‘Nun­ca dis­se que era mú­si­co’

Por exem­plo?

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Nel­son Mo­ral­le re­ba­te as acu­sa­ções de rou­bo de gra­va­ções e diz que fez as mú­si­cas que es­tão em seu dis­co jun­to com Pe­dro Boi em uma “cri­a­ção co­le­ti­va.”

AGÊN­CIA ES­TA­DO O dis­co que vo­cê lan­çou tem as mes­mas gra­va­ções fei­tas por um com­po­si­tor mi­nei­ro cha­ma­do Pe­dro Boi. Co­mo is­so acon­te­ceu? NEL­SON MO­RAL­LE

Os tra­ba­lhos fo­ram con­du­zi­dos de for­ma co­le­ti­va. Hou­ve um re­gis­tro e foi omi­ti­da a mi­nha con­cep­ção das mú­si­cas na épo­ca. Co­mo ti­nha um ter­mo com ele sen­do o re­pre­sen­tan­te des­se co­le­ti­vo na épo­ca, en­tão foi ci­ta­do que es­se tra­ba­lho ha­via si­do fei­to por ele.

Pe­dro diz que vo­cê pe­gou as mú­si­cas de­le.

Pos­so afir­mar que há con­tro­vér­si­as so­bre is­so. E eu já bus­quei a res­pos­ta no meio ju­rí­di­co.

Vo­cê se apre­sen­tou co­mo au­tor da mú­si­ca “Ca­mi­nhos do Sol” em uma emis­so­ra de TV. Mas es­sa mú­si­ca é de Hernan Tor­res e Sal­ga­do Ma­ra­nhão...

Eu ou­vi mui­to di­ze­rem pa­ra mim: “Po­xa, pa­re­ce que foi vo­cê qu­em fez es­sa can­ção”. Na­que­le pro­gra­ma es­pe­cí­fi­co, um pro­du- tor dis­se pra mim: “Olha, ci­ta que es­sa mú­si­ca é sua.”

Que pro­du­tor?

Não sei.

Mas vo­cê con­cor­da que é não le­gal di­zer que é sua uma mú­si­ca que não é sua?

Foi uma má ideia sim.

No Ca­nal Rural vo­cê diz ter fei­to uma par­ce­ria com Al­mir Sa­ter. O no­me de­le apa­re­ce co­mo ar­ran­ja­dor e pro­du­tor do seu dis­co.

Se é ve­rí­di­co ou não, não sei. Não vou en­trar na ques­tão. Não pos­so, por ori­en­ta­ção ju­rí­di­ca.

Na con­tra­ca­pa de seu dis­co há os lo­gos da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e da Pe­tro­brás co­mo pa­tro­ci­na­do­res.

Não são pa­tro­cí­ni­os meus. Eu, par­ti­cu­lar­men­te, Nel­son Mo­ral­le, não fiz con­ta­to com Cai­xa nem com Pe­tro­brás.

Vo­cê tem com­po­si­ções su­as gra­va­das por ou­tros ar­tis­tas?

Al­gu­mas can­ções eu can­to e rei­vin­di­co a au­to­ria. Po­rém, por con­di­ções econô­mi­cas des­fa­vo­rá­veis no pas­sa­do, al­gu­mas can­ções mi­nhas fo­ram cedidas por au­to­ri­za­ção mi­nhas a ou­tros com­po­si­to­res. Aí, o que acon­te­ce, cê tá en­ten­den­do? Só pa­ra exem­pli­fi­car. Vo­cê tem um fi­lho e ce­de es­se seu fi­lho pa­ra ado­ção. Aí va­mos pen­sar que lá no meio do ca­mi­nho vo­cê se ar­re­pen­da. Não é cri­me vo­cê vir a pú­bli­co e di­zer que aque­le fi­lho é seu, po­rém, al­guém fa­la “mas vo­cê deu es­se fi­lho pa­ra uma pes­soa cri­ar”. E aí vo­cê rei­vin­di­ca.

“Co­li­bri Apai­xo­na­do” é sua?

A can­ção é mi­nha, mas o Pe­dro rei­vin­di­ca co­mo sen­do de­le.

En­tão vo­cê te­ria com­pos­to es­sa mú­si­ca há um bom tem­po...

Vin­te e se­te anos.

Vo­cê de­ve sa­ber to­cá-la...

Eu to­co “Co­li­bri Apai­xo­na­do” mui­to mal, ca­ra...

Vo­cê po­de to­car ago­ra?

Ca­ra, con­fes­so: nun­ca dis­se que eu era mú­si­co. Uso o vi­o­lão por­que não te­nho uma pre­sen­ça de pal­co, ele me con­for­ta quan­do es­tou na fren­te do mi­cro­fo­ne, po­rém mi­nha con­cep­ção é ruim.

Vo­cê não po­de to­car uma mú­si­ca que diz ser sua e com a qual se apre­sen­ta há 27 anos?

Não, por­que mi­nha con­cep­ção é ruim, cê tá me en­ten­den­do?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.