Uni­dos da de­ca­dên­cia do car­na­val

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Ma­cha­do não es­cre­via ape­nas so­bre o ho­mem da­que­le sé­cu­lo, mas so­bre a con­di­ção hu­ma­na. E o ser hu­ma­no pre­ci­sa, às ve­zes, fa­zer uso das más­ca­ras pa­ra so­bre­vi­ver so­ci­al­men­te. Mui­tos se ga­bam di­zen­do ser sem­pre sin­ce­ros. Ou­tros tan­tos le­van­tam a ban­dei­ra con­tra qu­em tem um com­por­ta­men­to fa­mi­li­ar di­fe­ren­te do as­su­mi­do no tra­ba­lho. Mas a ver­da­de é que al­gu­mas si­tu­a­ções exigem que use­mos más­ca­ras.So­mos re­al­men­te ver­da­dei­ros quan­do es­ta­mos no mun­do vir­tu­al? Aque­le “que lin­da!” que es­cre­ve­mos na fo­to da re­de so­ci­al re­pre­sen­ta mes­mo o que pen­sa­mos? Ou é só uma fra­se pa­ra fa­zer um afa­go em al­guém? Car­na­val, ou “car­ne va­le”, que sig­ni­fi­ca “adeus à car­ne”, são fes­tas re­gi­das pe­lo ano lu­nar no Cris­ti­a­nis­mo da Ida­de Mé­dia e que têm os des­fi­les e fan­ta­si­as co­mo he­ran­ças da so­ci­e­da­de vi­to­ri­a­na do sé­cu­lo XIX. Por­tan­to, já des­mis­ti­fi­ca­mos a pri­mei­ra gran­de má­xi­ma, de que o car­na­val é uma ce­le­bra­ção ti­pi­ca­men­te bra­si­lei­ra. O que o Bra­sil fez pe­lo car­na­val foi dar bri­lho, lan­te­jou­las, ba­te­ri­as, ale­go­ri­as e pou­ca rou­pa. Mas en­ga­na-se qu­em con­si­de­ra­o­e­ven­to­a­mai­or­fes­ta­po­pu­lar­do­mun­do.

O car­na­val es­tá ca­da vez mais aris­to­crá­ti­co. Ven­das de aba­dás ca­rís­si­mos, ca­ma­ro­tes ca­ros e ga­ran­tia de bons negócios. Ao po­vo, que não po­de gas­tar for­tu­nas, e é a gran­de mai­o­ria, res­ta mes­mo fi­car do la­do da cor­da des­ti­na­do à pi­po­ca. De de­mo­crá­ti­co is­so não tem na­da, por­que os pró­pri­os tri­os elé­tri­cos não es­tão ali pu­ra e sim­ples­men­te pa­ra di­ver­tir a mas­sa, mes­mo por­que são fi­nan­ci­a­dos pe­la mes­ma. Re­ce­bem quan­ti­as exor­bi­tan­tes das pre­fei­tu­ras, nu­ma es­pé­cie de apa­dri­nha­men­to po­lí­ti­co, e no en­tan­to, o pão não é ga­ran­tia na me­sa do po­vo que le­va uma vi­da mi­se­rá­vel. Es­te ti­po de coi­sa não é pri­vi­lé­gio dos tri­os elé­tri­cos da Bahia, por­que as es­co­las de sam­ba do Rio de Ja­nei­ro e São Pau­lo, são igual­men­te po­li­ti­za­das. Di­nhei­ro pú­bli­co gas­to em de­ma­sia nu­ma fes­ta de 5 di­as e que po­de­ria ser in­ves­ti­do em tan­tos ou­tros seg­men­tos so­ci­ais. Aliás, “amor” pe­la es­co­la de sam­ba nos di­as de ho­je é uma ba­le­la. Vo­cê po­de des­fi­lar on­de vo­cê qui­ser sem pre­ci­sar se­quer sa­ber o en­re­do. Pa­gan­do bem, que mal tem? Foi-se o tem­po em que as agre­mi­a­ções des­fi­la­vam en­re­dos en­tu­si­as­ma­dos com te­mas que su­ge­ri­am crí­ti­cas so­ci­ais, as­pec­tos po­lí­ti­cos sem fa­zer po­li­ti­ca­gem e seus in­te­gran­tes­se­en­vol­vi­am­co­mo­te­ma­es­co­lhi­do.

