Em Ma­rin­gá, fal­tam cri­an­ças pa­ra fa­mí­li­as aco­lhe­do­ras

Pro­gra­ma do go­ver­no fe­de­ral aten­de me­no­res en­ca­mi­nha­dos pe­la Jus­ti­ça. Na ci­da­de, ho­je se­te cri­an­ças pas­sam pe­lo con­vê­nio sen­do que 15 fa­mí­li­as es­tão ca­das­tra­das

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Há dois anos, a ro­ti­na de uma pe­da­go­ga apo­sen­ta­da de 69 anos mu­dou com­ple­ta­men­te. Por me­di­das de se­gu­ran­ça, ela prefere não ser iden­ti­fi­ca­da. Pou­co tem­po depois de es­tar ap­ta no Pro­gra­ma Fa­mí­lia Aco­lhe­do­ra, re­ce­beu em ca­sa um be­bê de ape­nas 8 me­ses. Des­de en­tão, o me­ni­no faz par­te do dia a dia da fa­mí­lia. A mu­lher mo­ra com a fi­lha e mãe, que es­tá com 88 anos. “Ele mu­dou a nos­sa vi­da e ho­je é uma ale­gria poder aco­lhê-lo. É uma cri­an­ça mui­to es­per­ta”, diz.

Atu­al­men­te, se­te cri­an­ças vi­vem nes­sas con­di­ções, se­gun­do a Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia (Sasc) de Ma- rin­gá. Um nú­me­ro con­si­de­ra­do bai­xo, já que há mais fa­mí­li­as aco­lhe­do­ras do que cri­an­ças pa­ra se­rem aco­lhi­das. “Te­mos em tor­no de 15 fa­mí­li­as ap­tas a re­ce­ber cri­an­ças. É sem­pre bom, que mais se apre­sen­tem com es­se in­te­res­se, por­que es­se vo­lu­me va­ria bas­tan­te ao lon­go do ano”, diz o se­cre­tá­rio de as­sis­tên­cia so­ci­al de Ma­rin­gá, Flá­vio Vi­cen­te. Ano pas­sa­do, se­gun­do a Sasc, 12 cri­an­ças pas­sa­ram pe­lo pro­je­to.

Au­xí­lio

Co­mo o pro­gra­ma é fe­de­ral, a fa­mí­lia que aco­lhe re­ce­be um au­xí­lio men­sal de cer­ca de R$ 570. O li­mi­te é de, no má­xi­mo, du­as cri­an­ças por fa­mí­lia. “Pa­ra a fa­mí­lia tor­nar-se aco­lhe­do­ra, pre­ci­sa­mos dei­xar cla­ro que é pro­vi­só­rio. Mui­tas pes­so­as têm uma con­cep­ção equi­vo­ca­da, con­fun­din­do es­te ser­vi­ço com o pro­ces­so de ado­ção.”, res­sal­va a psi­có­lo­ga Na­tá­lia Yu­ka­ri Ma­no, do Lar Pre­ser­va­ção da Vi­da que de­sen- vol­ve o pro­je­to com a Sasc.

Pa­ra se ca­das­trar, a fa­mí­lia de­ve pro­cu­rar o Lar Pre­ser­va­ção da Vi­da ou o Cen­tro de Re­fe­rên­cia Es­pe­ci­a­li­za­do da As­sis­tên­cia So­ci­al (Cre­as). “Uma das pri­mei­ras exi­gên­ci­as é que es­ta fa­mí­lia não es­te­ja no Ca­das­tro Na­ci­o­nal de Ado­ção, pa­ra que a for­ma­ção de vín­cu­los não in­ter­fi­ra nos en­ca­mi­nha­men­tos do ca­so. Es­tes aler­tas já são da­dos no mo­men­to que uma fa­mí­lia nos pro­cu­ra. Após is­so, re­a­li­za­mos um pré­ca­das­tro pa­ra que pos­sa­mos en­trar em con­ta­to pa­ra pró­xi­ma eta­pa, que é a ca­pa­ci­ta­ção”, diz.

As eta­pas se­guin­tes são de en­con­tros, en­tre­ga de do­cu­men­tos (co­mo cer­ti­dões de an­te­ce­den­tes cri­mi­nais, com­pro­van­te de en­de­re­ço e ren­da), ates­ta­dos de saú­de fí­si­ca, além das vi­si­tas do­mi­ci­li­a­res fei­tas pe­las equi­pes téc­ni­cas ap­tas a re­a­li­za­rem a ser­vi­ço.

“São en­ca­mi­nha­das à fa­mí­lia aco­lhe­do­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes afas­ta­das do seu con­ví­vio fa­mi­li­ar, pe­lo Con­se­lho Tu­te­lar ou Poder Ju­di­ciá­rio, por te­rem si­do aban­do­na­das, so­fri­do abu­so, vi­o­lên­cia ou ne­gli­gên­cia, pais usuá­ri­os dis­fun­ci­o­nais de subs­tân­ci­as psi­co­a­ti­vas, en­tre ou­tros”, afir­ma a psi­có­lo­ga.

Amor

Pa­ra a pe­da­go­ga que aco­lheu a cri­an­ça, es­tá bem cla­ro que, em bre­ve, o me­ni­no vai dei­xar a ca­sa. “Nem por is­so, dei­xa­mos de amar e dar ca­ri­nho a ele. Te­nho uma me­ni­na que ado­tei e ti­ve ou­tros três fi­lhos bi­o­ló­gi­cos. To­dos me apoi­am mui­to nes­se tra­ba­lho”, co­men­tou. A pe­da­go­ga, já re­ce­beu, des­de que foi cre­den­ci­a­da pe­lo pro­gra­ma, 11 cri­an­ças.

Mes­mo aos 88 anos, a mãe da pe­da­go­ga es­ban­ja ca­ri­nho e aten­ção com a cri­an­ça. “Vol­tei do hos­pi­tal com a saú­de bem de­bi­li­ta­da. Co­mo pre­ci­sa­va fi­car mui­to tem­po dei­ta­da, fi­ca­va fa­zen­do ca­ri­nho ne­le, por­que ele era um be­bê. Aos pou­cos, me re­cu­pe­rei”, con­tou a ido­sa. Se­gun­do a fi­lha, os mé­di­cos dis­se­ram que ela não ti­nha mui­ta chan­ce de vol­tar a ter uma vi­da nor­mal.

João Miguel

Den­tre as si­tu­a­ções que uma cri­an­ça vai pa­rar em uma Fa­mí­lia Aco­lhe­do­ra es­tá o ca­so do pe­que­no João Miguel que foi en­con­tra­do no co­me­ço des­te ano em um bu­ei­ro, no Jar­dim No­vo Oá­sis em Ma­rin­gá. Pa­ra evi­tar ex­por ain­da mais a cri­an­ça, a jus­ti­ça re­co­men­dou que os da­dos des­ta fa­mí­lia fos­sem man­ti­dos em si­gi­lo. O me­ni­no que te­ve al­ta do hos­pi­tal no dia 21 de ja­nei­ro, per­ma­ne­ce aos cui­da­dos des­ta fa­mí­lia até que o pro­ces­so de ado­ção se­ja con­cluí­do. Não há um pra­zo de­fi­ni­do pa­ra que is­so acon­te­ça.

João Cláudio Fra­go­so

Apo­sen­ta­da ao la­do da cri­an­ça re­ce­bi­da em ca­sa por meio do Pro­gra­ma Fa­mí­lia Aco­lhe­do­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.