Mo­ral­le, a men­ti­ra que an­da sol­ta

Ou: o es­tra­nho ca­so do cantor que não can­ta e do com­po­si­tor que não com­põe. Ou: o ho­mem que pe­gou o CD de ou­tro, só mu­dou a ca­pa e os no­mes das mú­si­cas, e pas­sou a di­zer que era seu

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­lio Maria

Nel­son Mo­ral­le Ju­ni­or exis­te. É um ho­mem mo­re­no, ca­be­los gri­sa­lhos, es­ta­tu­ra mé­dia, aca­bou de com­prar um vi­o­lão e mo­ra com a mãe em uma ca­sa sim­ples nu­ma das prin­ci­pais ru­as de São Ro­que, no in­te­ri­or de São Pau­lo. Sua fa­la é bai­xa, seu olhar não va­ci­la e, não fos­se uma in­con­ti­nên­cia ver­bal que o faz re­pe­tir a fra­se “cê tá me en­ten­den­do?” quan­do apa­ren­ta ner­vo­sis­mo, se­ria um mes­tre da per­su­a­são. Nel­son Mo­ral­le exis­te, mas o mun­do que ha­bi­ta po­de ser uma as­sus­ta­do­ra obra de fic­ção.

A faís­ca que vi­rou fo­guei­ra nas re­des so­ci­ais cha­ma-se “Na­tu­ral­men­te Bra­si­lei­ro”, um CD lan­ça­do por ele em 2010. A ca­pa tem o ros­to e o no­me de Nel­son Mo­ral­le e o en­car­te traz uma lis­ta de 15 mú­si­cas, to­das cre­di­ta­das a ele co­mo com­po­si­tor. O no­me de Al­mir Sa­ter apa­re­ce co­mo “pro­du­tor e ar­ran­ja­dor” do ál­bum, além de par­cei­ro de Mo­ral­le na mú­si­ca “Vi­da de Vi­o­lei­ro”. Os lo­gos das em­pre­sas Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e Pe­tro­brás es­tão na con­tra­ca­pa, co­mo se fos­sem pa­tro­ci­na­do­ras do pro­je­to. Além do CD, o ma­te­ri­al traz um DVD com um do­cu­men­tá­rio cha­ma­do “Qui­lom­bo­las”. Foi com es­se ma­te­ri­al que Mo­ral­le se apre­sen­tou em ca­sas de show, pro­gra­mas de TV, deu en­tre­vis­tas a rá­di­os e ren­deu ma­té­ri­as em jor­nais. Ele afir­ma que fe­chou 2012 com 102 apre­sen­ta­ções, co­bran­do ca­chês que vão de R$ 1,5 mil a R$ 6 mil.

Em 2011, Mo­ral­le foi en­tre­vis­ta­do por An­to­nio Abu­jam­ra no pro­gra­ma Pro­vo­ca­ções, da TV Cul­tu­ra, co­mo lí­der de uma co­mu­ni­da­de qui­lom­bo­la de São Ro­que. Che­gou a ser apre­sen­ta­do por Abu­jam­ra co­mo exem­plo de su­pe­ra­ção, um ho­mem que apren­deu a ler e a es­cre­ver aos 35 anos. Em ou­tro pro­gra­ma, do Ca­nal Rural, é des­cri­to pe­la apre­sen­ta­do­ra co­mo “um mú­si­co com 30 anos de car­rei­ra que já tra­ba­lhou com Cla­ra Nunes, João Bos­co e Al­ceu Va­len­ça”. Uma tra­je­tó­ria per­fei­ta, se o mun­do não fos­se um pou­co me­nor do que Mo­ral­le ima­gi­nou.

A 832 quilô­me­tros de São Ro­que, em Mon­tes Cla­ros, Mi­nas Ge­rais, o cantor e com­po­si­tor Pe­dro Boi aten­dia cli­en­tes em seu bar quan­do um ami­go che­gou in­tri­ga­do: “Acho que ou­vi al­guém can­tan­do uma mú­si­ca sua lá no Re­ci­fe”. Um tem­po depois e Pe­dro, 59 anos e 35 de car­rei­ra, re­ce­beu de ou­tros ami­gos de São Pau­lo o CD com o no­me de Nel­son Mo­ral­le na ca­pa. Ao ou­vi-lo, seu co­ra­ção foi à bo­ca e seus ins­tin­tos pri­mi­ti­vos aflo­ra­ram. “Eu só que­ria matar aque­le mo­ço”, diz. As 15 mú­si­cas do dis­co “Na­tu­ral­men­te Bra­si­lei­ro” eram exa­ta­men­te as mes­mas gra­va­ções que es­ta­vam em seu ál­bum, “Pas­sa­rim”, lan­ça­do dois anos an­tes. Mais do que plá­gio, as can­ções que apa­re­ci­am no CD de Mo­ral­le, diz Pe­dro, ha­vi­am si­do “trans­fe­ri­das” pa­ra o dis­co de Nel­son. Ou se­ja, Nel­son es­ta­ria du­blan­do so­bre a voz do mi­nei­ro e as­su­min­do as au­to­ri­as de su­as can­ções, mu­dan­do ape­nas o tí­tu­lo de ca­da uma de­las no en­car­te do dis­co. “Ro­man­ce de Co­li­bri”, as­si­na­da por Pe­dro e seu par­cei­ro Braú­na, vi­ra­va “Co­li­bri Apai­xo­na­do”; “Sua Par­ce­ria” co­mo “Se­reia de Água Do­ce”; “Meu Ca­va­lo se Cha­ma Dis­co Vo­a­dor”, tam­bém de Pe­dro e Braú­na, ga­nha­va o no­me de “His­tó­ri­as de Pes­ca­dor”.