No car­na­val de 2012, co­mo sa­be­mos, o en­re­do da Bei­ja-Flor foi o Ma­ra­nhão. O que fi­cou ve­la­do é que a es­co­la re­ce­beu cer­ca de R$ 2 mi­lhões do go­ver­no ma­ra­nhen­se pa­ra o en­re­do so­bre os 400 anos da ca­pi­tal, São Luís. Um Es­ta­do que na cer­ta não es­tá es­ban­jan­do di­nhei­ro por­que pos­sui edu­ca­ção ade­qua­da às cri­an­ças e jo­vens, bons hos­pi­tais, trans­por­te pú­bli­co dig­no, se­gu­ran­ça e por aí vai. Bem, fa­tu­rar mes­mo no car­na­val, só os do­nos des­tas agre­mi­a­ções, por­que o in­te­gran­te da co­mu­ni­da­de não se­rá be­ne­fi­ci­a­do em na­da. Quer ga­nhar di­nhei­ro no car­na­val? Se­ja do­no de cer­ve­ja­ria, pro­pri­e­tá­rio de trio elé­tri­co ou co­lo­que em prá­ti­ca seu poder cri­a­ti­vo e se­ja o cri­a­dor de le­tras in­te­li­gen­tes co­mo “o melô da mu­lher-ma­ra­vi­lha”. Gra­ve um ví­deo, jo­gue na internet e aí, qu­em sa­be vo­cê se­rá a no­va co­que­lu­che do pró­xi­mo car­na­val. E o que di­zer dos blo­cos de rua? Um quer le­var mais fo­liões pa­ra as ru­as do que o ou­tro. A pes­soa que quer se di­ver­tir não con­se­gue, aper­ta­da e des­con­for­tá­vel no meio de tan­ta gen­te. O ras­tro de su­jei­ra é cor­te­sia da­ban­da­dos“mi­jões”.

Ou­tro exem­plo la­men­tá­vel foi o que pre­sen­ci­a­mos na apu­ra­ção dos vo­tos do car­na­val pau­lis­ta de 2012, a ale­go­ria da aber­ra­ção. Mis­tu­rar tor­ci­das de fu­te­bol, que não são nem um pou­co or­ga­ni­za­das, com car­na­val é pe­dir pa­ra dar con­fu­são. Dá um as­pec­to mar­gi­nal e uma com­pe­ti­ção des­tru­ti­va, por­que o que foi fei­to no sam­bó­dro­mo é o que es­tas tor­ci­das fa­zem ge­ral­men­te quan­do acom­pa­nham seus ti­mes às ci­da­des do in­te­ri­or: ba­der­na, vi­o­lên­cia, bri­gas e van­da­lis­mo. Lem­bran­do que du­ran­te a apu­ra­ção hou­ve a in­va­são de um in­te­gran­te da Im­pé­rio de Ca­sa Ver­de à área de apu­ra­ção, on­de ele to­mou o úl­ti­mo en­ve­lo­pe das mãos do lei­tor e o ras­gou, além de um in­cên­dio cri­mi­no­so aos car­ros ale­gó­ri­cos­daPé­ro­laNe­gra.

Dis­cu­tir o car­na­val é tam­bém fa­lar so­bre ca­la­mi­da­des pú­bli­cas, co­mo os nú­me­ros de aci­den­tes nas es­tra­das por cau­sa do abu­so de be­bi­das al­coó­li­cas e ca­sos de gra­vi­dez in­de­se­ja­da. E aí, é ine­vi­tá­vel não pen­sar tam­bém nas DSTs e pro­ce­di­men­tos de abor­to­pós-fes­tas.

Não sou con­tra a fes­ta, a ale­gria e a di­ver­são. Acho bom que em um país em que so­mos mas­sa­cra­dos to­dos os di­as com no­tí­ci­as des­tru­ti­vas, o po­vo te­nha mo­ti­vos pa­ra se dis­trair e co­me­mo­rar. A fal­ta de juí­zo crí­ti­co, o em­bo­ta­men­to so­ci­al, a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de de al­gu­mas pes­so­as, ba­na­li­da­des, exa­ge­ros, fal­ta de li­mi­tes e as ban­da­lhei­ras po­lí­ti­cas são al­vo das crí­ti­cas des­te ar­ti­go. Mas tudo bem, um salve pa­ra a ali­e­na­ção de um po­vo que se fan­ta­sia mui­to bem, mas pa­re­ce não sa­ber apro­vei­ta­ras­coi­sas­bo­as­da­vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.