral, não dei­xa ci­ca­tri­zes e tem um cur­to pe­río­do de re­cu­pe­ra­ção. “Mas as du­as ci­rur­gi­as (li­po­as­pi­ra­ção e im­plan­te de si­li­co­ne) vêm se al­ter­nan­do co­mo as cam­peãs, não só no Bra­sil, mas em to­do o mun­do nos úl­ti­mos anos, já que o im­plan­te de si­li­co­ne tam­bém pro­por­ci­o­na um óti­mo re­sul­ta­do”.

Moreira pon­tua que os ho­mens têm ca­da vez mais pro­cu­ra­do as ci­rur­gi­as plás­ti­cas, em no­me do bem-es­tar. “O ho­mem tem bus­ca­do ci­rur- gi­as de con­tor­no cor­po­ral, prin­ci­pal­men­te li­po­as­pi­ra­ção e gi­ne­co­mas­tia (cor­re­ção das glân­du­las ma­má­ri­as) e ci­rur­gi­as fa­ci­ais, co­mo cor­re­ção das pál­pe­bras, ri­no­plas­tia e cor­re­ção das ore­lhas. Na nos­sa re­gião, a po­pu­la­ção mas­cu­li­na tam­bém tem bus­ca­do os pro­ce­di­men­tos. Ho­je, a ca­da se­te mu­lhe­res, vem um ho­mem na clí­ni­ca. Na dé­ca­da de 90 era 20 mu­lhe­res pa­ra ca­da ho­mem, e nos anos 2000, 13 pa­ra ca­da ho­mem”

Cau­te­la

As ci­rur­gi­as plás­ti­cas, se­jam es­té­ti­cas ou re­pa­ra­do­ras, po­dem me­lho­rar a vi­da ou cau­sar pro­ble­mas a qu­em pas­sa pe­lo pro­ce­di­men­to, ca­so as al­ter­na­ti­vas não se­jam es­tu­da­das com cri­té­rio. É fun­da­men­tal es­co­lher um pro­fis­si­o­nal ca­das­tra­do na So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Ci­rur­gia Plás­ti­ca (SBCP) – a pes­qui­sa po­de ser fei­ta pe­lo si­te do ór­gão. Va­le tam­bém con­ver­sar com pa­ci­en­tes que já pas­sa­ram pe­la mes­ma in­ter­ven­ção.

O ci­rur­gião plás­ti­co Már­cio Moreira ex­pli­ca que uma pe­que­na por­ção dos pro­fis­si­o­nais não in­for­ma ade­qua­da­men­te os ris­cos e li­mi­ta­ções dos pro­ce­di­men­tos, de olho prin­ci­pal­men­te nos lu­cros. “O mé­di­co que tem pres­sa em ope­rar, e que diz que tudo é mui­to sim­ples, po­de se tor­nar um ris­co pa­ra o pa­ci­en­te”.

Se­gun­do ele, exis­tem inú­me­ras ques­tões de saú­de fí­si­ca e men­tal que de­vem ser ava­li­a­das. A his­tó­ria clí­ni­ca, que in­clui do­en­ças pre­e­xis­ten­tes, uti­li­za­ção de re­mé­di­os ou vi­ta­mi­nas, hormô­ni­os, obe­si­da­de, ta­ba­gis­mo, di­a­be­tes e vá­ri­as ou­tras ques­tões, de­ve ser cui­da­do­sa­men­te ava­li­a­da pe­lo ci­rur­gião e equi­pe.

“Além dis­so, o mé­di­co de­ve ser pru­den­te e cui­da­do­so su­fi­ci­en­te pa­ra di­zer não às gran­des re­for­mas, ou se­ja, evi­tar múl­ti­plas as­so­ci­a­ções na mes­ma ci­rur­gia, a exem­plo de fa­zer ci­rur­gia de ma­ma, mais ab­do­me, li­po e glú­teo. O mo­ti­vo é que, quan­to mai­or a ci­rur­gia, mais tem­po de anes­te­sia e mai­o­res os ris­cos”. Ele tam­bém des­ta­ca a im­por­tân­cia de o pa­ci­en­te man­ter o pé no chão, e não achar que a ci­rur­gia se­rá mi­la­gro­sa.“Is­so é mui­to pe­ri­go­so por­que po­de ge­rar de­pres­são, an­gús­tia e rai­va, além de de­sa­ven­ças en­tre o pa­ci­en­te e o mé­di­co”.

Va­leu a pe­na

A aten­den­te Mi­che­le Cris­ti­na Ma­cha­do, 23, re­a­li­zou, há qua­se um ano, o so­nho de au­men­tar os sei­os. “Eu ema­gre­ci mui­to por con­ta da re­du­ção de estô­ma­go. En­tão meus sei­os di­mi­nuí­ram por cau­sa da per­da de gor­du­ra e fi­ca­ram flá­ci­dos e caí­dos. Va­leu a pe­na e ago­ra es­tou me sen­tin­do mui­to bem”.

Na ho­ra de es­co­lher o pro­fis­si­o­nal, Mi­che­le bus­cou in­di­ca­ções e não se ar­re­pen­deu. “Fui em dois mé­di­cos. As pes­so­as que co­nhe­ço que ope­ra­ram com ele fi­ca­ram mui­to sa­tis­fei­tas. Ele tam­bém me in­cen­ti­vou mais e foi bem éti­co. A re­cu­pe­ra­ção foi tran­qui­la e sen­ti dor só nos dois pri­mei­ros di­as”.

A jornalista Aman­da Freitas, 32, pas­sou no ano pas­sa­do pe­lo mes­mo pro­ce­di­men­to. “Va­leu a pe­na por­que é uma ques­tão de au­to­es­ti­ma”.

Pa­ra en­trar se­gu­ra na sa­la de ope­ra­ção, ela pas­sou por di­ver­sos pro­fis­si­o­nais an­tes de se de­ci­dir. “Que­ria ou­vir opi­niões diferentes. Me de­ci­di pe­lo mé­di­co so­bre o qual ti­nha co­nhe­ci­men­to da for­ma­ção, e tam­bém por­que ele me dei­xou mui­to se­gu­ra quan­to à re­cu­pe­ra­ção. O mé­di­co de­ve de­mons­trar pre­o­cu­pa­ção com o seu es­ta­do clí­ni­co e não ape­nas com a von­ta­de de ope­rar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.