A sa­ga de co­mo as mú­si­cas do dis­co de Pe­dro che­ga­ram às mãos de Nel­son é con­ta­da pe­lo mi­nei­ro, que diz ter ho­je di­fi­cul­da­des pa­ra ou­vir o pró­prio dis­co. “Não con­si­go. Lo­go me vem à men­te o ros­to de­le e eu fi­co lou­co de rai­va.” Pe­dro nar­ra que, depois de co­nhe­cer su­as can­ções em um show em Porto Se­gu­ro, na Bahia, Nel­son li­gou pa­ra sua ca­sa pe­din­do uma có­pia de seu dis­co. Apre­sen­tou-se co­mo um fun­ci­o­ná­rio do Sesc que gos­ta­ria de agen­dar shows pa­ra o mú­si­co em São Pau­lo. Nel­son te­ria ain­da li­ga­do ou­tras ve­zes, pe­din­do o nú­me­ro do pro­to­co­lo dos Cor­rei­os pa­ra lo­ca­li­zar o dis­co. Pe­dro pas­sou os da­dos e es­pe­rou pe­la da­ta de show. “Ele nun­ca mais aten­deu aos meus te­le­fo­ne­mas”, diz Pe­dro.

A re­por­ta­gem foi pri­mei­ro atrás dos no­mes e das em­pre­sas ci­ta­das no en­car­te do dis­co de Nel­son Mo­ral­le. Al­mir Sa­ter se­ria mes­mo o pro­du­tor e ar­ran­ja­dor do CD, além de par­cei­ro de Mo­ral­le em uma das can­ções? “Eu? Nun­ca ou­vi fa­lar o no­me des­se ra­paz”, diz o vi­o­lei­ro. A Pe­tro­brás se­ria mes­mo uma das em­pre­sas pa­tro­ci­na­do­ras do pro­je­to, con­for­me in­di­ca a con­tra­ca­pa do dis­co? “Não en­con­tra­mos em nos­sos ar­qui­vos re­gis­tro de pa­tro­cí­nio ao pro­je­to men­ci­o­na­do.” E foi além: “Es­ta­mos ana­li­san­do even­tu­ais me­di­das ca­bí­veis, di­an­te do uso in­de­vi­do da lo­go­mar­ca”, in­for­mou, por meio de sua as­ses­so­ria de im­pren­sa. Se­gun­do a em­pre­sa, o lo­go usa­do no ma­te­ri­al não con­diz com a mar­ca im­pres­sa em pro­je­tos pa­tro­ci­na­dos no Bra­sil. A Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral tam­bém não en­con­trou ne­nhum re­gis­tro de pa­tro­cí­nio, nem no no­me do ar­tis­ta nem da em­pre­sa que se­ria a pro­po­nen­te, se­gun­do Nel­son Mo­ral­le: a JMSMu­sic. José Mar­tins, res­pon­sá­vel pe­la JMS Mu­sic, diz que não é pro­po­nen­te nem res­pon­sá­vel por cap­ta­ção de re­cur­sos. “A úni­ca coi­sa que fiz aqui foi im­pri­mir as có­pi­as do dis­co, que já che­gou gra­va­do.”

O Ecad, es­cri­tó­rio cen­tral que cuida dos di­rei­tos au­to­rais no Bra­sil, re­gis­tra vá­ri­as das mú­si­cas que es­tão no dis­co de Nel­son Mo­ral­le em no­me de Pe­dro Boi: “Francisco”, “Je­qui­taí”, “Mariana”, “Meu Ca­va­lo se Cha­ma Dis­co Vo­a­dor”, “Meu São João”, “Pas­sa­rim Can­tadô”, “Pas­sa­ri­nho Ca­no­ro”, “Ro­man­ce de Co­li­bri”, “Sau­da­de da Vi­la”, “Su”, “Tem Dó”, “Ven­ta­nia” e “Zum­bi”. Não há ne­nhum re­gis­tro no no­me de Nel­son Mo­ral­le Ju­ni­or. Na es­tei­ra de Pe­dro Boi, ou­tras au­to­ri­as as­su­mi­das por Nel­son co­me­ça­ram a ser con­tes­ta­das. “Mo­ral­le é um pla­gi­a­dor. Em na­da di­fe­re de um la­drão de obras de ar­te”, diz o com­po­si­tor Mar­ce­lo Ri­bei­ro, ami­go de Pe­dro Boi. A re­por­ta­gem se en­con­trou com Mo­ral­le em um ca­fé de São Ro­que. Le­vou o vi­o­lão, re­ba­teu as acu­sa­ções e se dis­se ví­ti­ma de uma per­se­gui­ção. Quan­do pe­di­mos que ele to­cas­se as mú­si­cas que es­tão em seu dis­co, ele dis­se que não sa­bia.

Fo­tos:divulgação

Pe­dro Boi, a ví­ti­ma: “Eu fi­co lou­co de rai­va”

Nel­son Mo­ral­le: co­pi­ou e co­lou a obra alheia

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.