Ca­mi­nho pa­ra lu­gar ne­nhum da dor

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

O ho­mem não é na­da quan­do en­fer­mo. Não pi­sa fir­me. In­fir­mu. Em la­tim ou em por­tu­guês, a dor é sem­pre cruel. Não tem afir­ma­ção ne­nhu­ma. Não con­se­gue ser ele mes­mo. E nem se re­co­nhe­ce em fren­te ao es­pe­lho. O ho­mem com dor, se­ja a dor fí­si­ca ou psí­qui­ca, per­de seus po­de­res e não ser­ve nem pa­ra an­ti-he­rói. A dor dói doí­da. Re­dun­dân­ci­as po­de­ri­am ex­pli­car a dor? En­ga­nam-se aque­les que pen­sam que ape­nas os re­cém-nas­ci­dos não con­se­guem ex­pli­car a dor por­que ain­da não pro­nun­ci­am pa­la­vra. Afi­nal, que pa­la­vra há pa­ra ex­pli­car uma dor? Po­de-se en­go­lir um di­ci­o­ná­rio e ain­da as­sim o ho­mem nun­ca sa­be­rá ex­pli­car a dor. Po­de até di­zer on­de é a re­gião do so­fri­men­to, on­de é que ar­de, com­pri­me, es­pre­me, qu­ei­ma, fo­de. A dor fo­de com a gen­te. Mas não se po­de tra­du­zir em pa­la­vra a quan­ti­da­de do so­fri­men­to que aque­la dor es­tá im­pon­do ao re­les ser hu­ma­no, que nes­te mo­men­to não pas­sa de uma cri­an­ça, de um in­de­fe­so, de um ve­ge­tal, de um mór­bi­do, de um ra­to que es­tá pres­tes a mor­rer no la­bo­ra­tó­rio. É nos mo­men­tos das do­res que as igre­jas co­me­çam a lo­tar e que os li­vros de au­to­a­ju­da são ra­pi­da­men­te es­va­zi­a­dos das li­vra­ri­as. E não ti­ro a ra­zão do ho­mem que, no au­ge da dor, no au­ge da in­sa­ni­da­de cau­sa­da pe­lo so­fri­men­to, pen­sou que o que lhe res­ta­va eram as ora­ções, as man­din­gas, as pre­ces, as lei­tu­ras ace­le­ra­das e fu­ga­zes. Eu mes­mo, nes­te mo­men­to, em meio a tan­tas do­res, apren­di a pe­dir me­lho­ras, alí­vi­os ime­di­a­tos, pe­lo me­nos uma tré­gua com o monstro da dor. A dor é um monstro im­pla­cá­vel, san­gui­ná­rio e que se ali­men­ta das en­tra­nhas do ho­mem. Come as pa­re­des do estô­ma­go, os neurô­ni­os do cé­re­bro e a me­tra­gem da car­ne sob a pe­le. Ras­ga pe­los, te­ci­dos e até ar­ma­du­ras de ou­ro. A dor não res­pei­ta nin­guém, nem mes­mo ida­de. É de­mo­crá­ti­ca a dor: vem pa­ra o ne­gro, bran­co, ín­dio e até pa­ra o mi­li­o­ná­rio. Quan­do che­ga, a dor ti­ra a paz e pro­mo­ve uma es­tra­da de mão du­pla com ca­mi­nhos sem­pre ne­ga­ti­vos: o ca­mi­nho do ódio ou o ca­mi­nho da au­to­la­men­ta­ção. Mes­mo op­tan­do por qual­quer um dos ca­mi­nhos, ou de re­pen­te en­con­tran­do ata­lhos em anal­gé­si­cos com pra­zos cur­tos de efi­cá­cia, qu­em es­tá no ca­mi­nho da dor nun­ca che­ga a lu­gar al­gum. Na dor, tudo é der­ro­ta e não adi­an­ta cho­rar, su­pli­car ou chu­tar, rai­vo­so, o pé da ca­ma. Res­ta ape­nas es­pe­rar e ten­tar não se dei­xar en­tre­gar pe­la ver­ti­gem e até mes­mo pe­la alu­ci­na­ção que só as do­res po­dem cau­sar. Tal­vez ha­ja, na dor, um úni­co be­ne­fí­cio pa­ra o ho­mem fra­co: a ca­pa­ci­da­de de, no pró­xi­mo dia, no pró­xi­mo al­vo­re­cer, no pró­xi­mo ama­nhe­cer, no pró­xi­mo mês ou na pró­xi­ma vi­da sa­ber va­lo­ri­zar o mo­men­to em que a dor re­sol­veu pas­sar. É nes­se ins­tan­te má­gi­co que, após a re­com­po­si­ção de to­das as for­ças su­ga­das pe­la mal­fa­da­da dor, o ho­mem fi­nal­men­te acor­da re­vi­go­ra­do e pron­to pa­ra en­ca­rar a vi­da en­xer­gan­do flo­res nas­cen­do até em meio ao as­fal­to, sen­tin­do me­lhor o gos­to do mel e do lei­te na bo­ca e ca­mi­nhan­do com pas­sa­das mais fir­mes, po­rém tran­qui­las, pa­ra o ca­mi­nho ro­ti­nei­ro e cer­tei­ro, sa­ben­do que, se con­tar com um pou­co mais de sor­te nes­ta vi­da pa­ra não ser aco­me­ti­do pe­las en­fer­mi­da­des, pe­las do­res cre­ti­nas, na­da po­de­rá im­pe­di-lo de en­con­trar, se não a fe­li­ci­da­de, pe­lo me­nos mo­men­tos fe­li­zes e mui­ta se­re­ni­da­de ao la­do de qu­em ama.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.